21 dias para mudar os hábitos e ajudar a vencer o câncer

Maria Thereza começou a correr enquanto se tratava de câncer de mama e hoje está curada Inca e Fundação do Câncer lançam campanhas

Redação
Após se recuperar do câncer, Maria Thereza começou a caminhar. Hoje participa de corridas e já ganhou mais de 100 medalhas (Foto: Divulgação)

Maria Thereza Pereira, de 57 anos, recebeu o diagnóstico de câncer de mama em 2015 e teve que passar por radioterapia, quimioterapia e cirurgia. Ainda durante o tratamento, decidiu que não se entregaria à doença. E começou a caminhar devagar, dentro de casa; passou então a caminhar na rua e depois a participar de corridas de rua. Chegou até a São Silvestre. Hoje, guarda em casa mais de 100 medalhas e alguns troféus, dos quais se orgulha. Mas a maior vitória foi vencer o câncer.

Ela recebeu a notícia da alta em um momento difícil para todos, em meio a uma pandemia mundial. Mesmo diante de restrições, Maria Thereza nunca desanimou: “Continuo praticando a corrida estacionada dentro de casa. Mesmo usando máscara, respeitando as medidas de segurança. Adaptei a vida e sigo no caminho da saúde.” Ela diz que o sucesso no tratamento é fruto da escolha por dar mais atenção à saúde, adotando alimentação saudável e a prática da corrida.

Outro exemplo é o da aposentada Nancy Soares, 74 anos, ex-fumante, que comemora hoje ter deixado o tabagismo há cerca de 20 anos, por amor à neta. “Eu cuidava dela e um dia entrei no quarto e senti que estava com cheiro de cigarro. Achei que poderia lhe fazer mal. Peguei os maços e falei: não quero mais isso para mim”, diz a avó zelosa, que hoje é motivo de orgulho para a família.

“Minha mãe fumou desde os 10 anos de idade, hoje sofre de problemas respiratórios por conta disso, mas fico feliz por ela ter deixado o tabagismo. Foi importante para sua saúde”, conta Renata Alves, filha de Nancy. “Ela tem problema cardíaco também, é hipertensa, se não tivesse parado de fumar, talvez não tivesse mais aqui conosco”, comenta Renata.

Maria Thereza e Nancy são duas fontes de inspiração para a campanha de prevenção ao câncer deste ano em que o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima 625 mil novos casos da doença no Brasil. “Eu sou e eu vou” é o tema da campanha promovida pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) pelo Dia Mundial do Câncer, celebrado esta semana (4 de fevereiro) – veja nossa série Especial Câncer aqui no ViDA & Ação.

Inca lança campanha ‘Melhore a sua saúde’

A campanha internacional foi iniciada em 2019 e termina este ano com o chamado ‘Desafio de 21 Dias’. A proposta é incentivar a prevenção por meio da adoção de bons hábitos por meio de pequenas ações cotidianas, no entanto, significativas. De acordo com as entidades que estão participando da campanha mundial, estas três semanas são cruciais para que qualquer pessoa empenhada em fazer escolhas saudáveis consiga transformá-las em práticas de vida sadias para seu cotidiano. 

Como membro da UICC, o Inca é responsável, no Brasil, pela organização das atividades para marcar a data. A proposta da UICC para este ano é escolher um desafio (dentro cinco propostos) e o Inca abraçou o desafio ‘Melhore a sua saúde’. Para cada desafio são propostas 21 tarefas, uma por dia, para serem feitas a partir do dia 5 de fevereiro. Todas simples e com o objetivo de melhorar a saúde globalmente. Veja entrevista da diretora-geral do Inca, Ana Cristina Pinho, sobre a data.

Fundação do Câncer lança 21 ações para 2021

Seguindo a orientação da UICC, a Fundação do Câncer lançou a campanha #EuSouResilienteEVouInovar, dentro das “21 ações para inovar em 2021”, que busca incentivar as pessoas a mudarem de hábito, seja na sua família, com amigos ou no ambiente de trabalho. Com o lema ‘Eu sou resiliente e vou inovar’, a campanha destaca que, apesar das dificuldades oriundas da pandemia da Covid-19, é possível e necessário a busca pela saúde.

A Fundação do Câncer trabalhará com a ideia de que ‘Eu sou consciente da importância dos hábitos e vou valorizar mais meu tempo promovendo saúde em minha vida e na de quem amo’. “Trata-se da união de esforços para promover saúde e criar um dia a dia que pese sobre o controle do câncer. Ajudando, de fato, de forma prática, nos resultados positivos para a saúde”, explica Luiz Augusto Maltoni, médico e diretor-executivo da Fundação.

Ao longo de todo o ano, serão apresentadas duas ações a cada mês buscando incentivar as pessoas a cuidarem da sua saúde, seja por meio de histórias de superação de pacientes com câncer, de atitudes que incentivem a prática do exercício, a alimentação saudável, a importância dos exames de rastreamento, o abandono do tabagismo. “Esses são alguns dos 21 temas a serem abordados em formato de depoimento, vídeos, entrevistas, lives, campanhas e eventos”, adianta Maltoni.

No áudio acima, diretor-executivo da Fundação do Câncer destaca importância da atividade física

Segundo o diretor-executivo da Fundação do Câncer, essas ações educativas e de esclarecimento sobre doenças crônicas não podem ser deixadas de lado mesmo diante da pandemia da Covid-19. “O Inca estima o registro de 625 mil novos casos somente este ano. Daí a importância da nossa campanha, que iniciou fazendo um alerta sobre o câncer de pele através de painéis instalados na Ponte Rio-Niterói chamando a população para o cuidado: ‘faça da prevenção um hábito!’.

A campanha está disponível em suas redes sociais e na página www.cancer.org.br

Com Assessorias

In the news
Leia Mais