5 situações de rotina que mais geram dor de cabeça

 Segundo pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência, encomendada pela marca Neosaldina® para avaliar o panorama da dor de cabeça no Brasil, 95% da população sente dificuldade ou impedimento na realização das atividades rotineiras em função da dor. A amostra com mais de mil pessoas releva que a cefaleia é comum e tem alto impacto na qualidade de vida.

O levantamento identificou que, de 95% dos entrevistados que tiveram impacto no cotidiano por conta da dor, 70% sentiu isso no trabalho, 65% no estudo, 50% no sono, 50% na prática de atividades físicas, 49% com amigos e 39% no namoro. Ainda segundo a pesquisa, o estresse tem relação com a dor: 87% da amostra diz ser estressada, sendo que, deste percentual, 46% são em alto nível.

A Dra. Juliane Peres Mercante, psicóloga especialista em cefaleias e doutora pelo departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, juntamente com a Bruna Fioreti, coach de vida e carreira e influenciadora focada em conteúdo sobre qualidade de vida, identificaram cinco situações comuns em que gatilhos para a dor de cabeça podem aparecer.

  1. Reformas/construções

Nessa fase, a dor de cabeça pode ser comum por conta do barulho constante e cheiros fortes. A Dra. Juliane explica a “importância de reforçar a qualidade de vida na rotina, valorizando a boa alimentação e a prática adequada dos exercícios físicos. Sempre que possível, evitar a exposição ao barulho”.

  1. Trânsito

Permanecer horas parado no carro, mudanças bruscas de via, pneu furado, entre outros, podem desencadear a dor de cabeça. A psicóloga reforça a importância de evitar o jejum prolongado. “As pessoas resistem melhor à vulnerabilidade e a indisposição quando bem alimentadas e hidratadas, estando mais bem preparadas para um momento que exige concentração e disposição”.

Na pesquisa, 42% dizem que o cheiro de gasolina também é um gatilho para a dor. A doutora reitera que a maneira como a pessoa interpreta a situação também pode desencadear diferentes emoções. “Por exemplo, no trânsito, se o indivíduo pensar que é injusto que outro carro não dê passagem, provavelmente se sentirá irritado. Se pensar que está perdendo tempo ou que vai se atrasar, sentirá ansiedade. Esses sentimentos sobrecarregam a saúde, geram mal-estar e não são uteis, pois não modificam a situação. É importante, em todos os casos, observar também a tensão muscular desencadeada por emoções negativas ou por postura inadequada.”

Bruna argumenta que, além da questão fisiológica, com os sentidos da visão e audição prejudicados por conta das fortes luzes e barulho alto das buzinas, a irritação é sempre muito frequente. “Com a correria da rotina, ficamos sempre com a cabeça cheia e para conseguir nos desvencilhar da agitação precisamos entrar em uma nova vibração, que pode levar alguns minutos até a diminuição significativa do estresse”, comenta.

  1. Falta de sono

A insônia é um fator que pode desencadear o estresse e desconforto e, consequentemente, uma possível dor de cabeça. Os brasileiros não passam despercebidos quando o assunto é uma noite de sono adequada. 55% das pessoas dormem de 6 a 7 horas e 24% de 4 a 5 horas; dentre os entrevistados, 60% atribuem a dor à falta de sono.

Bruna afirma que já sofreu bastante com a insônia, principalmente em virtude da agitação antes do sono. “Ficar no celular antes de dormir, com as redes sociais e o Whatsapp ligados, perturbavam meu sono e me faziam acordar diversas vezes durante à noite”, expõe. Uma orientação que a blogueira compartilha é optar pela desconexão pré-sono, fundamental para o correto funcionamento do organismo.

Desligar-se dos estímulos do ambiente que agitam, para conectar-se com um relaxamento e descanso de qualidade é realmente fundamental”, complementa a Dra. Juliane.

  1. Cansaço

Com a rotina corrida e atarefada, o cansaço é outro ponto de atenção. 58% dos entrevistados optam por relaxar, dormir e ficar sozinhos para aliviar os sintomas da dor de cabeça causada pela exaustão. Além disso, 45% consideram a proximidade com a natureza para diminuir a dor.1 “Técnicas de relaxamento e respiração profunda podem ser úteis para restaurar o equilíbrio. Outro caminho é optar por passeios e momentos ao ar livre próximos da natureza. Com os estímulos mais lentos, o corpo reage em sintonia com o ambiente e se espelha, melhorando o humor e revigorando as sensações”, afirma a psicóloga.

A coach de vida e carreira alega que uma maneira de se recuperar do cansaço é prezar pelo autoconhecimento e, dessa forma, mudar o ritmo das atividades. “É preciso entender quais horas do dia cada um rende mais, descobrindo os picos de cansaço para se organizar e se prevenir da melhor forma”. Ela ainda complementa que “escutar músicas relaxantes, dar uma volta no quarteirão e até mesmo tirar uma soneca de 20 minutos podem ser atitudes completamente transformadoras”.

  1. Luz excessiva

A dor de cabeça também pode ser desencadeada com a grande exposição à claridade, ao sol e aos objetos tecnológicos que irradiam luz, como computador e televisão. Segundo a Dra. Juliane, manter a proteção do rosto e dos olhos com a utilização de óculos e chapéus é uma boa dica para prevenção.

O acompanhamento médico nos casos de dor de cabeça também é primordial, principalmente para esclarecer dúvidas, auxiliar no tratamento e evitar os impactos negativos na vida do paciente. “Na maioria das vezes, os gatilhos das dores envolvem uma combinação de fatores e qualquer excesso ou sobrecarga ao organismo pode funcionar como fator gerador. É importante observar os sinais com cautela para identificar o melhor caminho a seguir, sempre com a ajuda de um especialista”, conclui a Dra. Juliane.

 

Principais achados da pesquisa

  • Em uma pergunta de múltipla escolha, dos 97% que afirmam ter tido dor de cabeça no último mês, 95% tiveram impacto no cotidiano, sendo 70% no trabalho, 65% no estudo, 50% no sono, 50% na prática de atividades físicas, 49% com amigos e 39% no namoro. 87% dizem ser estressados e 46% dizem ter alto nível de estresse.
  • Entre outras causas mencionadas como possíveis gatilhos para as dores de cabeça, estão: 58% relacionadas à poluição, 48% aos alimentos gordurosos e as frituras e para 42% são os cheiros de perfume e de gasolina que provocam a dor.
  • 55% dormem de 6 a 7 horas e que 24% das pessoas dormem apenas de 4 a 5 horas por noite. Os que dormem 8 horas ou mais são 18%, e destes, 22% são mulheres e apenas 14% homens. A falta de sono ou insônia é também um gatilho para a dor de cabeça e, entre os entrevistados, 60% atribuem a dor à insônia.
  • 91% dos entrevistados usam medicamento para a dor de cabeça, mas deste número, a maioria (58%) também opta por relaxar, dormir e ficar sozinho para aliviar os sintomas. E 45% consideram que a proximidade com a natureza pode diminuir a dor.