‘Aliança pela vida’: empresas, sociedade e governos se unem na pandemia

Confira uma seleção de iniciativas que doam oxigênio, equipamentos, insumos e medicamentos para hospitais e unidades de saúde

oxigenio

Em meio à aceleração dos casos de Covid no país e à falta de coordenação e planejamento por parte do Governo federal no enfrentamento da pandemia, é quase impossível acreditar que apenas o poder público daria conta de prover atendimento, medicamento e restabelecimento dos pacientes. Pensando nisso, muitos estados retomaram as ações unindo empresas, sociedade civil organizada e poder público. Confira algumas dessas iniciativas:

Campanha Aliança pela Vida mobiliza Santa Catarina

Em Santa Catarina, por exemplo, 15 instituições, entre empresas, organizações e associações, se mobilizaram para promover a campanha “Aliança pela Vida”, que começou no mês de março. Em quatro semanas foram arrecadados aproximadamente R$ 3,5 milhões. A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), junto à sociedade civil e o governo, criou estruturas de triagem, atendimento e tratamento.

O movimento envolve empresas que atuam com telemedicina, acompanhamento de pacientes para evitar quadro inflamatório, deslocamento de UTI Móvel até a residência do paciente e até comunicação com o Estado, caso fosse necessário transferir pacientes para hospitais. O hospital da Grande Florianópolis saiu de 32 para 58 leitos de UTI.

Uma das empresas envolvidas é a C-Pack Creative Packaging, especializada na produção de bisnagas plásticas para cosméticos no Brasil. A empresa também passou a fabricar embalagens de álcool em gel para clientes porque houve uma falta acentuada do produto no mercado. E distribuiu gratuitamente 20 mil unidades para a comunidade, policiais e bombeiros, vigilância sanitária, postos de saúde e hospitais.

Houve doações de álcool em gel para entidades da Grande Florianópolis e distribuição do produto para os colaboradores da empresa. Em parceria com a Cottonbaby, foram distribuídos de 22 mil unidades de álcool em gel para entidades da região e cerca de 120 Kits de higiene e limpeza para a comunidade do Sertão do Maruim em parceria com a empresa Armacell.

Até o dia 12 de abril as doações permitiram realizar 2.351 atendimentos. Foram encaminhados para a Unidade de Pronto Atendimento cinco pacientes, 11 foram direcionados para hospitais e em domicilio, 121. Por meio de telemedicina, foram realizados 2.214 procedimentos e 137 pacientes receberam cuidados em UTI Móvel. Também foram realizados 2.351 testes, sendo que 20% resultaram negativo, 52% positivo e ainda 28% dos testados permanecem aguardando. A empresa também realizou doações de cestas básicas, leite e materiais na igreja vizinha.

Além da Fiesc e C-Pack, a Aliança pela Vida reúne a Associação Catarinense de Medicina, o Hospital SOS Cardio, a Dasa – Santa Luzia e as entidades OAB Santa Catarina e Floripa Sustentável. Também fazem parte entidades empresariais como Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (Acif), Associação Empresarial da Região Metropolitana de Florianópolis, CDL Florianópolis e Sinduscon, além das empresas Engie, Acate e Intelbras.

Santa Casa de Curitiba recebe doação de R$ 50 mil

O grupo empresarial paranaense Grupo Noster realizou em abril uma doação no valor de R$ 50 mil para o Hospital Santa Casa, uma Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba. Esta já é a segunda rodada de ajuda financeira que a empresa oferece à instituição. No ano passado, foram doados outros R$ 50 mil utilizados para a compra de aventais descartáveis destinados a médicos, enfermeiros e atendentes que fazem o acompanhamento dos pacientes acometidos pelo coronavirus.

Neste ano o recurso foi destinado para compra de aparelhos de eletrocardiograma e monitores.  Esse último é imprescindível para manutenção dos pacientes que estão internados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI´s). “ Os monitores, junto com outros equipamentos, nos permitem trabalhar com maior eficiência principalmente nas Unidades de Terapia Intensiva”, destacou a diretora do hospital, Noemi Moraes.

A Santa Casa de Curitiba realizou em 2019, mais de 150 mil atendimentos ambulatoriais, mais de 11 mil procedimentos cirúrgicos, 25 mil atendimentos de urgência/emergência. Com a chegada do coronavírus, houve queda nos procedimentos ambulatoriais, em contrapartida, aumentaram em mais de 20% os atendimentos de urgência/emergência, além do crescimento na taxa de ocupação do hospital de 11% principalmente nos leitos de UTI.

A queda do número de atendimentos ambulatoriais, diminuiu as receitas do hospital, ressignificando ainda mais as doações realizadas. “Essa e outras doações são imprescindíveis para que o Hospital Santa Casa dê continuidade ao seu papel perante a sociedade. Hoje possuímos 165 leitos de UTI, destes 148 são SUS e 70 são exclusivos para Covid. Para darmos continuidade a manutenção desses leitos, contamos com a ajuda de todos”, finalizou Noemi.

Ação de solidariedade no Amazonas não para

Os casos de contaminação da Covid-19 infelizmente não param de crescer, principalmente em regiões mais afastadas do Brasil. Uma das que mais sofreram com a doença foi a Região Norte, que enfrentou uma das piores crises sanitárias dessa pandemia, com leitos chegando à lotação máxima e a falta de oxigênio para o tratamento dos doentes. Apesar da redução no número de mortes, ainda é preciso atenção. Com a capacidade de ação reduzida nos governos locais, a mobilização da sociedade, de empresas e organizações que atuam na região está sendo essencial para ajudar os municípios e sua população.

A iniciativa “PPA Solidariedade: Respostas à Covid-19 na Amazônia”, por exemplo, tem atuado para mitigar os impactos da pandemia na Calha Norte Paraense e articulou com parceiros como a Agenda Pública, representante do Programa Territórios Sustentáveis (PTS), a doação de itens para as secretarias municipais de saúde. São equipamentos apontados como essenciais pelos gestores públicos municipais, disponibilizados aos municípios de Faro, Oriximiná e Terra Santa, no Pará.

Além da entrega mais recente de nove concentradores de oxigênio para os municípios, itens de proteção individual, como máscaras, luvas, aventais, faceshields, pantufas descartáveis, máscaras n95, suprimentos básicos para o atendimento, entre outros, foram doados e distribuídos entre hospitais e Unidades Básicas de Saúde (UBS) para atendimento urbano e também de comunidades mais isoladas.

Desde o ano passado, a Agenda Pública vem realizando diversas ações nos três municípios para mitigar os impactos da Covid. São campanhas de comunicação para prevenção do contágio e conscientização sobre a importância da vacina para a população, além da entrega de cestas básicas e kits de higiene para comunidades ribeirinhas, indígenas e quilombolas.

Ao todo, foram entregues 3 mil cestas básicas em comunidades são de difícil acesso. Os trajetos têm inúmeras dificuldades logísticas e foram realizados sob chuva e sol, de carro, moto, voadeiras, barcos e balsas. As ações também priorizaram a compra de itens para distribuição no comércio dos municípios, como forma de fortalecer a economia local no cenário de vulnerabilidade.

As campanhas de comunicação seguem em andamento e já atingiram 80 mil pessoas na região da Calha Norte Paraense, por meio de cartazes, folders, rádios locais, carros de som e campanha de redes sociais com micro influenciadores locais. Outro foco de atuação do projeto foi a realização de oficinas para o aprimoramento do serviço de saúde dos municípios. Ações de emergência se tornaram essenciais com a pandemia do novo coronavírus, além de políticas públicas de saúde.

As ações na região são viabilizadas em parceria entre Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), NPI Expand, Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA), Mineração Rio do Norte (MRN) e SITAWI Finanças do Bem.

Doação de usina de oxigênio a maternidade de Manaus

Por conta da pandemia de Covid-19, Manaus viveu uma crise de escassez de oxigênio na primeira quinzena de janeiro. As ações para ajudar o estado permanecer. No final de abril, em parceria com a Embaixada da Noruega, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), agência do Sistema ONU para saúde sexual e reprodutiva, doou uma usina de oxigênio à Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas.

O equipamento foi instalado na maternidade Ana Braga, a instituição pública que realizou mais partos na cidade de Manaus nos últimos 15 anos. Em 2020 foram 9.967 internações, das quais 6.746 foram partos. Em função da pandemia, a maternidade instalou 12 leitos clínicos e dez de UTI exclusivos para Covid-19. No início de 2021, iniciou a implantação de mais 18 leitos clínicos e dez de UTI para pacientes de coronavírus.

Desde o começo da pandemia, o UNFPA tem apoiado outras maternidades localizadas na cidade para que o atendimento a mulheres grávidas, puérperas e a bebês recém-nascidos não seja prejudicado. O objetivo é apoiar a saúde materno-infantil de Manaus, visando evitar um cenário de escassez de oxigênio em momentos de alta demanda, como ocorrido em janeiro de 2021, quando o fundo fez uma doação de 60 cilindros de oxigênio à maternidade municipal Moura Tapajoz.

O equipamento doado pelo UNFPA tem capacidade de produção de 27 Nm³/hora de oxigênio medicinal, com 93% de pureza. O termo Nm³ significa normal metro cúbico e é uma medida usada para ar comprimido. Com a conversão, o dado é de 31 m³ por hora. De acordo com o Ministério da Saúde, 30 metros cúbicos por hora são suficientes para abastecer, em média, até 70 leitos – o que atende 100% da demanda atual na maternidade Ana Braga. O investimento total é de R$ 665 mil e se refere aos custos de aquisição e instalação da planta de oxigênio, além dos gastos de gerenciamento e administração.

Parceira de longa data do UNFPA, a Embaixada da Noruega é financiadora do projeto. Em 2019, de acordo com o ranking de doadores, o país contribuiu com recursos na ordem de 85,2 milhões de dólares, ocupando o sétimo lugar entre os maiores doadores. Desde 2019, o Fundo de População da ONU atua em Manaus no atendimento e recepção de pessoas migrantes e refugiadas, com foco na saúde reprodutiva de mulheres e gestantes.

UFRJ doa álcool 70 e em gel a municípios da Baixada Fluminense

Instituto de Química da UFRJ entregou 4.500 litros de álcool 70 às secretarias de Saúde de Mesquita, Nilópolis e São João de Meriti (Foto: Divulgação)

Em ação social de combate à pandemia da Covid-19, o Instituto de Química da UFRJ entregou esta semana 4.500 litros de álcool 70 às secretarias de Saúde de Mesquita, Nilópolis e São João de Meriti, na Baixada Fluminense. As três cidades estão entre as que apresentam no Estado do Rio os maiores índices de mortes decorrentes do novo coronavírus. Todo o material será distribuído entre os hospitais públicos da região.

Com a ajuda de voluntários, a UFRJ já produziu aproximadamente 3.500 litros de álcool glicerinado e 400 kg de álcool em gel, que foram fornecidos gratuitamente para o complexo hospitalar e equipes de limpeza da própria universidade. A iniciativa de apoio às prefeituras da Baixada Fluminense faz parte de um projeto que prevê a produção de 15 toneladas de etanol 70% glicerinado e duas toneladas de álcool em gel.

Com recursos obtidos por meio de edital da 3a Vara Federal de São João de Meriti, o complexo de laboratórios que compõem o Pólo de Xistoquímica (Instituto de Química – UFRJ) foi adaptado para produção de álcool 70. A unidade piloto de bioprocessos do Laboratório de Biotecnologia Microbiana (LaBiM) agora tem capacidade para produzir e envasar, aproximadamente, 200 litros do produto, a cada hora. Já o Laboratório de Reatividade de Hidrocarbonetos, Biomassa e Catálise (LARHCO) passou a produzir, diariamente, 400 kg de álcool em gel. A logística de entrega dos insumos e da produção foi realizada em parceria com a Prefeitura Universitária da UFRJ.

Doação de medicamentos a hospitais de Anápolis

A Fresenius Kabi, empresa alemã que atua em medicamentos e tecnologias para infusão, transfusão e nutrição clínica, voltará a doar ampolas e frascos de medicamentos para os hospitais de Anápolis (GO. A cidade abriga uma das fábricas da companhia no Brasil e que é o segundo maior polo farmacêutico do país. A iniciativa busca auxiliar nas demandas dos hospitais públicos locais, em função da pandemia da Covid-19, contribuindo com a saúde da população.

A empresa doará mensalmente 9.500 unidades de Ciprofloxacino e Ceftriaxona (antibióticos), Amiodarona (antiarrítmico/vasodilatador) e Midazolam (benzodiazepínico), durante quatro meses. A soma das doações previstas perfaz um valor de mercado de aproximadamente R$ 2,44 milhões.

As doações realizadas no segundo semestre de 2020 (entre julho e dezembro) totalizaram um custo de mercado de quase R$ 8 milhões em produtos como Ceftriaxona, Ciprofloxacino e Teicoplanina (antibióticos), Hidrocortisona (corticosteroide) e Pancurônio (anestésico/relaxante muscular), que fazem parte do arsenal de medicamentos utilizados no tratamento de pacientes infectados pela Covid-19.

Empresa doa medicamentos do kit intubação para hospital de SP

Sensibilizada com a escassez de medicamentos do ‘kit intubação’ no Hospital Nossa Senhora da Piedade (HNSP) em Lençóis Paulista, a Bracell procurou formas de apoiar, mobilizando parte de seu time de suprimentos para o suporte e aquisição destes insumos.

A empresa direcionou cerca de R$ 1 milhão em medicamentos, o equivalente a mais de 14 mil ampolas que fazem parte do ‘kit de intubação’. Os kits são compostos por medicações fundamentais para o tratamento de pacientes em estado grave da Covid-19, contribuindo para realização dos atendimentos por cerca de 30 dias, conforme estimado pela equipe médica do hospital, período para que os governos estadual e federal possam retomar o suprimento regular no envio dos medicamentos.

A Bracell faz parte do grupo RGE, que gerencia empresas com operações globais de manufatura baseadas em recursos naturais. Neste ano de pandemia, a Bracell direcionou mais de R$ 15 milhões em ações no combate e prevenção à Covid-19, beneficiando os municípios e hospitais de Lençóis Paulista e região. A empresa faz parte do grupo RGE, que gerencia empresas com operações globais de manufatura baseadas em recursos naturais.

Avião Solidário leva doses de vacinas para 11 estados

O Avião Solidário da Latam decolou novamente para levar esperança no combate a Covid-19. Entre os dias 15 e 16 de abril, o programa realizou decolagens a partir de São Paulo (Guarulhos) para transportar uma nova remessa de 1.489.400 doses de vacinas para abastecer 11 estados do País. Confira aqui todos os voos e embarques previstos.

Considerando esses novos embarques, o programa Avião Solidário da Lata, já movimentou gratuitamente dentro do Brasil mais de 21,6 milhões de doses a bordo de 213 voos desde 18 de janeiro.  O projeto, que beneficia há 9 anos a América Latina, já transportou gratuitamente, desde o início da pandemia de covid-19 e, por meio da LatamCargo, testes rápidos, medicamentos, máscaras, entre outros itens, beneficiando diretamente diversas localidades no Brasil, Chile, Colômbia, Equador e Peru.

Além disso, levou de forma gratuita mais de 1 mil profissionais de saúde para atender às urgências relacionadas à pandemia e mais de 500 pessoas com necessidades médicas diversas, como enfermidades ou cirurgias que requerem atendimento urgente.

Com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais