Angélica revela: ‘Síndrome do Pânico não tem lógica’

Rosayne Macedo

Não é apenas a atriz Giovanna Antonelli que revelou ter passado por crises de síndrome do pânico após sofrer 12 assaltos na infância (veja a matéria aqui). Em recente entrevista ao programa ‘Bem Estar’, da TV Globo, a apresentadora Angélica revelou que após o acidente aéreo que sofreu com a família e as babás de seus filhos, ela passou a desenvolver a síndrome do pânico, um tipo de transtorno de ansiedade que causa crises repentinas de medo e mal-estar.

“Trabalho desde muito cedo. Comecei na televisão com muita gente em volta e muita informação aos 5 anos de idade. Então, óbvio que o meu HD já estava cheio. Ninguém consegue fazer tudo ao mesmo tempo como a gente tem feito hoje. E u sentia umas palpitações, aí eu tinha medos de algumas coisas, de sair e ficar sozinha em alguns lugares, era incontrolável. É uma coisa que racionalmente você sabe que não tem nenhum problema, mas aquilo não tem lógica”, contou Angélica.

A apresentadora atribuiu o problema ao episódio do acidente: “Acho que desencadeou sim por causa do acidente. Com certeza foi um momento forte, que mexeu muito comigo. O pânico é isso, você começa a ter medo de ter medo porque você não tem controle de si mesmo e essa falta de controle é muito ruim”.

Apresentadora revelou que desenvolveu síndrome do pânico após sofrer acidente aéreo com a família (Reprodução TV Globo)

A síndrome do pânico é um transtorno onde a pessoa tem crises de extremo medo e pavor. O problema não tem uma causa definida e aparece principalmente em mulheres. Os sintomas são aumento da frequência cardíaca, calor, dores no peito e no estomago, formigamento nas mãos, crise de choro, etc. “Com tudo isso a pessoa que sofre da síndrome do pânico, passa a ter uma vida limitada, não conseguem trabalhar direito, não tem uma vida social, vive em extrema atenção e tensão, pensando que o pior pode acontecer a qualquer momento”, explica.o terapeuta Bruno César Costomski, criador do método Tardemah Terapia.

Sintomas da ansiedade

Considerada uma característica biológica, a ansiedade geralmente está atrelada a momentos de pressão, seja por perigo real ou imaginário do indivíduo. Diante dessas situações, alguns efeitos acabam transparecendo também no físico: transpiração, tremores, palpitações no coração, aperto no peito, dores de cabeça e nas costas e dores de barriga são alguns dos sintomas mais comuns diretamente relacionados aos efeitos da ansiedade no sistema nervoso.

Em casos mais extremos, é possível alcançar um nível tão alto de desequilíbrio emocional em decorrência de uma crise de ansiedade, que pode levar a vômitos e fortes diarreias. Isso acontece quando o emocional não suporta a pressão e, como meio de defesa, acaba desenvolvendo efeitos mais severos. No caso da disenteria nervosa, resultado de crises de ansiedade e estresse, o corpo passa por uma adrenalina que mexe em toda a flora intestinal, causando um desequilíbrio. Além disso, outros problemas gástricos também podem vir a aparecer, como a gastrite nervosa e a úlcera.

“Nosso emocional tem um papel mais forte do que reconhecemos em boa parte dos males físicos comuns. É preciso estudar as causas dentro desse cenário emocional para que possamos criar um ambiente saudável que possibilite uma melhora tanto física quanto psicológica”, afirma. Segundo ele, a ansiedade pode causar tanto a pressão alta como a pressão baixa. “Isso acontece pois, em uma determinada situação, o inconsciente provoca a alta ou baixa pressão em forma de defesa, para proteger a pessoa desta situação. Por exemplo: o desmaio acontece para proteger a pessoa de uma situação na qual ela se sinta ameaçada. Portanto, a pressão entra como um aviso e, através da terapia, é possível controlar isso sim”. afirma.

“Não importa qual seja a situação de ansiedade que a pessoa esteja passando, seja esta na vida pessoal ou profissional, o corpo não é capaz de fazer essa distinção. Com o tratamento adequado, é possível reduzir esses episódios, melhorando a qualidade de vida do cliente.”, complementa o profissional.

Meditação ajuda a vencer o problema

Além de procurar uma boa alimentação, é muito importante também cuidar da saúde emocional, procurando tratar a causa da ansiedade, nervosismo, estresse e síndrome do pânico de maneira séria e consciente. Angélica, por exemplo, usa a meditação como foma de aliviar a tensão do dia-dia: “A meditação te traz essa paz interior, te leva para dentro de novo e você sente aquela segurança incrível que você é capaz de qualquer coisa porque você se basta ali”, contou, revelando que até mesmo a relação com o Luciano Huck e seus filhos havia melhorado. “No começo eles ficavam brincando, dando uma sacaneada. Agora eles estão sentindo que mudou a vibe da casa. Para mim funcionou muito na minha saúde”.

Especialista em Constelação Familiar, Coaching e Hipnose Clínica, Bruno diz que no método Tardemah Terapia, que ele desenvolveu, é possível lidar com a saúde emocional de maneira não invasiva, leve e sem medicamentos, provocando um efeito positivo e eficaz a longo prazo. Segundo ele, o tratamento é muito eficaz, sem o uso de medicamentos, não invasivo, sem contraindicação e totalmente seguro, para que você possa ter saúde emocional, eliminar bloqueios que estão presos em seu inconsciente, onde você possa obter uma melhor qualidade de vida, ultrapassar barreiras e alcançar seus objetivos.  A técnica pode ajudar colocando a pessoa no seu eixo, se reequilibrar, com isso ter uma maior segurança e qualidade de vida.

O especialista, que atende em São Paulo, afirma que o tratamento é rápido, com no máximo cinco sessões semanais, com duração de 50 a 60 minutos. Durante as sessões, o cliente fica deitado, ou sentado em uma poltrona confortavelmente e entra no estado de relaxamento. “Esse estado de relaxamento é consciente, ou seja, o cliente não dorme, não “apaga”, não faz o que não quer fazer, não diz o que não quer dizer, não fica inconsciente. A maioria dos clientes preferem fazer as sessões de olhos fechados, para que o relaxamento seja mais proveitoso, mas nada impede do cliente fazer a sessão de olhos abertos caso prefira”, explica.  Tardemah é uma palavra de origem Hebraica (תַּרְדֵּמָה), que define dormir, descansar. O método proporciona um sono profundo (Tardemah) .

Sabemos que existem níveis diferentes de relaxamento: leve, médio e profundo. Na prática da Tardemah-Terapia trabalha-se sempre nos níveis leves e médios, pois nas sessões o cliente interage com o Terapeuta respondendo perguntas, conversando, sabendo tudo o que está acontecendo, sempre consciente, podendo até mesmo fazer as sessões de olhos abertos.

Fonte: www.tardemahterapia.com.br

In the news
Leia Mais