Anvisa alerta para casos de complicações cardíacas após vacina da Pfizer nos EUA

Anvisa alerta para casos de doenças após vacinação contra a Covid-19. Casos foram reportados por autoridades sanitárias dos Estados Unidos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou comunicado alertando para casos registrados em outros países de inflamações no músculo cardíaco e no tecido que envolve o coração em pessoas que foram imunizadas com vacinas contra a covid-19 que usam RNA mensageiro, como a da Pfizer/BioNTech.

Segundo a Agência Brasil, os episódios foram identificados por autoridades sanitárias dos Estados Unidos. O principal órgão do setor naquele país (FDA, na sigla em inglês) apontou o risco dessas duas doenças (chamadas de miocardite e pericardite), sobretudo entre as pessoas que receberam as duas doses.

Em seu comunicado, a Anvisa destaca que ainda não houve registro de situações como essa no Brasil e que os riscos desse tipo de ocorrência é baixo, sendo superado pelos benefícios da imunização com essas vacinas no combate à covid-19.

A agência mantém a recomendação de uso da Pfizer/BioNTech, a única vacina autorizada até o momento que emprega a tecnologia do RNA mensageiro.

O alerta da agência visa chamar a atenção especialmente dos profissionais de saúde para que fiquem atentos a esses riscos e atuem no diagnóstico e tratamento, caso estes tipos de complicações sejam detectadas.

Os sintomas mais comuns, conforme a Anvisa, são dor no peito, falta de ar, palpitações ou mudanças no ritmo dos batimentos cardíacos. 

Anvisa autoriza nova fábrica a produzir vacina da Pfizer

A Anvisa autorizou a possibilidade de produção de vacinas contra a Covid-19 em uma fábrica da empresa Hospira, no estado de Kansas, nos Estados Unidos. A medida é necessária para que o imunizante seja usado no Brasil.A unidade poderá ser utilizada na fabricação de doses da vacina desenvolvida pelo consórcio da Pfizer e da BioNTech, que já recebeu autorização para uso no Brasil e que teve contrato de aquisição de 200 milhões de doses neste ano com o Ministério da Saúde.

A autorização reconheceu o que a agência chama de “boas práticas de fabricação” da planta produtiva. Este é uma das exigências para que uma fábrica possa ser incluída no registro de um imunizante e possa ser utilizada no seu processo produtivo. Com isso, o consórcio Pfizer/BioNTech pode ampliar a capacidade de fabricação de doses, o que abre espaço para acelerar a disponibilização de lotes para o Brasil.

Sputnik V

A Anvisa também disponibilizou para assinatura os termos de compromisso com governos do Nordeste que adquiriram lotes da vacina russa Sputnik V. Os termos fazem parte das exigências definidas pela agência quando da autorização da importação excepcional do imunizante.

Deverão assinar os termos os estados que importaram lotes do imunizante: Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Alagoas e Paraíba. Além desta obrigação, outros condicionantes foram determinados pela Anvisa para o uso da Sputnik V.

Entre eles estão a submissão de documentos e insumos ao Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fiocruz para análise das amostras; submissão à agência de medidas de mitigação de risco pela ausência de validação de uma das fases no exame do pedido de importação e envio à Anvisa do relatório final de produção do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA).

Segundo a Anvisa, a análise pelo instituto da Fiocruz é condição sem a qual as vacinas não poderão ser aplicadas na população. A partir do momento que tiver início a aplicação, deverá haver um acompanhamento pelas autoridades de saúde dos estados com estudos de efetividade.

Mais 48,5 mil casos e 1,2 mil mortes

Dados divulgados neste sábado (10) pelo Ministério da Saúde indicam 48.504 novos diagnósticos de covid-19 no país. Com isso, o número de casos da doença registrados chega a 19.069.003. Ontem (9), o painel de estatísticas marcava 19.020.499 casos acumulados.

As mortes causadas pelo novo coronavírus durante a pandemia somam 532.893. Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 1.205 novos óbitos. Na sexta-feira, o painel de informações marcava 531.688 mortes acumuladas. Segundo o balanço, há 1.005.741 pacientes em acompanhamento e 17.530.369 pessoas recuperadas da doença.

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil (10/07/2021).

O balanço divulgado diariamente pelo Ministério da Saúde também traz os dados por estado. São Paulo é o que registra mais casos de Covid-19 (3.860.960), seguido de Minas Gerais (1.862.425), do Paraná (1.324.251), Rio Grande do Sul (1.251.502) e da Bahia (1.155.841).Em relação ao número de mortes, São Paulo também ocupa o primeiro lugar no ranking, com 132.065 óbitos. Depois, aparecem Rio de Janeiro (56.755), Minas Gerais (47.942), Paraná (32.398) e Rio Grande do Sul (32.196).

Da Agência Brasil, com Redação

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais