Apoio a startups que ajudam quem mais precisa

Projeto inscreve soluções inovadoras e com potencial para impactar brasileiros mais vulneráveis e de menor renda. Prêmio Empreendedor Social celebra 15 anos com uma nova categoria exclusiva para ONGs. 

Redação

No Brasil, cerca de 57,4 milhões de pessoas com mais de 18 anos têm alguma doença crônica não transmissível (DCNT) tais como câncer, diabetes, hipertensão, depressão, problemas cardiovasculares e respiratórios. Essa categoria de patologia é a principal causa de mortalidade no mundo, respondendo por 41 milhões de óbitos por ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Não por acaso, 80% das vítimas fatais são de países de baixa e média renda, contra 13% dos de alta renda. Quando avaliada às perdas econômicas – considerando os custos de saúde e perda da força de trabalho – registra-se US$ 7 bilhões entre 2011 e 2015. Diante desse cenário, a Artemisia e Associação Samaritano anunciam uma parceria estratégica para selecionar e acelerar gratuitamente até 15 negócios de impacto social focados na temática.

Os empreendedores de startups que já tenham seus protótipos desenvolvidos, com soluções inovadoras desenhadas para a população de menor renda podem se inscrever até 15 de abril pelo site www.artemisia.org.br/labsaude. A proposta do Artemisia Lab: Promoção da Saúde e Prevenção é apoiar uma nova geração de startups com soluções inovadoras e potencial para impactar milhões de brasileiros – especialmente as pessoas mais vulneráveis e de menor renda.

No país, aproximadamente 70% dos brasileiros têm o Sistema Único de Saúde (SUS) como a única porta de entrada para atendimento médico; desde 2014, 3 milhões de pessoas perderam os planos de saúde em decorrência do desemprego ou da necessidade de reduzir custos.

Em 2017, a Organização Mundial da Saúde registrou 928 mil mortes por consequência das DCNT, sendo mais prevalente em pessoas de baixa renda. Doenças como depressão, hipertensão e estresse são recorrentes e preocupantes em um cenário de crise socioeconômica, agravadas pelos determinantes sociais que atingem a população de baixa renda, como maior exposição ao desemprego, piores condições de trabalho, habitações insalubres, alimentação inadequada e menor acesso aos serviços públicos.

Diante dessa realidade, os negócios de impacto social têm sido uma solução de acesso, sobretudo associado à saúde preventiva; constituem, inclusive, uma forma inovadora de gerar poder de escolha para a população e acesso ao qualificar e complementar o atendimento a população.

Critérios de seleção e setores

Artemisia Lab: Promoção da Saúde e Prevenção busca empreendedores de todo o Brasil que tenham negócios inovadores focados no setor da saúde. A metodologia – desenvolvida pela Artemisia, organização que há 14 anos apoia negócios de impacto social no Brasil – foi planejada para potencializar soluções que já tenham protótipo desenvolvido, em fase de validação da proposta de valor e modelo de negócios, e que tenham potencial e intencionalidade para gerar impacto social positivo.

A busca recai para startups alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) – em especial, ao ODS 3 (Saúde e Bem-Estar), definido como: “assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades”, e que é transversal em toda análise de busca e seleção de negócios que será realizada no programa. O conjunto de ODS constitui uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidas até 2030 para estimular ações em áreas de importância crucial para a humanidade e para o planeta.

Entre os critérios de seleção, o impacto social (negócios que ofereçam produtos ou serviços para resolução de questões relacionadas aos desafios de saúde da população de menor renda, com foco na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis); perfil (empreendedores com intenção genuína de mudar o Brasil, com histórico de realizações e capacidade para atrair talentos e desenvolver equipe consistente); potencial de escala (modelos de negócio lucrativos que ofereçam soluções que possam ser escaláveis e com potencial de atender milhares de pessoas das classes C, D e E); estágio de maturidade (startups com protótipo ou produto/serviço desenvolvido, que estão em fase de validação da proposta de valor e modelo de negócios); e potencial de inovação (capacidade de entregar soluções inovadoras com potencial de promover qualidade de vida para população de baixa renda brasileira por meio de soluções em saúde). É essencial a disponibilidade de pelo menos um representante do negócio para participar de todos os dias de workshops presenciais que acontecem nos dias 23 e 24 de maio e 4 e 5 de julho.

Para participar, é preciso ter um negócio focado na prevenção, identificação, monitoramento ou apoio no tratamento de doenças crônicas não transmissíveis, alinhado a uma das temáticas do programa: doenças cardiovasculares e diabete (soluções relacionadas à hipertensão, hipertireoidismo, insuficiência renal, entre outras); doenças respiratórias (soluções relacionadas à asma, bronquite, enfisema, DPOC – doença pulmonar obstrutiva crônica -, entre outras); câncer(soluções que reduzam a exposição aos fatores de risco, detectem de forma mais rápida as doenças pré-malignas para início do tratamento, entre outras); saúde da mulher, criança e idoso (soluções focadas nas principais doenças que afetam esses grupos de risco); saúde mental (soluções relacionados à depressão, ansiedade, estresse, entre outros); combate ao sedentarismo (soluções que incentivem o aumento da prática de exercícios físicos, adaptadas à realidade da população de baixa renda); incentivo à alimentação equilibrada (soluções que incentivem hábitos saudáveis para mudanças de rotina alimentar e suporte para a reeducação nutricional  a um preço acessível);e inovação e tecnologia (soluções tecnológicas que tragam melhorias e agilidade aos serviços de saúde, diagnóstico, exames, tratamentos e eficiência para hospitais, pacientes e médicos).

Benefícios aos selecionados

Os empreendedores selecionados serão potencializados com base na metodologia exclusiva de aceleração de curto prazo da Artemisia, tendo acesso à curadoria de ferramentas e conteúdos; conexão com outros empreendedores do setor; e mentorias com especialistas em negócio, impacto social e saúde. Entre os mentores, estarão algumas das altas lideranças das organizações correalizadoras da iniciativa.

O objetivo é que os participantes saiam do programa com maior clareza sobre os próximos passos do seu negócio para que avancem no desenvolvimento de aspectos fundamentais e estejam mais preparados para crescer e gerar impacto social no setor atuante. Os empreendedores que concluírem o programa também passam a fazer parte do portfólio Artemisia. Até 3 startups que se destacarem ao longo do processo poderão receber capital semente de até 20 mil reais cada, além de mentorias extras.

Programa gratuito para empreendedores sociais

O Facebook e a Artemisia levarão um programa gratuito de mentoria para empreendedores de Manaus, Rio de Janeiro e Recife, nos próximos mesesA iniciativa, lançada dia 28 de março em Manaus, oferecerá apoio para startups de impacto social e ambiental dessas cidades. Além disso, um empreendedor de cada capital será convidado para uma vivência dentro da Estação Hack em São Paulo, primeiro centro para inovação do Facebook no mundo.

A programação de um dia do Estação Hack na Estrada foi formatada para disseminar a cultura empreendedora de impacto social. A iniciativa pretende movimentar o ecossistema de empreendedorismo das quatro capitais escolhidas para as primeiras edições de 2019, oferecendo para até 25 empreendedores locais atividades exclusivas que incluem mentoria individual, suporte para modelagem do pitch de negócios e feedback de especialistas. Para participar, as startups podem estar em qualquer fase de desenvolvimento, desde aquelas em estágio inicial até as mais avançadas.

Para Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia, o projeto é norteado pelo objetivo de inspirar mais brasileiros a empreender com propósito social. “A cultura empreendedora tem avançado no Brasil e precisamos aproveitar esse contexto para apoiar uma nova geração de empreendedores que transformem os desafios sociais em oportunidades via produtos e serviços que possam resolver dores da população de menor renda. Nos quatro cantos do país há empreendedores interessados em transformar a realidade com inovação”, comenta.

O evento também terá parte de sua agenda aberta ao público interessado no tema de empreendedorismo e impacto social, com painéis com empreendedores acelerados pelo Facebook e Artemisia dentro da Estação Hack em São Paulo, que vão compartilhar suas experiências, barreiras e principais aprendizados em suas trajetórias.

Além da mentoria para startups, no mesmo dia o Estação Hack na Estrada irá levar aulas gratuitas de programação para até 100 jovens de 16 a 25 anos em cada uma das cidades em parceria com a Mastertech, organização que atua no desenvolvimento de habilidades em tecnologia. As aulas serão focadas na construção de conhecimento em programação e os alunos irão aprender a construir seus próprios sites.

As inscrições para startups e para plateia interessada no tema de empreendedorismo de impacto já estão abertas (agenda abaixo) e podem ser feitas por este site. Para participar das aulas de programação, interessados poderão se inscrever pelo link.

Melhores ONGs do país serão premiadas

Durante a 6ª edição do Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica – FIFE 2019 -, que acontece do dia 9 a 12 de abril, no Centro de Convenções SulAmérica, na cidade do Rio de Janeiro, estarão abertas as inscrições para a premiação das Melhores ONGs do Brasil, realizada pelo Instituto Doar, com apoio da Rede Filantropia, organizadora do maior evento sobre gestão do setor.

Gratuita para as associações sem fins lucrativos de todo o País, a ação tem como objetivo divulgar as ONGs brasileiras que mais se destacam pela transparência e gestão em suas ações.

Dividido em duas fases, o calendário de inscrição apresenta: do dia 10 de abril ao dia 10 de junho (inscrições primeira fase), em julho (divulgação dos resultados fase 1). No dia 3 de agosto (inscrições segunda fase), em setembro (processo de seleção fase 2). Em novembro (evento de celebração e lançamento do Guia das Melhores ONGs).

A seleção das Melhores ONGs é feita baseada na pontuação geral após avaliação dos cinco temas propostos. São eles: causa e estratégia da atuação; representação e responsabilidade; gestão e planejamento; estratégia de financiamento; comunicação e prestação de contas.  As melhores de cada causa.

As inscrições poderão ser feitas até às 23h59 (horário de Brasília) do último dia de cada fase. Para se inscrever, acesse: www.melhores.org.br. Para mais informações sobre o FIFE 2019 acesse www.fife.org.br.

ONG apoiada por hotel vai formar 48 padeiros este ano

A cozinha da Associação Roda Viva foi construída com apoio do Grand Hyatt Rio de Janeiro. (Foto: Divulgação)

A ong Associação Projeto Roda Viva, um dos programas sociais atendidos pelo Grand Hyatt Rio de Janeiro, foi uma das premiadas pelo Community Grant, programa mundial da rede Hyatt que premia organizações que trabalham em parceria com os hotéis. O cheque de US$ 15 mil será utilizado para formar cerca de 48 padeiros ao longo do ano.

Localizada no Complexo do Borel, na Tijuca, já foi apoiada pelo Grand Hyatt Rio de Janeiro desde sua abertura, quando o hotel financiou a construção dos espaços para três cursos profissionalizantes – panificação, moda e beleza. O Centro Cultural Roda Viva possui programas educativos e culturais, incluindo atividades esportivas e sociais para crianças e adolescentes. Também oferece cursos profissionalizantes para jovens e adultos.

Há um curso profissionalizante de padaria de 3 meses, onde jovens (18 anos ou mais) podem participar para ter uma chance maior no mercado de trabalho. O chef Rafael, formado no curso do Roda Viva e hoje atuando como responsável pelo treinamento dos novos padeiros e padeiras, recebeu a visita do Chef de Padaria do Grand Hyatt Rio, Alexandre Rodrigues, e do Chef de Partie, Robson Silva, para receber a doação e trocar experiências sobre panificação. Rafael foi convidado para uma vivência no Grand Hyatt Rio de Janeiro.

Com assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.