Brasileiros aprendem a lavar as mãos para evitar o novo coronavírus

Dia Mundial de Lavagem das Mãos este ano ganha mais importância, já que esta é uma medida fundamental para prevenir infecções por vírus, bactérias e fungos

Redação

Dizem que o brasileiro é o povo que mais toma banho diariamente. Mas a higienização das mãos deixa a desejar. Uma realidade que se transformou durante a pandemia do novo coronavírus. O ato de lavar as mãos corretamente foi uma das medidas mais propagadas para a prevenção de doenças causadas por fungos, bactérias e vírus. Tanto que tem até data no calendário da saúde, o 15 de outubro, Dia Mundial de Lavar as Mãos (Global Handwashing Day). Em 5 de maio também é instituído o Dia Mundial de Higienização das Mãos.

O ato já foi incorporado como um novo hábito na vida de milhares de brasileiros, um legado positivo da pandemia de Covid-19 no país. “A lavagem das mãos é o hábito mais simples, mais barato, mais seguro e de maior importância na prevenção e controle da disseminação de infecções. A higiene das mãos salva vidas e deve ser praticada pelas equipes de assistência à saúde, mas também por todas as pessoas”, ressalta o fundador da Associação Viva e Deixe Viver (Viva), Valdir Cimino,

Live, vídeo e livro sobre a importância de lavar as mãos

Para chamar a atenção para isso, a organização da sociedade civil (OSC) que congrega 1,3 mil voluntários responsáveis por contar histórias em 86 hospitais do país, realiza uma live especial alertando sobre a importância do tema no canal do Youtube da Associação Viva e Deixe Viver. O bate-papo contará com a presença do infectologista Luiz Carlos Pereira, diretor técnico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, que falará sobre “Os Impactos ‘Positivos’ do Coronavírus no Brasil”. E um deles, sem dúvida, ressalta a importância da higienização das mãos.

No evento também será lançado a segunda versão do livro “Viva Futebol Clube”, com a presença da autora Dulce Rangel e do ilustrador Paulo Zilberman. O conteúdo da obra, que inclui um álbum de figurinhas, visa utilizar um tema popular como o futebol para mobilizar crianças e adolescentes, bem como seus familiares e a sociedade em torno da importância da higienização e do ato de lavar as mãos. A nova edição conta com um capítulo especial dedicado ao coronavírus e suas consequências no nosso dia a dia.

Durante o encontro, que será mediado por Valdir Cimino, será apresentado ainda a primeira exibição do vídeo “Vamos lavar as mãos”, também com ilustrações de Paulo Zilberman. Com sucesso de Arnaldo Antunes “Lavar as mãos”, o clipe foi desenvolvido também para alertar sobre a importância do tema. A sessão acontece às 19h pelo Youtube (associacaoviva).

Para Cimino, a pandemia tem mostrado o valor da importância com os cuidados de higiene, principalmente das mãos. “Mas não é de hoje que nos preocupamos em levar conteúdo sobre o assunto. Por meio de nossa atividade como contadores de histórias para crianças e jovens hospitalizados, sempre alertamos para a questão”, afirma o fundador da Viva e Deixe Viver.

Dicas para lavar as mãos corretamente

As mãos são consideradas as principais vias de disseminação de grande parte das doenças infecciosas. Lavar as mãos é fácil e simples, mas muitas vezes negligenciado, o que é um importante ponto de atenção. Mantê-las limpas é uma medida importante e eficaz para a prevenção de contaminações. Assim, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aconselha a utilizar um agente tópico de limpeza, como sabonetes líquidos ou em barra, para higienização das mãos com técnica adequada, além do uso regular de álcool em gel como alternativa para prevenir a transmissão de microrganismos por meio das mãos.

O ideal é lavar as mãos sempre após manusear qualquer material de uso comum e antes de ter contato com alimentos e pessoas. A lavagem frequente, independentemente do novo coronavírus, é sempre aconselhável”, recomenda a dermatologista Flávia Addor, titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Não basta aplicar o sabonete ou passar o álcool em gel rapidamente, alguns cuidados devem ser observados para uma higienização efetiva.

• Livre-se dos acessórios – Retirar os acessórios é essencial. Lavar as mãos com anéis, relógios e pulseiras não é suficiente, já que estes itens podem conter microrganismos que não saem com a lavagem comum. Para desinfetá-los, é preciso utilizar um pano úmido com álcool ou sabão e passar nos objetos cuidadosamente, deixando que sequem naturalmente; lavá-los também seria adequado.

• Use a regra dos 20 segundos – A recomendação é lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos. É importante realizar movimentos circulares e friccionar bem todas as regiões – incluindo dorso, palma, polegar, unhas e pulso. Depois, retirar o sabão em água corrente.

• Álcool em gel ou sabonete? – O álcool em gel se tornou uma alternativa atraente entre os produtos de higienização. Contudo, deve ser utilizado como uma opção nos momentos em que não houver lugares acessíveis para lavar as mãos. “O álcool em gel não deve substituir a higienização com a água e o sabão, uma vez que a retirada da sujeira é sempre mais completa e efetiva com a lavagem” explica a Dra. Flávia.

• Sabonete antisséptico – Os sabonetes com antissépticos podem ser indicados nas situações que é necessária uma redução mais prolongada de microrganismos (*S. aureus, E. coli, P. aeruginosa e Salmonella) nocivos na pele. “No entanto, este tipo de produto não deve ser usado continuamente para não perder o efeito: é importante seguir as orientações de um dermatologista quanto ao uso continuado”, explica a médica.

Com Assessorias