Brasileiros querem consumir mais alimentos à base de plantas e vegetais

Redação

Comemorado desde 1981, o Dia Mundial da Alimentação, 16 de outubro, comemora a criação da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), em 1945. A data traz uma importante reflexão sobre a necessidade de uma alimentação saudável, acessível e de qualidade. Além de conscientizar a população, a comemoração também visa garantir a segurança alimentar e dietas nutritivas para todos.

Neste dia, além de falarmos sobre as ações mundiais relacionadas à promoção da alimentação segura a toda população, não podemos esquecer a má nutrição de pessoas com excesso de peso e do estilo de vida atual, que também é preocupante para a saúde como um todo.

Estudo sobre hábitos de consumo divulgado recentemente pela Ingredion, empresa do mercado de soluções em ingredientes, mostra que 90% dos brasileiros se dispõem a ingerir alimentos derivados de plantas e vegetais (plant-based). É a taxa mais alta entre os países pesquisados (Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e Peru). A pesquisa, feita em conjunto com a consultoria Opinaia, abordou também questões como qualidade de vida e sustentabilidade.

O principal motivo da compra de alimentos plant-based apontado na pesquisa é comer de forma mais saudável e cuidar da saúde (52%). Para experimentar novos sabores (30%) e porque são mais nutritivos (26%) vêm em seguida. O principal fator de não compra de alimentos plant-based está relacionado ao alto preço (60%).

Tanto para alimentos em geral quanto para os de origem vegetal, o sabor e a capacidade de reconhecer os ingredientes no rótulo são os atributos mais relevantes. No Brasil, o sabor é o fator mais importante para os alimentos em geral, com 43%. Para os de origem vegetal, a proporção é de 40%. Reconhecer todos os ingredientes de um alimento geral é importante para 29%. Para alimentos de origem vegetal, 25%.

Um dos pontos mais marcantes do relatório revela que 37% dos entrevistados do Brasil se reconhecem como adeptos do veganismo, vegetarianismo, flexitarianismo ou pescetarianismo. E 82% consideram essas correntes mais saudáveis, 43% as adotam para evitar maus-tratos e sofrimento de animais, e 46%, para ter opções mais variadas.

Na região, 67% dos entrevistados consideram a sustentabilidade das marcas muito importante. No Brasil e Peru, mais de 70% exigem uma postura responsável da marca em relação à sustentabilidade. Na Argentina, apenas 58% consideram importante saber a origem dos alimentos, enquanto no Peru esse número sobe para 87%, seguido pela Colômbia (82%), Chile (74%) e Brasil (73%).

Segundo o levantamento, 81% dos brasileiros se consideram satisfeitos com a saúde e também com a alimentação. Além disso, existe um consenso geral sobre a importância de se alimentar bem para ser saudável. Foram ouvidas 5.705 pessoas nos cinco países, de 6 a 24 de março deste ano. No Brasil houve 1.545 entrevistas. A margem de erro é de 1,3 ponto percentual, para mais ou para menos.

A crise global provocada pela Covid-19 não só colocou a questão da saúde no radar da população, mas também tem provocado uma reflexão sobre sustentabilidade e impactos ao meio ambiente. Nesse sentido, a opinião pública brasileira não é diferente. Hoje os cidadãos-consumidores exigem qualidade e confiabilidade das suas marcas, além de saudabilidade e respeito ao meio ambiente”, analisa Marcelo Palma, gerente da Plataforma de Plant-Based Protein, América do Sul.

“Há um consenso geral sobre a importância da alimentação na qualidade de vida. Hoje, comer bem significa ser saudável. Por isso, no consumo de alimentos e bebidas, busca-se saudabilidade, indulgência e acessibilidade econômica, ao mesmo tempo em que há grande interesse em saber a origem dos ingredientes consumidos diariamente”, explica o especialista. Nesse contexto, os alimentos vegetais têm um terreno fértil para se desenvolver.