Combate ao câncer: quando a imunoterapia pode até curar

Nobel de Medicina para cientistas que desenvolveram imunoterapia reforça importância do tratamento, ainda pouco empregado no Brasil. Especialistas destacam resultados positivos e evolução da imunoterapia

Ana Carolina Almeida
imunoterapia - foto ilustração inca
Nobel de Medicina
Tasuku Honjo e James P. Allison receberam o Nobel de Medicina pelos estudos na área da imunoterapia (Foto: Reprodução de internet)

O combate ao câncer é um dos maiores desafios da Medicina. Com o crescimento da doença que tem expectativa de 600 mil novos casos no Brasil em 2018, a busca pela cura e de alternativas de tratamento tem levado pesquisadores por caminhos diversos.

A imunoterapia, que consiste em estimular o sistema imunológico para que crie os anticorpos necessários para o combate das células cancerígenas, é um deles. E também o mais promissor na atualidade, o que tem acendido a chama da esperança a muitos pacientes e seus familiares.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) até reconhece a técnica de tratamento, mas enfatiza que “ainda é um método experimental, devendo se aguardar resultados mais conclusivos sobre sua eficácia e aplicabilidade clínica”. Enquanto isso, em nível mundial, a imunoterapia conquista cada vez mais credibilidade.

O método foi mais uma vez reconhecido como maior avanço no tratamento do câncer nos últimos anos. No dia 1º de outubro, o Prêmio Nobel de Medicina foi entregue a James P. Allison e Tasuku Honjo, os dois cientistas responsáveis pela descoberta da terapia que permite que o sistema imunológico reconheça e combata as células doentes.

Imunoterapia
O médico Antonio Buzaid defende a possibilidade de cura do câncer pela imunoterapia (Foto: Ana Carolina Almeida)

Em evento realizado em agosto em São Paulo, com a presença de ViDA & Ação, foram apresentados alguns imuno-mediadores utilizados em estudos clínicos experimentais e os tumores em que são mais indicados. O pesquisador Antônio Buzaid, especialista nos hospitais Albert Einstein, Sírio-Libanês e chefe do Centro Oncológico da Beneficência Portuguesa, mostrou que é possível empregar a imunoterapia com chances de cura.

O câncer ocorre porque o sistema imunológico falhou e é como quando o sistema de segurança da nossa casa falha e o bandido entra. Então vestígios sutis podem apontar o procedimento a ser adotado. Imunoterapia não é para todos, testes vão revelar quem pode se submeter ao tratamento”, destacou.

VEJA TAMBÉM

Novo estudo atesta poder da imunoterapia em câncer de mama

Diferencial está no diagnóstico

Atualmente os tratamentos combinam medicamentos com atuação específica nos mecanismos da doença e apresentam taxas de 20% a 30% de cura. Os dados bem sucedidos dos tratamentos realizados por Dr. Buzaid apresentam regressão de tumores externos e casos em que os exames do paciente apontavam várias metástases, que reduziram consideravelmente com o tratamento.

Imunoterapia (4)
O médico Fernando Maluf diz que já foram identificados mais de 300 genes da doença (Foto: Ana Carolina Almeida)

Segundo Fernando Maluf, chefe do Serviço de Oncologia Clínica do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes e membro integrante do Centro de Oncologia do Hospital Albert Einstein, hoje é possível identificar 315 genes relacionados ao câncer.

Quando a gente consegue detectar o gene e conhecê-lo, é possível entender porque o tumor de um paciente apresenta as metástases. Entendendo o mecanismo individualmente, conseguimos atuar com o tratamento de acordo com o funcionamento dele e a resposta é melhor”, afirmou.

Sistema imune deve reconhecer o tumor e eliminá-lo

Realizado pelo Instituto Vencer o Câncer, o ‘Workshop Imunoterapia de A a Z‘ reuniu alguns dos principais especialistas em Oncologia do país, no Museu de Arte de São Paulo (Masp). O objetivo era disseminar o importante conceito da Imunoterapia, visando ao melhor acesso e à melhor adesão para o paciente oncológico e onco hematológico. A finalidade da imunoterapia é fazer com que o sistema imune do paciente reconheça o tumor e o elimine.

Evento em São Paulo destacou a importância da imunoterapia (Foto: Ana Carolina Almeida)

De acordo com os organizadores, a transformação maligna modifica as células a tal ponto que o sistema imunológico do organismo consegue, em geral, reconhecê-las como estranhas e disparar uma resposta imunológica contra elas.

O tumor, entretanto, tem vários mecanismos que fazem com que a célula maligna não seja reconhecida pelo sistema imune (como uma camuflagem) ou produz substâncias que suprimem o sistema imune. Por isso, vários tratamentos foram desenvolvidos com o objetivo de estimular a resposta imunológica contra as células malignas. Outras intervenções se baseiam na administração de anticorpos ou de células imunologicamente competentes, especificamente preparadas para destruir células tumorais.

Como funciona a imunoterapia

Bernardo Garicochea, oncologista e especialista em genética do Grupo Oncoclínicas, explica como funciona a imunoterapia. “Por meio de diferentes substâncias que são aplicadas de forma intravenosa ou subcutânea, a o método estimula nosso sistema imunológico, fazendo com que o nosso organismo seja capaz de identificar e combater as células tumorais” explica.

Segundo ele, o tratamento tem trazido ótimos resultados, principalmente para cânceres de pulmão, bexiga e melanoma, estômago, além de rim. Ainda segundo o especialista, estudos atestam a eficácia no tratamento de Linfoma de Hodgkin e tumores de mama triplo negativo.

Mesmo havendo um longo caminho e muitas variáveis a serem avaliadas no que diz respeito às indicações da imunoterapia, ela pode ser tratada como uma abordagem promissora que pode beneficiar diversos pacientes”, ressalta o oncologista.

Apesar dos avanços, ele lembra que é cedo para afirmar que a imunoterapia seria a chave para a cura do câncer. De toda forma, os passos já trilhados são observados com otimismo e lançam boas perspectivas para tratamentos de cânceres metastáticos e que não respondem às medicações convencionalmente indicadas, tais como quimioterápicos e drogas alvo-moleculares.

Imunoterapia já tem aprovação da Anvisa para uso em casos de melanoma, câncer de rim e câncer de pulmão e vem sendo oferecido por hospitais privados e instituições públicas que participam de pesquisa clínica em Oncologia.

Tratamento no Brasil é aprovado em alguns casos

Na última década, a imunoterapia passou de um tratamento teórico promissor para um padrão de cuidados que está contribuindo para respostas positivas de pacientes oncológicos. Desde 2011, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou 15 novas drogas imunoterápicas para o tratamento do câncer, sendo cinco só no ano passado. No Brasil, a imunoterapia tem aprovação da Anvisa para uso em casos de melanoma, câncer de rim , câncer de pulmão e câncer de bexiga.

De forma simplificada, o nosso sistema imunológico é programado para combater quaisquer sinais que representem ameaças à saúde. Porém, para manter um equilíbrio que assegure plenamente o nosso bem estar, o mecanismo de defesa do corpo também tem freios que impedem uma ação exagerada nesta resposta – caso contrário, ele pode desencadear as chamadas doenças auto-imunes, como lúpus, esclerose múltipla e artrite reumatoide.

Quando, contudo, ocorre uma falha nesse processo de combate ao inimigo e, em consequência, o surgimento de um tumor, a medicação imunoterápica pode ser adotada para inibir a ação desses freios e provocar a resposta necessária para combater as células malignas. “A imunoterapia cria uma memória imunológica no paciente contra o tumor. A concepção é gerar uma resposta imunológica exacerbada no paciente. Ao fazer isso, o sistema imunológico volta a reconhecer o tumor como um agente externo”, explica Daniel Gimenes, oncologista do CPO.

Quando a imunoterapia é a melhor opção?

Apesar dos avanços promissores, o especialista explica que ainda é cedo para afirmar que a imunoterapia seria a chave para a cura do câncer de mama. De toda forma, os passos já trilhados são observados com otimismo e lançam boas perspectivas para tratamentos do câncer de mama triplo-negativo metastático e que não responde às medicações convencionalmente indicadas, tais como quimioterápicos e drogas alvo-moleculares.

O que tem se observado de forma global no tratamento do câncer é que nos casos onde o médico pode optar pela imunoterapia, a resposta dos pacientes têm sido satisfatórias. “Ela tem alguns efeitos colaterais, porém o paciente tem melhor qualidade de vida. É um tratamento mais sustentável para a saúde do paciente, pois ataca diretamente o tumor. E uma das principais vantagens da adoção destes imunoterápicos da nova geração é que, mesmo após o fim do tratamento, a imunidade desse indivíduo pode continuar respondendo a células tumorais, diminuindo a recidiva de tumores e aumentando o tempo livre de progressão da doença”, conclui o Dr. Daniel Gimenes.

Com Assessorias

A repórter Ana Carolina de Almeida viajou a São Paulo a convite do Instituto Vencer o Câncer.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.