Como a psoríase impacta na saúde mental do paciente

Apesar de ser uma doença benigna e não contagiosa, psoríase pode gerar impacto na qualidade de vida e na autoestima, diz dermatologista

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a psoríase é uma doença que se manifesta na pele e nas articulações do ser humano, é crônica e não contagiosa. O Dia Mundial da Psoríase, 29 de outubro, é voltado para a conscientização da doença. A parcela da população estimada que é portadora dessa condição está em 3%, somando mais de 3 milhões de brasileiros e 125 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Assim como muitas outras doenças de pele, a psoríase é influenciada pela saúde emocional. Causada por fatores genéticos e agravada pelo estresse, falta de exposição solar e outros agressores ambientais, a psoríase é uma doença autoimune e crônica caracterizada pelo surgimento de lesões descamativas e avermelhadas na pele. Segundo especialistas, é fundamental que o tratamento inclua a saúde mental do paciente.

“Apesar de ser uma doença benigna e não contagiosa, a psoríase pode gerar um impacto significante na qualidade de vida e na autoestima do paciente, atrapalhando-o tanto fisicamente, quanto psicologicamente e socialmente”, destaca Paola Pomerantzeff, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Segundo estudo publicado em junho na revista médica JAMA Dermatology, os sintomas da psoríase na pele ainda podem causar grande impacto na saúde mental do paciente. Os sintomas cutâneos da psoríase podem aumentar em 32% o risco de doenças mentais causada por sintomas de pele, como depressão e ansiedade, podendo levar até mesmo ao suicídio.

Abaixo, a médica explica mais sobre os sintomas físicos e psicológicos da psoríase:

Sintomas físicos

Muitas pessoas pensam que a psoríase é contagiosa – e elas não querem apertar a mão de alguém com a doença, por exemplo. “Se uma em cada três pessoas que você encontra na rua vai ter essa visão de sua pele, isso é realmente difícil de enfrentar. A psoríase pode isolar o paciente socialmente e fazer com que as pessoas se sintam ansiosas e deprimidas”, diz a médica.

Mas é necessário deixar claro: a psoríase não é contagiosa. “É uma doença autoimune comum da pele, na qual seu corpo reconhece uma proteína normal da pele como anormal e tenta se livrar dela fazendo a pele descamar. Isso resulta em placas grandes, espessas e escamosas que racham e sangram, e podem ser dolorosas e apresentar coceira”, diz a dermatologista.

As áreas de impacto podem variar, mas algumas das mais sensíveis são o couro cabeludo, rosto, genitais e unhas. “Muitos pacientes não usam shorts ou mangas curtas porque seus joelhos ou cotovelos estão afetados. O início típico é na idade adulta jovem, mas há relatos de bebês e até uma paciente na casa dos 80 anos, que experimentou pela primeira vez depois que sua irmã morreu”.

Estudos têm mostrado que as pessoas que enfrentam eventos importantes na vida têm maior risco de desenvolver psoríase e que os pacientes com psoríase relatam níveis mais elevados de estresse. “Existe uma relação cíclica”, diz a médica.

Leia mais

Impacto psicológico da psoríase é tão alto quanto o físico
Teste seus conhecimentos sobre a psoríase
Sob forte preconceito, psoríase é confundida com alergias
Psoríase: é preciso tratar a doença e o preconceito
Como cuidar da psoríase no verão

 

Efeitos mentais

Um dos desafios da saúde mental com doenças de pele é que são doenças observáveis. “As pessoas podem ficar olhando e isso pode fazer o paciente se sentir estigmatizado. Alguns pacientes podem esperar que as pessoas reajam negativamente, então podem decidir que não vão sair ou não podem ir à praia, piscina ou ter uma vida social”, diz a médica.

A intensidade da angústia está frequentemente (mas nem sempre) ligada ao grau de gravidade da psoríase. “Uma área relativamente nova de pesquisa em dermatologia levanta a hipótese de que se você teve psoríase realmente ruim em uma idade jovem e foi socialmente isolado, isso pode afetar sua vida social mais tarde, mesmo que sua pele melhore”, diz a médica.

O ideal é que a ajuda psicológica ajude o paciente a controlar o estresse e interpretar corretamente as interações sociais com as quais está lidando por causa de sua pele, o que hipoteticamente poderia fazê-lo ter mais energia mental para seguir seu plano de tratamento – que muitas vezes pode ser muito complicado e difícil. “É necessário ter empatia e dar espaço ao paciente, em um acompanhamento psicológico adequado, para falar sobre sua condição de pele e como isso afetou sua vida, o que pode ajudar a melhorar a resposta do tratamento”, diz a médica.

Bons hábitos de vida também ajudam. “É importante ter uma alimentação saudável e balanceada, aumentar a ingestão de líquidos, dormir bem e com qualidade e praticar exercícios físicos regularmente mesmo dentro de casa. Tudo isso com o intuito de trazer relaxamento, bem-estar e o controle do estresse”, finaliza a dermatologista.

Formas de tratamento

Segundo a Dra. Paola, por mais difícil que seja a doença da psoríase, há várias maneiras de tratá-la. “Pode levar semanas ou meses para ver os resultados. Quando a doença é localizada, as pessoas gostam de medicamentos tópicos, que diminuem o crescimento do excesso de células da pele [que constituem as placas da psoríase]. Mas podem não funcionar para alguns pacientes e são inconvenientes, especialmente se várias áreas forem afetadas.

Os comprimidos podem reduzir a resposta imunológica hiperativa, mas alguns podem provocar sintomas gastrointestinais. Os medicamentos injetáveis, chamados de biológicos, são altamente eficazes, mas caros, e podem tornar as pessoas um pouco mais suscetíveis a infecções, pois diminuem a atividade imunológica no corpo”, diz a médica.

Mais recentemente, a fototerapia UV e os probióticos foram adicionados com sucesso na lista de tratamentos. É interessante também procurar se expor ao sol com segurança. “A exposição segura ao sol é capaz de prevenir a psoríase e aliviar os sintomas da doença, pois a radiação solar possui efeitos imunomoduladores no controle da psoríase e é fundamental para a manutenção de um sistema imunológico saudável”, explica a Dra. Paola.

Mas o médico também deve orientar o paciente a buscar ajuda psicológica e cuidar de alguns hábitos de vida. “Quando um paciente tem psoríase significativa, sei que há mais coisas acontecendo do que posso ver. Eles são mais propensos a diabetes e doenças cardiovasculares e têm maior risco de mortalidade, então fazemos um plano para tratar de todos os aspectos da doença”, destaca,

Também devemos pensar em seu bem-estar emocional. “Quando alguns pacientes estão estressados, a psoríase piora, por isso trabalhamos no controle do estresse. Há até pesquisas que mostram que as técnicas de atenção plena, como a meditação, podem tornar as pessoas mais responsivas às terapias para psoríase”, diz a médica.

MITOS E VERDADES

Por se tratar de uma doença com predisposição genética, o histórico familiar do paciente auxilia na descoberta e no tratamento. Dentre os sintomas que são mais comuns estão manchas vermelhas ou brancas, pele ressecada, coceira, unhas grossas, inchaço nas articulações, entre outros; eles costumam se manifestar em diferentes períodos que podem variar de acordo com o estresse, infecções e alguns medicamentos.

Por se tratar de uma doença crônica, ela não tem cura, mas é tratável. O tratamento do paciente com psoríase consiste em cremes e pomadas aplicados diretamente na pele, fototerapia – exposição à luz solar ou artificial –, medicamentos orais ou injetáveis. Uma dieta nutricional balanceada e prática de exercício físico também auxiliam no controle dos sintomas.

Existem muitas incertezas sobre a doença que acabam sendo prejudiciais ao paciente pela falta de conhecimento da população. Especialistas da Novartis listaram alguns mitos e verdades sobre a psoríase. Confira:

“Minha avó tem psoríase e tenho manchas na pele semelhantes as dela, também tenho a doença?”

Mito. Apesar do fator genético, a psoríase não é de simples diagnóstico e o fator do gene aumenta quando vem de um parente de primeiro grau, ou seja, mãe ou pai possuírem a doença. Porém, para um diagnóstico mais assertivo, é necessária uma biópsia da pele, realizada por um dermatologista. A partir do resultado da biópsia é possível dar uma resposta ao paciente. Em caso positivo da doença, busca-se entender junto ao paciente a melhor forma de tratamento e quais os gatilhos podem desencadear sintomas mais fortes.

“Tive contato com um amigo com psoríase, mas sei que a doença não é contagiosa.”

Verdade. A psoríase não é uma doença transmissível por ser autoimune. Apesar disso, os pacientes em alguns casos têm receios de diversos estigmas associados à doença, causando um impacto em sua vida social e profissional.

“Tenho psoríase e não vou ao médico pois os sintomas melhoram sozinhos.”

Mito. Apesar de não ter cura, a psoríase possui opções de tratamento8 para que os sintomas possam ser controlados. De vez em quando os sintomas até podem desaparecer, mas por se tratar de uma doença crônica, eles irão voltar, e por isso o tratamento com o dermatologista é o mais indicado para que exista o controle da doença.

“Sou uma pessoa calma e convivo diariamente com a psoríase.”

Verdade. A psoríase aparece no paciente por diversos motivos. Muitas pessoas imaginam que o estresse seja o principal ativador para a manifestação da doença, mas existem outros fatores que afetam diretamente a psoríase, como a obesidade, o diabetes, a pressão alta, o colesterol alto, entre outras doenças.

Hoje sabemos que é possível conviver com a doença e ter uma pele sem lesões. Existem diversos tratamentos adequados e devem ser avaliados conforme o perfil do paciente.  Sendo assim, é importante que durante a consulta com um médico dermatologista, o paciente tire todas as dúvidas e anseios relacionados à doença. 

Psoríase pustulosa generalizada

  • Vocês já ouviram falar sobre a  a PPG? Em post no Instagram, a atriz Glória Pires explica mais sobre essa doença rara, que não é contagiosa, mas que apresenta alguns sinais bem desconfortáveis para quem sofre. Ela citou como exemplo, pequenas bolhas de pus espalhadas pelo corpo, associadas à vermelhidão na pele, dor intensa, fadiga e febre.

“É importante frisar que alguém com essa condição pode socializar e interagir como qualquer outra pessoa, sempre com acompanhamento e orientação certa! Acompanhem @boehringeringelheimbr para saber mais sobre a PPG”, diz o publipost da atriz.

Com Assessorias

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais