Como aproveitar as festas juninas sem sair de casa – e da dieta

Para ajudar você a preparar um arraiá em tempos de coronavírus, sem peso na consciência e na balança, ViDA & Ação traz dicas especiais de nutricionistas

Rosayne Macedo

Saudade de uma festa junina, né, minha filha?! Pois não é porque estamos confinados – ao menos deveríamos ainda estarmos todos, já que os números da Covid-19 ainda são assustadores em várias cidades do país – que somos obrigados a abrir mão completamente de uma tradição que nos encanta desde os tempos de criança. Aliás, especialistas garantem que dá até para pular a fogueira sem se queimar dentro de casa – ops! é mentiraaaaaaa!!!! (risos)

Sônia e Newton: não faltou alegria para festejar em casa (Reprodução Facebook)

Fã e frequentadora de festas juninas, jornalista Sônia Araripe, da Revista Plurale, preparou junto com o marido Newton Meyhoas um típico arraiá para a família -tudo sem precisar sair de casa. E não faltou nada do que a gente costumava ver nas quermesses que se espalhavam pelo país nos meses de junho, julho e até agosto. A mesa de comidas típicas tinha de tudo um  pouco (deu até água na boca!) e, pelas fotos, é claro, não faltou animação, com direito a decoração com bandeirinhas coloridas, música e trajes de caipira.

Adoramos festa junina. Já fizemos e estivemos em várias. Não seria o isolamento social que iria colocar água no nosso arraiá. Improvisamos, aproveitando sobrinhas de decoração de festas anteriores. Bufê por nossa conta. Doces comigo, salgados com o Newton. Dos tempos de garoto, ele lembrou como fazer as bandeirinhas e balões pequeninos. (…) Som na caixa pelos nossos DJs preferidos. Foi lindo! Quarentena com esta turma está até divertida. Pula fogueira!!!”, postou ela no Facebook.

‘Festa da firma’ – O período de festas juninas é repleto de receitas típicas, danças em volta das fogueiras, decorações características e muita alegria. Com a recomendação de isolamento social estendida, muitas atividades sociais continuam sendo adiadas, mas tem muita gente que não quer esperar e está criando seus arraiás dentro de casa e compartilhando com amigos e familiares a distância, por transmissão em redes sociais.

Para manter seus colaboradores conectados, incentivar o espírito colaborativo e promover o bem-estar e a saúde mental da equipe em tempos de quarentena, muitas empresas também estão organizando arraiás virtuais. É o caso da Roche. No primeiro Arraiá Virtual do laboratório farmacêutico, funcionários e familiares foram convidados a mostrarem o seu talento junino. E fizeram sucesso com suas caracterizações e demonstrações de seus talentos. Além disso, a famosa brincadeira do correio elegante também não ficou de fora. Só  que a proposta foi um pouco diferente: as pessoas enviaram, anonimamente, uma mensagem inspiradora para algum colega de trabalho.

Dá para aproveitar as delícias sem pesar na balança

Mesa de comidas típicas no arraiá preparado em casa pela jornalista Sônia Araripe (Foto: Reprodução do Facebook)

Para quem se preocupa com o efeito sanfona em função dos excessos que os pratos típicos podem significar, nutricionistas garantem que, apesar de as receitas típicas, depois de prontas, terem um índice maior de caloria, não é necessário se privar de consumir essas preparações. E dá para aproveitar sem recuperar os quilos extras.

Apesar das receitas típicas levarem muito açúcar, é possível aproveitar o período e, ainda assim, manter uma alimentação saudável”, afirma o nutricionista do Vigilantes do Peso, Matheus Motta. Segundo ele, os ingredientes que compõem as receitas típicas dessa época do ano têm boas características nutricionais.

O milho é rico em carboidratos e fibras, por isso é ótimo para dar energia e ainda auxilia na digestão. Já o amendoim tem alto teor de antioxidantes, como a vitamina E e Zinco, auxiliando no envelhecimento, enquanto o arroz possui diversos aminoácidos e vitaminas, contribuindo para o sistema imunológico”, explica.

Para a nutricionista Silvia Ribeiro Messalem, do Hospital Edmundo Vasconcelos, as pessoas sentem preocupação quando se fala em calorias e carboidratos, mas eles são necessários para o organismo. E a vantagem das festas juninas é que alimentos usados para preparar as  comidas típicas – como milho, amendoim, pinhão, batata doce e mandioca – não são os vilões das dietas neste período.

Os alimentos base dos pratos típicos da festividade não são extremamente calóricos e, quando consumidos isoladamente, são fontes de energia, carboidratos, muitas fibras e vitaminas. O que contribui para o enriquecimento calórico são as adições de açúcar, leite condensado, sal e manteiga”, salienta a especialista.

O problema não é ‘o que’, mas ‘o quanto’

Mesa de comidas típicas no arraiá preparado em casa pela jornalista Sônia Araripe (Foto: Reprodução do Facebook)

O problema, segundo os nutricionistas, está no preparo das receitas ricas em açúcar, mesmo que sejam caseiras, e no consumo exagerado das porções. Assim, o que deve receber uma atenção especial é a quantidade ingerida, para não consumir em excesso.

É possível aproveitar todos os pratos sem prejuízos, lembrando apenas de consumi-los de forma moderada. Vale destacar que cada indivíduo tem um histórico de doença e, portanto, precisa estar atento a eventuais restrições a fim de evitar complicações de saúde”, alerta Sílvia.

Sem medo do ‘efeito sanfona’

Para quem trabalhou duro mudando os hábitos alimentares, a relação com a comida e, inclusive, passou a praticar atividades físicas, pratos típicos de festas juninas podem causar ansiedade e inclusive medo de recuperar o peso perdido e sofrer com o tão comum “efeito sanfona”.

Uma análise realizada nos Estados Unidos levou em consideração 29 estudos sobre dietas hipocalóricas, ou seja, com restrição de calorias, que tinham ou não exercícios associados. A constatação foi de que, em média, mais da metade do peso perdido acaba sendo recuperado dentro de 24 meses.

Para essas pessoas, evitar recuperar os quilos perdidos se tornou o mesmo que evitar eventos sociais – mesmo que sejam dentro de casa. Mas não precisa ser assim. Uma recomendação é escolher o que você mais gosta ao invés de comer de tudo.

No caso das festas juninas, julinas e até agostinas, o melhor é fracionar o que deseja consumir  ao invés de consumir tudo em uma única festa”, explica Matheus.

Outra estratégia para manter o equilíbrio é o planejamento. “Siga uma alimentação balanceada e saudável ao longo do dia ou da semana que antecede a data e não faça dos doces o seu foco na festa”, recomenda o nutricionista.

Vinho quente e quentão: apenas uma dose

Muito populares, as bebidas têm um sabor nostálgico e aquecem os “caipiras” em temperaturas amenas, porém é preciso ter moderação. Ambas as receitas são ricas em açúcar e, por mais que se produza em casa e controle a quantidade, o álcool sobrecarrega os sistemas digestivo e endócrino, por isso, seu consumo deve ser feito com moderação: “uma dose é o suficiente”, indica Matheus.

Assim como o álcool, o efeito sanfona também causa um esforço maior por parte do organismo e pode provocar o aparecimento de doenças como a diabetes e a hipertensão. É importante manter a atenção ao que se come mesmo durantes períodos de festas como esses e, ter em mente que, não é necessário restringir a alimentação de forma drástica, mas sim, seguir um equilíbrio.

Como combinar melhor os alimentos

Uma dica é alimentar-se de forma saudável antes de ir para as festas, aumentar o consumo de fibras, pois além de causarem maior sensação de saciedade, também colaboram para não elevar a taxa de açúcar do sangue. Uma opção é consumir um copo de suco verde ou uma boa salada crua. Assim ficará mais fácil ter o controle na hora das escolhas, não sendo necessário provar todas as opções da festa e sim apenas as de maior preferência.

Muitas comidas típicas podem funcionar como pequenos lanches. É possível combinar espetinhos de frango e carne, com o milho cozido, por exemplo. Bolo, pipoca, pinhão ou canjica podem ser um lanche e até o calde verde ou o caldo de feijão podem ser saídas gostosas, equilibradas e típicas”, explica o nutricionista.

Para quem gosta de preparar os próprios quitutes, o controle do que se come é ainda mais fácil. O nutricionista do Vigilantes do Peso orienta que se utilize ingredientes com pouca gordura, como é o caso do leite desnatado. “Diminuir a quantidade de açúcar ou substituir por ingredientes com sabor adocicado, como o cravo, a canela e frutas, por exemplo, também é uma alternativa”, recomenda Matheus.

Sugestões para tornar as receitas mais leves

As comidas típicas de festas juninas são bastante conhecidas pelo excesso de calorias, algo que faz com que algumas pessoas optem por não consumi-las durante as festividades. Para quem não quer deixar de aproveitar as delícias da culinária típica das festas juninas, mas prefere opções menos calóricas, a nutricionista indica algumas substituições simples na preparação desses pratos.

“Há versões dos ingredientes com menos calorias e mais fibras. O leite desnatado, o arroz integral e o açúcar mascavo ou xilitol, por exemplo, podem ser usados na preparação do famoso arroz doce. Além disso, para contribuir com o controle calórico é indicado evitar frituras e controlar a ingestão de bebida alcoólica. E claro, aproveitar as danças e brincadeiras juninas, assim é possível garantir o gasto de algumas calorias”, conclui Sílvia.

A nutricionista Monica Symphoroso, que atende pelo GetNinjas,selecionou alguns ingredientes low carb que podem ser usados na preparação de diversas delícias típicas dessa época do ano.

Um ingrediente que não pode faltar nesta época do ano é o pinhão, que é altamente energético e proteico, garante a saciedade e pode ser usado para fazer várias preparações, como sopa, bolinho, farofa, entre outras guloseimas”, explica Monica.

Confira abaixo outras sugestões da nutricionista para quem quer curtir os quitutes juninos sem sair de casa e da dieta:

  • Na preparação do curau, use água, leite de coco e adoçantes naturais para deixar a receita mais leve;

  • Para um bolo de fubá, utilize leite vegetal, óleo de coco, adoçantes naturais;

  • Para o bolo de mandioca, substitua a farinha de trigo na preparação pela farinha de amêndoa e utilize adoçante natural;

  • Para a canjica e arroz doce, utilize os leites vegetais (amêndoa amendoim, coco) e adoçantes naturais. Não esquecer da canela, do cravo e da baunilha natural;

  • Doce de abóbora pode ser feito com adoçantes naturais, cravo e canela;

  • No cuscuz pode ser adicionado legumes deixando-o mais nutritivo;

  • A maçã de amor pode ser feita com uma calda de chocolate cacau 70%;

  • Doce de batata doce pode ser feito com coco ralado e adoçantes naturais;

  • Uma outra dica é o vinho quente, que pode ser feito com suco de uva integral.

Ingredientes que podem ser substituídos por elementos menos calóricos:

  • Farinha de trigo: pode ser substituída por farinha de arroz, farinha de amêndoa, farinha de aveia, fubá, farinha de milho, farinha de mandioca e farinha de coco;

  • Açúcar refinado:pode ser substituído por açúcar mascavo, demerara, açúcar de coco e tâmaras;

  • Adoçante aspartame, sucralose, acessulfame k, ciclamato de sódio: podem ser substituídos por stevia, xylitol, eritritol e açúcar de maçã;

  • Óleo vegetal: pode ser substituído por óleo de coco ou azeite;

  • Leite de vaca: pode ser substituído por leite de coco, leite de amêndoas, leite de castanhas, leite de aveia e leite de arroz.

CURAU SAUDÁVEL

Para entrar no clima, o nutricionista do Vigilantes do Peso separou uma receita especial de curau:

Tempo total: 40 minutos

Rendimento: 5 porções | Dificuldade: Fácil

 

 Ingredientes:

1 xícara de espiga de milho congelada cozida

2 xícara de leite desnatado

1 colher de sopa de açúcar

½ colher de sopa de amido de milho

½ colher de chá de essência de baunilha

1 colher de chá de canela em pó

Instruções

Pegue as espigas cozidas e retire os grãos com o auxílio de uma faca. Bata todos os ingredientes no liquidificador e depois passe por uma peneira grossa. Em uma panela, leve ao fogo médio, mexendo constantemente até engrossas. Retire do fogo e coloque em potes de sobremesa. Se preferir, pode levar a geladeira antes de consumir.

Cada porção equivale a 1/3 de xícara.

Com Vigilantes do Peso, Hospital Edmundo Vasconcelos e GetNinjas