Você gostaria de proteger seu filho de todos os perigos?

Então por que você não leva seu filho para se vacinar contra a meningite meningocócica? ‘Loja Superprotetora’ apresenta produtos que chamam atenção para importância da vacinação

Redação

Já pensou em comprar uma roupa de plástico-bolha para o seu filho andar de skate sem se machucar? Um tênis com rota pré-programada para mantê-lo no radar? E um travesseiro que monitora o sono  enquanto ele dorme e envia informações em tempo real para o seu smartphone? Esses são alguns dos produtos que serão exibidos na Loja Superprotetora, uma ação da GSK para conscientizar a população sobre a importância da prevenção à meningite meningocócica.

O acervo, que inclui ainda um “brinco fone”, “camisa polo filmadora” e “chaveiro localizador”, foi desenvolvido exclusivamente para esta ação para que, de uma forma divertida e lúdica, os pais possam refletir sobre como gostariam de proteger seus filhos de todos os perigos. No final, chegamos à conclusão de que não é possível proteger os filhos de tudo, mas podemos, sim, agir de forma preventiva contra uma doença grave que é a meningite meningocócica.

Essa doença grave no Brasil leva cerca de 20% dos pacientes a óbito, geralmente, dentro de 24 a 48 horas após o início dos sintomas. E, quando falamos de vacinação no Brasil, os números são preocupantes. E pior: quem deveria proteger os filhos não está fazendo isso. Segundo dados do Ministério da Saúde, no ano passado, sete das oito vacinas recomendadas para crianças menores de um ano ficaram abaixo da meta de cobertura vacinal.

A Loja Superprotetora

A loja funcionará do dia 24 a 30 de junho, no Shopping Eldorado, em São Paulo, e contará com a presença de famosos como Marcos Mion e Thaís Fersoza, e de Pedro Pimenta (foto), um jovem que é sobrevivente da meningococcemia, uma infecção generalizada causada pela mesma bactéria da meningite meningocócica e que rapidamente se espalha pela corrente sanguínea.

O objetivo com essa ação é chamar a atenção da população. Ela abre uma conversa sobre até que ponto podemos proteger nossos filhos contra tudo, mas uma coisa não se discute: a prevenção contra a meningite é possível e importante. É preciso explicar que existem diferentes tipos da bactéria que causa a doença meningocócica e que a imunização é uma das melhores formas de proteção para que os filhos cresçam e se desenvolvam com saúde”, conta Jessé Alves, infectologista e gerente médico de vacinas da GSK.

Conheça a história de Pedro Pimenta

Doença Meningocócica – Meningite Meningocócica

A Doença Meningocócica é causada pela bactéria Neisseria meningitidis, que possui 13 sorogrupos identificados, sendo que cinco deles são os mais comuns (A, B, C, W e Y). Uma das formas de manifestação da doença é a meningite meningocócica, que é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Uma outra forma mais grave é quando a bactéria atinge a corrente sanguínea, chamada de meningococcemia. Se não for tratada, a meningite meningocócica é fatal em 50% dos casos e pode resultar em dano cerebral, perda auditiva ou incapacidade em 10% a 20% dos sobreviventes.

Dados do Ministério da Saúde mostram que, em 2018, foram registrados 1.129 casos de doença meningocócica no Brasil, sendo que as regiões Sudeste (597 casos) e Sul (227 casos) apresentaram os maiores números de casos notificados.5 Considerada uma doença endêmica no Brasil, com casos esperados ao longo de todo o ano, a meningite meningocócica é uma infecção bacteriana grave, que pode causar sequelas e até mesmo levar a óbito. A vacinação é uma das melhores formas de prevenção contra a doença.

Transmissão

O meningococo, bactéria que causa a meningite meningocócica, pode ser transmitido de uma pessoa para outra por meio do contato direto com gotículas ou secreções respiratórias, através de tosse, espirro e beijo, por exemplo.6 Até 23% dos adolescentes e adultos jovens podem ser portadores da bactéria e podem transmití-la para outras pessoas através da saliva e partículas respiratórias, sem necessariamente desenvolver a doença.

Sintomas

Os sinais e sintomas iniciais da meningite meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito12 — podem ser confundidos com outras doenças infecciosas.

Na sequência, o paciente pode apresentar pequenas manchas violáceas (arroxeadas) na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz. Se não for rapidamente tratado, o quadro pode evoluir para confusão mental, convulsão, sepse e choque, falência múltipla de órgãos e risco de óbito.

Essa rápida evolução e início abrupto, pode levar a óbito em menos de 24 a 48 horas.9 Por isso, é tão importante a prevenção da doença.

Prevenção

A vacinação é uma das melhores formas de prevenção contra a doença. Outras formas que podem ajudar na prevenção incluem evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos.

Atualmente, existem vacinas para a prevenção dos 5 sorogrupos mais comuns no Brasil, as vacinas contra a meningite meningocócica causada pelo tipo B e as vacinas contra os tipos A, C, W e Y.

A vacina contra os tipos A, C, W e Y, por exemplo, é recomendada nos calendários das sociedades médicas a partir dos 3 meses de idade, bem como para jovens e adultos (dependendo da situação epidemiológica). A vacina para a prevenção da meningite meningocócica causada pelo tipo B é recomendada a partir dos 3 meses de idade pelas sociedades médicas.

Nos postos de saúde, a vacina contra a doença causada pelo meningococo C é disponibilizada para crianças menores de 5 anos de idade e adolescentes de 11 a 14 anos.

É importante lembrar que a vacinação é um recurso importante para a prevenção, não só da meningite meningocócica, mas de outras doenças infecciosas também em crianças, adolescentes e adultos.

Fonte: GSK, com Redação