Consentimento é algo que se aprende já na infância

Em ‘Mamãe, o que é sexo?’, médica aborda a sexualidade em todas as fases de desenvolvimento até a adolescência, em meio ao excesso de informações por variadas fontes

Quem nunca teve dificuldade em encarar a curiosidade das crianças diante da sexualidade que atire a primeira pedra. De fato, orientar pais sobre a sexualidade dos seus filhos é uma missão muito difícil, pois nenhuma mãe ou pai gosta de “pitacos” na educação dos seus filhos, não é mesmo? Mas e como e quanto ensinar às crianças o que é consentimento ou permissão? Como educar uma criança para que ela entenda o que ela pode ou não permitir?

Falar sobre consentimento é ensinar limite, respeito, compreensão e autoconhecimento para o indivíduo. A educadora em sexualidade Lilian Macri exemplifica bem o conceito de consentimento na educação dos nossos filhos e no nosso no dia a dia. Para ele, consentimento é algo que devemos ensinar aos nossos filhos já na primeira infância. As brincadeiras são uma excelente oportunidade de ensinar na prática o que é consentimento, um dos temas que Lilian aborda no seu livro “Mamãe, o que é sexo? Vem que eu te ajudo com a resposta!”, da Editora Êxito e em suas palestras.

Estipule as regras sempre antes da brincadeira, por mais que seja explícita, explique exatamente quais são as regras.  Negocie  com a criança, se alguém se cansar no meio da brincadeira, por exemplo, e queira parar de brincar, que estará tudo bem, o outro deverá ser respeitado na sua decisão. Esse também é um exercício de ensinar a criança ter empatia e a compreender o outro. Os pais são os intermediários, que irão ensinar  para essa criança que se num primeiro momento  não quiser  brincar, precisa do consentimento do outro, para entrar na brincadeira novamente”, diz Macri.

Com relação ao corpo, todas as partes do deverão ser respeitadas, criança não precisa abraçar e nem beijar ninguém. “Para cumprimentar as pessoas, a criança pode apenas dizer ‘bom dia’, ‘boa tarde’ e ‘boa noite’, não é necessário beijar e abraçar sem que ela queira. Nos genitais, durante o banho, os pais precisam, dizer quem são as pessoas que podem tocar nas partes íntimas da criança para higienização. E deixar claro, que é só para higienização e se caso alguém a toque de forma diferente, oriente a contar para a pessoa que a criança mais confie (círculo de confiança já definido)”, destaca.

E como se deve ensinar a criança a dizer NÃO? “Diga claramente para a criança que se alguém tocá-la, ela deve dizer NÃO. E este não deve ser treinado. Por exemplo : Filha, você quer comer jiló no jantar? A criança vai dizer  Não com vontade . O exemplo é importante, porque pode acontecer da criança ficar envergonhada para dizer não, a uma pessoa conhecida. Ela tem que aprender a falar não para a essa pessoa”, explica a educadora.

Já na adolescência, o consentimento protege contra os relacionamentos abusivos, tanto na vida amorosa, como nas amizades e trabalho. Aprender a dizer não e respeitar o não do outro é fundamental, mas precisa ser ensinado e aprendido, tanto na família quanto na escola.

De acordo com dados da Unesco, os adolescentes iniciam a vida sexual muitas vezes pelos motivos errados, que por vezes os coloca em situações de risco. “Geralmente, os adolescentes transam para dar uma prova de amor, porque todo mundo já transou, para agradar a turma, entre outros. Falar sobre consentimento é se conhecer para dizermos a nós mesmos e aos outros quais são nossos limites”, finaliza Lilian Macri.

Livro pretende tirar dúvidas sobre abuso sexual infantil

O livro tem a proposta de sanar dúvidas, esclarecer o papel da família e da escola, alertar sobre a prevenção de abuso sexual infantil e ajudar famílias e educadores, por meio de metodologia, a desenvolver uma educação em sexualidade sadia e eficiente.

Mamãe, o que é sexo? Vem que eu te ajudo com a resposta! é voltado para pais de crianças  de 0 a 16 anos. Aborda a sexualidade  em todas as fases  de desenvolvimento  da criança  até  a adolescência. Afinal, os cuidados com as crianças vão além da alimentação, da higiene e da saúde e se faz necessário um olhar mais atento sobre a sexualidade na primeira infância.

Muitas são as dúvidas, os receios e o constrangimento por parte dos pais ao falarem sobre esse assunto com seus filhos. Porém, fica mais fácil quando se tem um trabalho pautado na ajuda mútua, na ética, no amor e na colaboração para uma vida melhor. Com base em sua experiência como educadora em sexualidade, Liliam busca no livro sanar dúvidas, esclarecer o papel da família e da escola, alertar sobre a prevenção de abuso sexual infantil e ajudar pais e educadores, por meio de metodologia, a desenvolver uma educação em sexualidade sadia e eficiente.

A especialista tem a missão de desmistificar os aspectos que envolvem a sexualidade de forma simples e de fácil compreensão. “Nos dias de hoje nós temos duas opções: aceitar o desafio, e juntos trilharmos um caminho de autoconhecimento e conduzir naturalmente uma educação em sexualidade sadia e confortável para a nossa família, ou delegar para os amiguinhos, para a internet e até mesmo para a Tv a responsabilidade que é nossa, como pais e educadores”, diz Lilian Macri.

Hoje, as crianças estão expostas ao excesso de informações de fontes não confiáveis e que poderão confundi-las por serem apresentadas de maneiras inadequadas para a fase de seu desenvolvimento. E, ainda, fazer com que a criança queime etapas, fique em situação de risco e seja erotizada precocemente. Daqui a alguns anos, quando essa criança estiver na adolescência, terá de enfrentar diversos problemas e traumas que poderiam ser evitados se ela tivesse tido uma educação em sexualidade bem conduzida pelos pais e educadores.

Nós fazemos educação em sexualidade o tempo todos com nossos filhos, apenas não sabemos disto. A proposta do livro é ajudar os pais e educadores a terem conhecimento para observar a criança e identificar cada fase, sem constrangimento e com tranquilidade e falar com ela da melhor forma possível,” explica a autora.

Sobre a autora

Lilian Macri é mãe, médica (CRM 99193), pós-graduada em sexualidade pela Universidade de São Paulo, em educação em sexualidade pela UNISAL e especialista em terapia sexual pela SBRASH.

Atua como colaboradora do Projeto Afrodite da UNIFESP, no ambulatório de disfunções sexuais femininas. Atende em seu consultório e ministra palestras sobre sexualidade pelo país, com foco em orientação de famílias e educadores sobre a sexualidade infantil.

É idealizadora do Movimento Educando para a Vida, que visa à inclusão da família e da escola na construção de valores éticos com os filhos/alunos, priorizando a humanização das relações e pessoas envolvidas. A ideia é trabalhar os três pilares: família, escola e filhos/aluno.

SERVIÇO:

Livro: Mamãe, o que é sexo? Vem que eu te ajudo com a resposta!

Autora: Lilian Rosa Daher Macri

Editora: Exito Editorial Ltda

Número de páginas: 72

 

 

 

 

 

In the news
Leia Mais