Controlar o que comer na Páscoa também ajuda a prevenir riscos da Covid

Especialista em obesidade e bariátrica alerta sobre comer com moderação na Páscoa. Nutricinista ensina a fazer escolhas alimentares conscientes

Redação

O almoço de domingo já costuma ser o vilão das rotinas saudáveis de alimentação. Mas quando chegam as datas especiais como Natal, Réveillon, Páscoa e demais feriados, a situação se torna mais crítica. A Páscoa em especial, se tornou o maior risco porque a população começa a ser exposta aos irresistíveis ovos de páscoa um mês e meio antes da data.

E todos fazem um agradinho, dando chocolate para alguém. No fim, o que se vê é um estoque que, para muitos, vai durar até dois meses. Ou seja, é nessa fase que alguns comem chocolate por quase quatro meses. E as principais vítimas são as crianças. Estas certamente recebem ainda mais presentinhos da família toda.

O médico Cid Pitombo, especialista em tratamentos em obesidade, alerta que o risco da obesidade nunca esteve tão presente em nossas vidas.

A Covid veio mais uma vez para nos alertar. A obesidade piora as chances de a pessoa se recuperar quando fica doente. Ou seja, ela não somente provoca doenças, como câncer, infarto, doenças coronarianas. A obesidade prejudica a cura porque os órgãos dos obesos normalmente funcionam no limite, sem reservas quando se necessita. E quando mais um fator chega, como um vírus que provoca mais inflamações ou prejuízo de oxigenação, como o Sarcov-2, da Covid, que afeta o pulmão, o nível de gravidade é maior”, afirma.

De acordo com o médico, em vez de emagrecer, na pandemia, as pessoas engordaram. “Por mais que foram alertados para ter cuidado com o ganho de peso, a maior parte da população ganhou peso. O confinamento e sedentarismo levam inevitavelmente a mudanças comportamentais e busca maior por alimentos que nos dão prazer, como doces, alimentos gordurosos, massas e bebidas alcoólicas”, ressalta.

No caso dos portadores de obesidade mórbida, o isolamento era ainda maior, pois sair à rua aumentava mais ainda a chance de contaminação. “Controlar esses mecanismos envolvem tanto o apoio emocional, quanto uma rigorosa vigília no que se come. Uma dica é sempre que for ao mercado ou mesmo fazendo a compra on-line faça alimentado, sem fome”.

O que os médicos buscam é alertar para o fortalecimento da saúde em vários aspectos: dormir bem, praticar atividades físicas, consumir boa quantidade de líquidos e comer alimentos naturais, saudáveis, encontrados no hortifrúti”, explica.

‘Não tem fórmula mágica para se salvar da Covid’

Segundo ele, “não tem fórmula mágica para salvar da Covid”. Não são própolis ou vitamina D que impedem o vírus de se reproduzir, mas o organismo precisa estar mais preparado. “É cuidado integral. Quem hoje está no peso ideal, certamente está com menos problemas psicológicos porque sente menos medo de agravar. É claro que ninguém está fora de risco, a doença atingiu pessoas sem comorbidades, jovens, magras, até atletas. Mas a incidência de agravamento foi menor”, destaca.

Ele faz um apelo para que as pessoas controlem a alimentação até mesmo na Páscoa. “É uma época especial, que na nossa cultura envolve consumo de chocolate, procurar os ovinhos…nada de errado com isso, mas nós médicos temos a obrigação de informar que é um alimento com muita gordura e açúcar, que deve ser consumido com atenção e limites”, avisa.

Segundo ele, um ovo de chocolate, em média, sozinho, tem 20% a mais de toda gordura e açúcar que precisamos consumir em um dia. “É algo que temos que ter em mente para nos controlarmos”, enfatiza o médico, que é especialista em tratamentos de obesidade e cirurgia bariátrica por videolaparoscopia, tendo se tornado referência nacional em seu segmento de atuação, com 30 anos de experiência, sendo 22 com bariátricas.

Ao longo de sua carreira, Dr Cid Pitombo realizou cerca de 5,5 mil cirurgias. Entre elas, 3,5 mil foram realizadas dentro do Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica do Estado do Rio de Janeiro entre 2010 e 2020, coordenado pelo médico. Tornou-se ainda mais conhecido ao operar os atores André Marques e Leandro Hassum, que contribuíram fortemente para disseminar a importância da cirurgia bariátrica.

Ele tem mestrado e doutorado em temas ligados à obesidade e é editor do livro Obesity Surgery: Principles and Practice. É proprietário da Clínica Cid Pitombo, onde realiza atendimento multidisciplinar para tratamento de obesidade, com acompanhamento psicológico e nutricional para cerca de 100 pacientes por mês, de todo o Brasil.

7 dicas para comer chocolate sem culpa nessa Páscoa

Uma das épocas mais gostosas do ano está chegando e, com ela, o medo de não resistir às tentações e colocar a dieta a perder. É comum que após um feriado regado a comida boa e chocolates, o botão da calça comece a apertar – e não é pra menos, já que o consumo excessivo de açúcares e carboidratos está diretamente ligado ao ganho de gordura na região abdominal.

As mulheres, principalmente, devem ficar atentas, pois sua tendência em ganhar gordura nos quadris é maior, já que essa parte do corpo é mais influenciada pelos hormônios femininos” pontua o nutricionista ortomolecular Rafael Félix, consultor da Via Farma.

A boa notícia é que dá para aproveitar a Páscoa sem passar vontade de comer chocolate e sem estragar a dieta – o segredo é manter o equilíbrio e fazer escolhas inteligentes. “Não há necessidade de cortar o chocolate e nenhum outro alimento, desde que o consumo seja moderado. As grandes restrições na dieta não são saudáveis e podem, inclusive, contribuir para episódios de compulsão alimentar, com aumento de calorias ingeridas em momentos de descontrole”, alerta o nutricionista. Para ajudar nas escolhas, confira abaixo as dicas do especialista:

1. Invista no chocolate certo

Na hora de escolher os ovos e bombons, dê preferência às versões mais saudáveis, com o teor de cacau acima de 50%. Para matar a vontade de comer chocolate e, ao mesmo tempo, cuidar da saúde, é possível optar por ovos e bombons funcionais, encontrados em farmácias de manipulação. Quando enriquecidos com extratos de chá roxo e amora selvagem, por exemplo, podem até auxiliar no emagrecimento. Já associados ao extrato de Apocynum venetum L, os chocolates funcionais ajudam a dormir melhor, trazendo bem-estar.

2. Coma na sobremesa

Para passar longe do pé na jaca, evite comer chocolate de estômago vazio. Saborear o doce como sobremesa evita que o consumo seja excessivo, já que a saciedade será alcançada com porções menores. Investir no consumo de vegetais na hora das refeições também é uma boa ideia, já que são alimentos ricos em fibras, um nutriente que além de diminuir a absorção de gordura no organismo, ainda reduz a fome.

3. Atenção às versões diet

Para não trazer grades prejuízos à dieta de emagrecimento, muitas pessoas acabam optando pelo chocolate diet. Mas é necessário ter atenção, já que boa parte desses produtos é direcionada a pessoas com restrição no consumo de açúcar. Para a perda de peso, esse tipo de alimento não é vantajoso, já que o açúcar é substituído por gordura na lista de ingredientes, elevando o valor calórico.

4. Fique de olho nas porções

Escolher as porções com inteligência é o melhor caminho para comer aquilo que mais gosta sem boicotar a dieta. Um ovo de chocolate grande, por exemplo, pode passar de mil calorias, enquanto os pequenos contam com cerca de 70. Assim, vale ter parcimônia na hora da compra, já que os benefícios do chocolate e a sensação de bem-estar também podem ser desfrutados com quantias menores do doce.

5. Capriche na qualidade das refeições

Um erro bem comum é fazer compensações alimentares e até pular refeições para poder comer chocolate sem peso na consciência. Mas isso não deve ser feito, já que longos períodos em jejum podem atrapalhar o funcionamento do metabolismo e aumentar as chances de episódios de compulsão alimentar. Por isso, o melhor a se fazer é manter todas as refeições do dia, prezando sempre pela qualidade.

6. Não pule o treino

Pode ser difícil manter a rotina de treinos no fim de semana e datas comemorativas. Mas, para evitar que as calorias a mais se transformem em gordurinhas mais tarde, é importante separar uma hora do dia para colocar o corpo em movimento. Mesmo que não seja possível fazer a rotina habitual de treinos, uma atividade física mínima já faz toda a diferença. O que não pode é comer demais e não queimar as calorias.

7. Valorize seu sono

Uma única noite mal dormida já é capaz de afetar todo o metabolismo, prejudicando a digestão e aumentando o apetite por alimentos ricos em açúcar e carboidratos, que, em excesso, estimulam o ganho de peso. Além disso, a restrição de sono está frequentemente ligada ao estresse e à ansiedade, que também são gatilhos para uma alimentação desequilibrada.

In the news
Leia Mais