Copa com saúde: como torcer sem perder a noção

Nada de exagero: especialistas explicam como moderar na hora da comemoração. Bebida alcóolica em excesso, sexo sem segurança e alimentos calóricos podem comprometer sua comemoração

Redação
Dicas de saúde na Copa

Hoje é dia de Brasil x Sérvia, o terceiro e último jogo da nossa Seleção na primeira fase da Copa do Mundo da Rússia e que vai carimbar o passaporte dos jogadores – e dos torcedores brasileiros – para a próxima fase. No último jogo, que terminou às 11h da manhã, teve gente que comemorou o dia inteiro, até a noite, nos bares e eventos públicos criados em vários espaços do Rio de Janeiro. Mas é bom ficar atento porque exagero nunca é bom para a saúde. Especialistas alertam que o excesso traz consequências ruins e pode até impediro torcedor de acompanhar o restante do campeonato.

Por isso, é preciso ter planejamento e estratégias para driblar possíveis incômodos. No podcast do programa Pausa na Saúde, o Ministério da Saúde mostra algumas dicas para manter a saúde durante as comemorações da Copa do Mundo aqui no Brasil e para quem viaja para a Rússia. (Ouça aqui).

Comer alimentos leves durante as partidas é uma ótima opção. Mas existem aqueles torcedores que veem futebol e cerveja como um casal perfeito. Se for beber, que não seja em excesso. Vale lembrar que os efeitos do consumo exagerado de bebida alcoólica são prejudiciais não apenas para quem o consome, já que é alto o risco de acidentes de trânsito.

Sexo seguro

Mas dirigir alcoolizado não é o único risco. “Você sabe, o álcool sobe para a cabeça. Mas aí você não pode esquecer que tem que usar preservativo (masculino ou feminino) em todas as relações sexuais. Não deixe que a festa e a bebida impeçam você de se prevenir do HIV e de outras ISTs”, aconselha a diretora do departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken.

Segundo ela, qualquer pessoa pode buscar preservativos em serviços de saúde. Se a camisinha estourar, ou acontecer algum outro imprevisto, e você julgar ter sido exposto ao HIV, procure a Profilaxia Pós-Infecção ao HIV (PEP) nas primeiras 72 horas após exposição. A medicação está disponível em serviços especializados para o HIV e de urgência e emergência. A profilaxia deve ser usada por 28 dias.

Aqueles que fazem uso da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), precisam manter o uso contínuo para evitar possíveis infecções. “Não adianta nada esquecer da medicação. Tem que tomar o compromido todos os dias para você poder fazer a profilaxia”, enfatiza a diretora. Ela também reforça o uso contínuo do tratamento antiretroviral para pessoas que vivem com HIV. Já que qualquer interrupção ao tratamento pode acarretar em prejuízos para o tratamento, como, por exemplo, a resistência ao vírus. O uso de bebida alcoólica é permitido mesmo durante o tratamento.

Cuidados com a vacinação

Manter a caderneta de vacinação em dia é outro cuidado necessário. Isso porque o vai-e-vem de brasileiros entre Europa e Brasil pode ser um meio para que agentes causadores de doenças – como vírus e bactérias – transitem no país. Sendo assim, doenças que já foram eliminadas, como sarampo e a poliomielite, encontram portas de entrada em pessoas não imunizadas. O resultado são surtos que colocam em risco toda a população brasileira. Por isso, é importante manter o sistema imunológico alerta por meio da vacinação. Você pode atualizar o calendário em qualquer momento do ano. Basta procurar uma Unidade Básica de Saúde. Acompanhe o Calendário de Vacinação.

Fonte: Blog da Saúde (Ministério da Saúde), com Redação