Corrida científica: por que a vacina russa pode não ser segura?

Governo do Paraná anuncia acordo com a Rússia para trazer a Sputinik para o Brasil, antes de ser comprovada cientificamente

Vacina produzida na China foi a primeira a ser registrada (Reuters)

Lideranças mundiais parecem brincar com vidas humanas ao politizar a corrida pela vacina do novo coronavírus. O anúncio de que a Rússia registrou o primeiro imunizante contra a Covid-19, antes mesmo de chegar à fase 3 das pesquisas, causou muita desconfiança e reações no mundo inteiro. O anúncio revela o quanto a vaidade entre os governantes e a competição entre os países na corrida pela busca da imunização para o “mal do século” podem representar um risco à saúde mundial.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, reafirmou que a imunização em massa da população começa em outubro. Batizada de Sputnik V, em homenagem ao primeiro satélite artificial a orbitar em volta da Terra — um feito da então União Soviética no auge da Guerra Fria —, a vacina já teria interessados em pelo menos 20 países, inclusive no Brasil.

O governador do Paraná Ratinho Júnior (PSD) anunciou a intenção de assinar um convênio com a Rússia para produzi-la no Estado, por meio do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). O acordo – que deve ser tratado em encontro virtual nesta quarta-feira (12) – envolveria ainda a realização de testes no Brasil antes de uma eventual distribuição, que ainda precisariam ser liberados pela Anvisa. Assim, a previsão inicial é que a vacina estivesse disponível no país apenas no segundo semestre de 2021.

Ainda que haja interesse por parte de outros países, o fármaco russo é visto com ceticismo pela comunidade científica. No dia 4 de agosto, Christian Lindmeier, um dos porta-vozes da Organização Mundial da Saúde, ressaltou que a OMS recomenda que todas as etapas de testes sejam concluídas antes que qualquer vacina seja oferecida à população. “Há uma grande diferença entre descobrir ou ter uma pista e possuir de fato uma vacina que funcione e tenha passado por todas as fases (de testes)”, afirmou.

A Reuters listou quatro motivos para considerar a vacina insegura. Confira!

Pesquisa não chegou à fase 3 de testes clínicos

A vacina vem sendo desenvolvida pelo Centro Nacional de Investigação de Epidemiologia e Microbiologia, o Instituto Gamaleya, junto ao Ministério da Defesa. Pouco se ouvia falar sobre ela porque, de fato, a pesquisa russa não está entre as mais avançadas neste momento.

Entre as 165 vacinas em desenvolvimento listadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), seis estão na fase 3 de testes clínicos, a última de um longo processo que envolve testes pré-clínicos e testes em humanos. A vacina russa não é uma delas — acaba de concluir a fase 2.

Cientista realiza teste em laboratório do Instituto Gamaleya (Foto: Reuters)

A vice-primeira-ministra russa, Tatiana Golikova, chegou a dizer que a terceira fase de testes clínicos, com uma amostra de 1,6 mil pessoas, começaria neste mês. Não há, entretanto, uma previsão de quando ela seria concluída.

A fase 3 dos testes clínicos é importante porque demonstra a eficácia da vacina, se ela de fato protege o organismo. A primeira tem como objetivo verificar a segurança — ou seja, se a vacina produz algum tipo de efeito colateral —, e a segunda fase estabelece a imunogenicidade da vacina, verificando qual resposta imunológica ela desperta.

Não se sabem detalhes dos testes já realizados

Além de não ter concluído ainda todas as etapas da pesquisa, a Rússia não divulgou qualquer evidência científica que confirme a eficácia e a segurança da vacina. Aliás, o país não publicou nenhum estudo detalhado sobre as outras etapas do processo até aqui.

Os resultados das fases 1 e 2 dos estudos clínicos da vacina de Oxford, por exemplo, foram divulgados no periódico The Lancet no fim de julho. Algumas semanas antes, os detalhes sobre a fase 1 da vacina desenvolvida pela empresa de biotecnologia Moderna foram publicados no The New England Journal of Medicine.

A Rússia mostrou alguns dos voluntários que participaram do teste
Image captionFases 1 e 2 foram realizadas com pouco mais de 70 voluntários

A falta de transparência da pesquisa russa suscitou uma série de críticas da comunidade científica. Uma delas veio do principal especialista do governo dos Estados Unidos para doenças infecciosas, Anthony Fauci, que questionou os métodos usados pelo país em uma audiência no Congresso americano. “Nós também poderíamos ter uma vacina amanhã. Não seria segura ou eficaz, mas poderíamos ter uma vacina amanhã”, disse.

LEIA MAIS EM NOSSO SITE

Vacina para Covid-19 começa a ser produzida este ano na Fiocruz

Vacina chinesa para Covid-19 começa a ser testada no Brasil

Fiocruz vai produzir vacina para Covid-19

Sem vacina, contaminação em massa pelo coronavírus é inevitável

A amostra de voluntários e o período de testes

Parte dos testes clínicos foi realizada no hospital militar Burdenko, com voluntários das Forças Armadas, o que gerou um receio de que alguns pudessem ter sido pressionados a participar da pesquisa.

Eles tiveram início no dia 17 de junho e reuniram, no total, 76 participantes. As informações fornecidas pela própria pesquisa no portal da OMS falam de 180 dias de avaliação — e, no entanto, a vacina foi registrada em menos de dois meses após o começo dos testes clínicos.

Especialistas temem que o processo tenha sido apressado diante de um desejo do Kremlin de “chegar primeiro” no que tem se desenhado como uma corrida internacional por uma vacina contra a covid-19.

Em abril, Putin chegou a instruir o governo a tomar decisões para simplificar e encurtar o prazo para os ensaios clínicos e pré-clínicos.

Um mês depois, o país noticiava que os próprios cientistas do Instituto Gamaleya haviam se inoculado com algumas doses quando a vacina ainda estava em fase de testes em animais, o que foi duramente criticado pela Associação de Organizadores de Pesquisas Clínicas.

Em julho, Reino Unido, Canadá e EUA acusaram hackers russos de tentarem roubar informações sobre estudos em curso para o desenvolvimento da vacina. O porta-voz do Kremlin negou as acusações na época.

Não se sabe ao certo quanto tempo dura a imunidade

Vladimir Putin
Em abril, Putin chegou a instruir o governo a tomar decisões para simplificar e encurtar o prazo para testes

Sem detalhes sobre os estudos conduzidos na Rússia, não se sabe sobre a segurança e eficácia da vacina e nem sobre a resposta imunológica que ela desperta.

Durante o anúncio do registro da vacina, Putin disse que ela oferece “imunidade sustentável” contra o coronavírus. O ministro da Saúde, Mikhail Murashko, por sua vez, afirmou que a imunidade duraria por dois anos — mas não há evidências científicas nesse sentido.

O fármaco russo é uma vacina de vetor: o material genético do vírus é transportado por um vírus inócuo, que não consegue se reproduzir (chamado de “não replicante”), com o intuito de estimular a produção de anticorpos contra o Sars-CoV-2.

O método é semelhante ao aplicado pela vacina de Oxford. Assim, caso o organismo fosse atacado, ele estaria preparado para combater o novo coronavírus. A duração da imunidade é importante porque ela determina por quanto tempo a “memória” desses anticorpos permanece ativa e capaz de debelar novas infecções.

Da Reuters, com Redação

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais