Alerta para a saúde das crianças no verão

Dermatologistas dão dicas para proteger de queimaduras e doenças da pele, cabelos e unhas mais comuns nesta época do ano

Redação

Verão e férias escolares. A combinação é perfeita para atividades e brincadeiras ao ar livre, seja na praia, no parque, na piscina ou até mesmo no campo. A diversão e o tempo livre devem ser aproveitados, mas sem descuidar da proteção contra os raios ultravioleta, mais fortes e constantes nessa época do ano.

Evitar o sol das 10h às 16h e reforçar a fotoproteção dos pequenos são atitudes importantes para evitar queimaduras, que de imediato trazem vermelhidão, ardência e dor, mas que, ao longo do tempo, também aumentam as chances de câncer e de envelhecimento da pele.

De acordo com Rafaella Caruso Matos, dermatologista do Hospital Santa Catarina, o recomendado é utilizar protetor solar com fator no mínimo 30 nas crianças a partir dos seis meses de vida, além de roupas, chapéus e sombras, que funcionam como barreiras físicas ao sol.

“A queimadura solar na infância está relacionada a uma maior chance de desenvolvimento de melanoma na idade adulta. Para evitar queimaduras solares é imprescindível o uso do protetor, que deve ser reaplicado a cada duas horas ou após sudorese intensa e mergulhos”, afirma.

No caso dos bebês, a exposição solar direta deve ser evitada. E para saber se o sol está muito forte, a dermatologista dá uma dica: “avalie a sua própria sombra. Se a sombra formada pelo seu corpo no chão for menor que sua altura, não se exponha”.

Segundo a médica, nos meses mais quentes do ano, entre dezembro e fevereiro, aumentam levemente (cerca de 10%) os atendimentos a crianças com casos relacionados à pele. “Há muitos episódios de alergias (dermatites de contato), uma piora dos quadros de dermatite atópica, ressecamento e alguns tipos de micoses”, conta.

Se, mesmo assim, ainda houver abusos e acontecer uma insolação, a especialista recomenda hidratação via oral (consumo de líquidos) e da pele, com cremes e loções, além do uso de roupas leves. “Em casos mais graves, com queimaduras extensas, os pais devem procurar um dermatologista, pois podem ser necessárias medicações específicas”.

Líquidos são sempre bem-vindos no verão, por isso não espere a criança pedir água. Sucos, chás e água de coco são boas opções para ter à mão durante os passeios. “Hidratação e alimentação saudável são essenciais para manter um equilíbrio na saúde como um todo”, conclui.

Doenças típicas do verão para a criançada

Durante o verão, as crianças costumam intensificar as atividades ao ar livre, ficam mais expostas ao sol e visitam locais com aglomeração de pessoas, desencadeando algumas doenças da pele, cabelos e unhas. Por isso, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda que os pais/responsáveis levem seus filhos ao dermatologista para avaliação clínica e proteção antes de voltarem à rotina escolar.
“É sempre importante redobrar a atenção e cuidados com as crianças no retorno às aulas. Muitas voltam das férias com doenças que podem ser transmitidas durante o contato com as outras crianças em escolas e creches”, comenta a dermatologista Ana Mósca, coordenadora do Departamento de Dermatologia Pediátrica da SBD. A médica explica que uma forma de não ter contágio de doenças é evitar o compartilhamento de toalhas, escovas de cabelo, água de banho e roupas.
Conheça as principais doenças da pele, cabelos e unhas que acometem as crianças e como preveni-las.

Doenças contagiosas:

Pediculose (piolho)
Conhecida popularmente como piolho, é uma doença parasitária causada por insetos sugadores de sangue que vivem e se reproduzem na superfície da pele e dos pelos. A transmissão da doença ocorre por contato direto e os sintomas são coceiras que podem provocar ferimentos. Para prevenir, é necessário evitar o compartilhamento de escovas, roupas, bonés, toalhas e contato direto com o cabelo das crianças infestadas. Outra dica é não ir com o cabelo molhado para a escola, porque a umidade favorece a proliferação do inseto.
Molusco
É uma infecção comum, causada por vírus. Se confunde com pequenas espinhas, cravos ou bolinha branca de gordura e pode se espalhar. O contato direto é a forma de contágio mais comum para esse tipo de infecção. Uma dica é evitar coçar e mexer nas lesões. Recomenda-se que os responsáveis procurem um dermatologista para tratar com medicamentos ou remover as lesões.
Impetigo
É uma infecção bacteriana superficial, altamente contagiosa e muito comum na face ou extremidades da pele de crianças. O verão é a estação propícia para o desenvolvimento da doença, uma vez que o calor e a umidade favorecem a instalação e o desenvolvimento dos agentes infecciosos. Também pode ocorrer após picadas de inseto, ferimentos superficiais (arranhões e pequenos cortes) ou como infecção secundária aos quadros de dermatite ou alergia a picada de inseto. Causa crostas e, por vezes, bolhas. Para prevenção é preciso manter a pele limpa e evitar “coçar” as lesões.
Micoses
São infecções causadas por fungos que atingem a pele, as unhas e o cabelo. A transpiração, o calor e a umidade são alguns fatores que favorecem o surgimento das micoses superficiais. Uma boa higiene é fundamental para não aparecer as micoses oportunistas. Ficar de olho na criançada que gosta de “se virar sozinha” na hora do banho é imprescindível para a prevenção.
Escabiose (sarna)
É uma parasitose no qual o contágio se dá somente entre humanos, por contato direto com pessoas ou roupas e outros objetos contaminados. As principais lesões na pele são pequenas crostas isoladas ou formando túneis e, nas suas extremidades, pequenas vesículas que coçam, principalmente à noite. Em geral outros membros da família também são acometidos. Importante: animais como gato e cachorro não transmitem a sarna humana.
Verrugas
São proliferações benignas da pele causadas pelo papilomavírus humano (HPV). Seu aspecto varia de acordo com o local acometido. Costumam se apresentar sem sintomas. Porém, não é anormal que, ocasionalmente, haja sangramento ou dor. Frequentemente são vegetantes (aspecto de couve-flor), ásperas, da cor da pele, mas também podem ser planas, macias e escuras. As lesões clínicas decorrentes da infecção pelo HPV podem se apresentar de diferentes formas. Para prevenir a transmissão, evitar o contato com pessoas ou objetos infectados.

Doenças não contagiosas:

Pitiríase versicolor (pano branco)
Popularmente chamada de “pano branco”, é um tipo de micose oportunista causada por uma levedura e comum nos climas quentes e úmidos. São manchas brancas que descamam, especialmente nas áreas muito oleosas do corpo e no couro cabeludo. Geralmente, o indivíduo já tem a doença, e quando se bronzeia, nota essa característica de manchas arredondadas ou ovais, ou muitas vezes de aspecto geográfico, esbranquiçadas e menos comumente rosadas. A família deve ficar atenta aos sintomas na criança e procurar um dermatologista para cuidados.
Brotoeja
São bolinhas de água e/ou vermelhas que podem apresentar coceira. Aparece com maior frequência no verão ou em situações que elevem a temperatura. Excesso de roupas, suor e febre alta podem ser fatores desencadeantes. Para prevenção, o ideal é manter as crianças em ambientes frescos e arejados.
Hiperidrose
A hiperidrose nada mais é do que uma a produção excessiva de suor. Durante o verão, por conta das férias e atividades ao ar livre, é muito comum o aparecimento dessa condição nas crianças. A desidratação é o principal sintoma, então é aconselhável que os responsáveis pelas crianças fiquem atentos ao oferecimento frequente de líquidos para ingestão.
Alergia
Doença comum em meninas que utilizam maquiagem e esmalte de adulto ou pintam os cabelos para irem às aulas. Isso porque a pele da criança tende a ser mais fina e porosa, sendo assim absorve mais as substâncias químicas dos produtos, com maior risco de reações alérgicas graves. Por isso, a SBD recomenda que crianças utilizem apenas produtos infantis e específicos para a sua faixa etária. A tintura ou descoloramento dos cabelos das crianças é outro motivo das alergias. Nesse caso, a SBD não recomenda nenhum tipo de tintura.
Com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.