Dia do Pão: o tradicional francês é o preferido dos cariocas

Grande Rio consome mais de 50 mil toneladas deste alimento ao ano: 73% preferem o pão francês

pao-frances

Quem resiste a um pão francês fresquinho, saindo quentinho do forno? Na padaria da rede Qually ou no Superprix aqui pertinho de casa são fornadas de pãozinho quentinho e saboroso. Difícil seguir à risca a dieta do pão integral, o mais indicado por nove entre dez nutricionistas! Pois como se tem data para tudo no calendário da saúde e da alimentação, nesta segunda-feira, dia 16 de outubro, é comemorado mundialmente o Dia do Pão, um dos alimentos mais antigos que conhecemos e também o vilão de muitas dietas. A data coincide com o Dia Mundial da Alimentação, também celebrado em 16 de outubro.

No Brasil, as versões industrializadas de pão têm conquistado mercado por sua praticidade e tempo maior de vida útil e já estão presentes em 73,6% dos lares do país.  Entre tantas opções disponíveis nos pontos de venda, você sabe qual o tipo mais consumido entre os cariocas? De acordo com uma pesquisa realizada pela Kantar WorldPanel, encomendada pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), das 50,2 mil toneladas do consumo total da categoria em 2016 na Grande Rio de Janeiro, 73,4% foram do tipo tradicional/branco. Em segundo lugar ficaram os integrais, com 10,2%, seguidos pelos de grãos, com 3,3%.

Claudio Zanão, presidente-executivo da Abimapi, explica que além de estar inserido em nossa cultura alimentar, especialmente no café da manhã e nos lanches da tarde, o pão é uma opção prática, saborosa e nutritiva: contém carboidratos, proteína, fibras e gorduras boas.  “Com o objetivo de atender os mais diversos públicos, os fabricantes estão sempre se atualizando e inovando seus produtos. A nova geração de consumidores, que está cada vez mais informada, consciente, exigente e atenta às questões que envolvem saúde, bem-estar e praticidade, trouxe diversos desafios à indústria alimentícia. Neste cenário, especificamente os pães puderam ampliar seu espaço nas gôndolas com novas linhas voltadas às questões de saudabilidade”, diz.

A região concentra 11,4% do total nacional de 440,7 mil toneladas. No ranking de compras do segmento apresentado pela consultoria, aparecem: Grande São Paulo (20,6%), Sul (19,5%), Leste e Interior do Rio de Janeiro (17,5%), Interior de São Paulo (17,1%), Grande Rio de Janeiro, Norte e Nordeste (7,6%) e, por fim, Centro-Oeste(6,3%).

O estudo analisou durante o último ano uma mostra de 11.300 lares que representam um universo de 53 milhões de famílias espalhadas por sete macrorregiões brasileiras. Para acessar informações sobre as demais localidades e respectivos hábitos de consumo, clique aqui.

Dia Mundial da Alimentação: Você presta atenção no que come?

O nosso corpo fala. Por isso, só precisamos estar alertas para os diversos sinais que ele produz. Mais de 80% das reações imunológicas que têm sua origem no intestino garantem uma barreira quase intransponível contra bactérias, vírus e outros agentes patogênicos, incluindo as proteínas de certos alimentos que podem ser reconhecidas como substâncias estranhas pelo organismo.  Porém, quando essas proteínas passam pelas paredes do intestino podem ocorrer respostas imunológicas repetitivas pela exposição a certos alimentos. É o que chamamos de Intolerância Alimentar.

Arroz, trigo, milho e cevada – por que consumi-los?

Os grãos fazem parte da nossa alimentação há milhares de anos e têm um papel muito importante dentro da dieta. São a semente do cereal e entre eles estão o arroz, o milho, o trigo, a aveia, o centeio e a cevada. Por serem fontes de carboidrato, têm como principal papel fornecer energia para o organismo. Além disso, possuem proteínas, lipídios, minerais e fibras.

Os grãos podem ser consumidos cozidos inteiros ou por meio de seus derivados, como a farinha, que pode ser refinada – feita apenas da parte interna do grão, ou integral – com o grão completo. As farinhas dão forma a grande parte dos produtos que são fontes de carboidratos – pães, bolos, massas, tortas e bebidas como a cerveja.

Os grãos e seus derivados são a principal fonte de energia e, quando consumidos com alimentos fontes de proteínas e gorduras boas, compõem uma alimentação saudável. O pão feito de trigo, centeio, cevada e milho pode ser consumido no café da manhã ou nos lanches intermediários, acompanhado de frios magros, leite e derivados desnatados e frutas frescas ou secas.

A nutricionista Beatriz Botequio, da Equilibrium Consultoria e consultora do Sabe Portal, cita os quatro benefícios do consumo de grãos:

1 – Mais energia: o carboidrato é a principal fonte de energia para o organismo e fornecedor de glicose para o cérebro exercer as suas funções.

2 – Menor risco de doenças do coração: por serem fontes de fibras, o consumo de grãos integrais pode contribuir para a saúde do coração.

3 – Aliado contra o diabetes: estudos apontam que a ingestão de fibra insolúvel, encontrada no grão integral, está associada a menor risco de diabetes tipo 2.

4 – Favorece a saúde intestinal: as fibras também são aliadas do intestino, pois ajudam a melhorar a formação e eliminação das fezes.

EUROIMMUN, laboratório especializado em doenças autoimunes, oferece testes que não identificam anticorpos da classe IgE (alergia tipo I – alergia clássica), mas a produção de IgG contra determinada proteína ou alimento. O teste não substitui o diagnóstico e a clínica médica, mas orienta uma dieta mais eficaz para seu organismo. O laboratório listou oito sinais que o seu corpo pode dar e indicar que você precisa procurar um médico.

  1. Vai ao banheiro com muita frequência
  2. Dores musculares crônicas
  3. O café causa muita agitação
  4. Enxaqueca ou dores de cabeça forte após as refeições
  5. Cansaço após horas de sono
  6. Cansado ou com preguiça após comer
  7. Dores no estômago após as refeições
  8. Pele áspera e com feridas

Sete dicas para armazenar corretamente o pão de forma

Aliados da praticidade e saudabilidade, atualmente os pães de forma ganham cada vez mais espaço nos lares brasileiros, seja para o consumo durante o café da manhã, lanche da tarde, ou até mesmo para elaboração de receitas para o almoço e jantar. Mas não há nada mais desagradável do que ter vontade de comer um pão fresquinho e encontrá-lo ressecado ou todo embolorado. A consultora em nutrição da Abimapi, Beatriz Botéquio, separou sete dicas de como armazenar corretamente para conservar o pão de forma por mais tempo.

  1. Nunca deixe a embalagem do pão aberta;
  2. Fechar bem o pacote com o arame bem rente ao pão toda vez que usar;
  3. Guardar em lugares limpos, secos e arejados, longe de produtos de limpeza ou odores fortes;
  4. Não guardar o pão dentro ou em cima do micro-ondas, pois o calor prejudica a conservação e a qualidade do produto;
  5. Evite a exposição ao ar, sol direto ou calor de lâmpadas;
  6. Guardado na geladeira é possível conservá-lo por mais tempo. Mantenha-o na parte menos úmida e longe de gotas d`água;
  7. Também pode congelar: colocar a embalagem bem fechada no freezer e verifique sempre se não há umidade. Outra opção é congelar em porções individuais para evitar que o pão seja retirado e recolocado várias vezes;

Beatriz alerta que na hora da compra o consumidor deve observar se o pão está exposto em uma gôndola arejada e fresca, longe de produtos que exalem odores fortes. O prazo de validade também deve ser conferido. Após a compra, não deixe o pão dentro do carro por muito tempo, em especial nos dias quentes, pois a umidade e o calor podem prejudicar sua validade.

Fonte: Da Redação, com assessorias

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais