Diagnóstico de câncer infantojuvenil mais rápido no Rio

Projeto Unidos pela Cura acelera atendimento a vítimas da doença entre 0 e 18 anos: 90% dos casos são encaminhados em até 72 horas a hospitais especializados

Redação

Quanto antes diagnosticada a doença, mais chances o paciente tem de ser curado. Essa frase é conhecida quando o câncer é o assunto em questão. Porém, quando falamos de câncer na faixa etária de 0 a 18 anos, a pressa é ainda maior, já que quanto mais jovem, mais rápido a doença pode se desenvolver.

Atualmente, o câncer é a 1ª causa de morte por doença infantojuvenil no Brasil, com aproximadamente 12.500 novos casos por ano no país, sendo 630 no Estado do Rio e 250 no município, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Por isso, cada vez mais, médicos e unidades de atenção primária (postos de saúde e clínicas da família) do Rio devem estar orientados a suspeitar de casos de câncer e encaminhar os pacientes mais rapidamente para o diagnóstico. (Veja no vídeo acima como os profissionais de saúde são orientados a suspeitar do câncer ao atender crianças e jovens nos postos de saúde).

Entre 2009 e 2018, 90% das 1.564 crianças e adolescentes encaminhados com suspeita de câncer tiveram a consulta agendada em até 72 horas em hospitais especializados. Esse prazo de encaminhamento já chegou a ser de mais de 60 dias entre os primeiros sintomas e o diagnóstico, segundo estudo da Fiocruz de janeiro de 2005.

Entre os 1.564 pacientes encaminhados para hospitais, 220 tiveram diagnóstico de neoplasias, sendo 150 com câncer. E 436 pacientes tiveram outros diagnósticos pediátricos fechados, mostrando que os dados do boletim também traçam um panorama macro da saúde da criança e do adolescente, apontando outras doenças que acometem a faixa etária de 0 a 18 anos.

É o que mostram os dados de um levantamento do  Instituto Desiderata, que trabalha há 15 anos para mudar a realidade do câncer infantojuvenil no Rio de Janeiro. A instituição oferece um projeto de capacitação de profissionais que permite o diagnóstico mais rápido da doença. 

O Boletim Informativo do Unidos pela Cura traz números e dados consolidados, assim como os principais resultados alcançados por esta iniciativa no município. , antes da implementação do fluxo criado pelo projeto para acelerar o atendimento.

Ampliação para todo o Estado do Rio

Para o Desiderata, o avanço representa a efetivação do compromisso do Unidos pela Cura (UPC) com a chegada precoce aos centros de diagnóstico e tratamento que integram o SUS – Sistema Único de Saúde no Rio de Janeiro: Inca, HemoRio, IPPMG (Fundão), HFSE (Hospital Federal dos Servidores do Estado), Hospital Federal das Lagoa e Hospital Municipal Jesus.

A estratégia do Instituto Desiderata para 2019-2020 é contribuir ainda mais para esse avanço, monitorando a implantação do Plano Estadual de Atenção Oncológica e a ampliando a capacitação de profissionais de saúde para a identificação dos sinais e sintomas do câncer em crianças e adolescentes.

Nos próximos dois anos, mais 1.600 profissionais da Estratégia Saúde da Família serão capacitados em todo o Estado do Rio de Janeiro e se somarão ao total de 3.632 que já receberam a capacitação na Atenção Primária”, anuncia Roberta Costa Marques, diretora geral do Instituto Desiderata. “Isso representa a ampliação da atuação do Instituto Desiderata para todo o estado.” 

A iniciativa do Desiderata conta com a parceria da Prefeitura do Rio, Governo do Estado, Governo Federal, hospitais especializados e outras organizações do setor.

Clique aqui e assista ao vídeo do Unidos Pela Cura

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.