Dicas para cuidar bem da saúde bucal durante a pandemia

Falta de higiene bucal pode agravar doenças como diabetes e AVC. Veja algumas recomendações para evitar a ida ao dentista

Rosayne Macedo
Alem de prevenir o novo coronavírus, escovar os dentes pode evitar até AVC (Foto: Reprodução de internet)

O primeiro caso de coronavírus no mundo surgiu em novembro de 2019. No Brasil, a epidemia chegou em março e fez a população entrar em quarentena. A Covid-19 vem de uma grande família de vírus que causam desde resfriados comuns até pneumonias com sintomas mais graves. Entre os vários meios de prevenção, a higiene das mãos é o mais recomendado pelos especialistas, contudo, os cuidados com a saúde bucal são aliados importantes para evitar a propagação da doença.

Atualmente existe um consenso de que não há saúde sem saúde oral e que precisamos cuidar da nossa boca para prevenir doenças, inclusive o coronavírus.  Além de cautela e higiene com as mãos e os braços, os dentes devem ganhar atenção redobrada neste momento. Cuidar da higiene bucal é tão importante quanto lavar bem as mãos para prevenção da contaminação do novo coronavírus. A regra vale para quem está no isolamento social e para profissionais cujas atividades não pararam e são essenciais, como os da construção civil.

Sabemos que a contaminação pode ocorrer através de gotículas de saliva, espirro ou tosse, e por contato com superfícies contaminadas. Além de evitar qualquer tipo de contato, como apertos de mãos e abraços, devemos manter os devidos cuidados com a saúde bucal “, explica o dentista Jefferson Podesta Brandão, gerente de Odontologia do Seconci-SP (Serviço Social da Construção Civil). 

O contágio é feito principalmente por vias respiratórias, pelo ar e também por gotículas que vem com o espirro e a tosse, por exemplo. Nossa boca pode acabar se tornando um dos maiores transmissores do vírus, então neste momento os cuidados com a saúde bucal permanecem os mesmos, mas devem ser reforçados”, explica a cirurgiã dentista Edrielle Santana, consultora técnica da GOU Odonto.

Recomendações para a proteção da saúde bucal

 Fábio Sato, formado em Odontologia, deu algumas dicas, que estão de acordo com as recomendações do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp) , para proteção da saúde bucal. Veja:

• É importante manter a higiene diária, com creme dental que possui flúor e escovas de cerdas macias para alcançar até os pequenos lugares da boca, assim, além de evitar cáries, gengivite e outras doenças inflamatórias, que podem favorecer a infecção pelo COVID-19;

• A limpeza em dias normais, devem acontecer ao menos três vezes por dia, de manhã ao acordar, após o almoço e antes de dormir. Mas, no momento, para reforçar ainda mais os hábitos de higiene bucal, o mais indicado é que ocorra após todas as refeições e se possível acompanhado de enxaguante bucal com antisséptico;

• Os fios dentais são extremamente essenciais, pois eles são responsáveis por eliminar resíduos e bactérias de regiões em que as cerdas das escovas não são efetivas na limpeza;

• Uma das formas de contaminação do novo coronavírus, ocorre pelas gotículas de saliva, logo, se alguém na sua residência apresentar os sintomas, o uso de pasta de dentes, sabonetes e até toalhas de rostos, devem ser individualizados, inclusive é indicado não deixar as escovas no mesmo ambiente;

• Antes de fazer qualquer higienização bucal, é necessário lavar as mãos com água e sabão, até metade do pulso, por cerca de 30 segundo. O principal é lavar bem entre os dedos e as unhas, locais onde mais se concentra bactérias e vírus;

• Certifique-se de não colocar as mãos ou outros objetos na boca, nariz e olhos pois estudos já comprovaram que o novo coronavírus pode sobreviver até três dias nas superfícies, onde tocamos constantemente.

• Por último, redobre a limpeza de sua casa e seus objetos pessoais, incluindo escovas de dentes, toalhas, pentes e outros objetos do seu cotidiano.

“Seguindo todas essas recomendações, todos nós ficaremos mais seguros e vamos proteger outras pessoas. Juntos podemos passar por essa situação”, finaliza o cirurgião-dentista.

Cuidados com a saúde bucal em tempos de pandemia

Confira as dicas que a cirurgiã dentista Edrielle Santana separou para reforçar os cuidados com sua saúde bucal.

1 – Lave as mãos antes da escovação e do uso do fio dental: as mãos estão sempre em contato com todo tipo de superfície e é um dos meios de transmissão do vírus. A cirurgiã dentista indica sempre lavá-las antes e depois da escovação e do uso do fio.

2 – Higienize frequentemente a escova de dente: ela é uma fonte de diversas bactérias e fazer a limpeza regularmente evita a proliferação dessas doenças. Se possível, limpar o cabo ao menos duas vezes na semana com álcool e, para a limpeza das cerdas, uma boa dica são as pastilhas efervescentes usadas para limpeza de contenções e próteses em geral ou enxaguante bucal. Aliado a isso, continua valendo a regra de trocar a escova de dente a cada três meses ou, se apresentar algum sintoma, ela deve ser trocada assim que for confirmado que a pessoa está livre do vírus.

3 – Enxaguante bucal não mata o vírus: além de não evitar o contágio da Covid-19, o uso exagerado pode ter efeitos maléficos, como a perda do paladar. Segundo a Dra. Edrielle, o ideal é usar o enxaguante bucal de acordo com a recomendação do dentista para evitar problemas.

4 – Ir ao dentista apenas em caso de urgência: devido às recomendações de quarentena, alguns consultórios estão priorizando os atendimentos de urgência, conforme orientado pelo Conselho Federal de Odontologia, Ministério da Saúde e Anvisa. Alguns dos procedimentos que se encaixam como urgência são quebra de dentes, dores constantes e sangramentos. Edrielle salienta que se estiver com alguns desses problemas, não hesite em procurar um dentista.

5 – Evite beijos: o sentido da quarentena é o distanciamento ou isolamento social, onde o contato físico deve ser evitado ao máximo. Sabemos que um dos principais transmissores do novo coronavírus é a boca, então por mais difícil que possa parecer, evitar beijos e abraços é necessário. É recomendável que o casal durma até em camas separadas caso algum dos dois apresente os sintomas. Dessa maneira, se evita a propagação do vírus e garante um lar seguro para todos.

O que fazer para evitar a contaminação pelo vírus

Jefferson Podesta Brandão, gerente de Odontologia do Seconci-SP (Serviço Social da Construção Civil).  relevante tomar medidas de higiene e desinfecção e contribuir para a diminuição da transmissão do vírus.

  1. Olha a mão na boca

Em tempos de coronavírus, um dos cuidados mais importantes é não colocar a mão no rosto, principalmente na boca, pois as mãos estão em contato constante com várias superfícies diferentes, que podem estar contaminadas. Boca, nariz ou olhos são vias de entrada para o corpo e, assim, para o vírus. Evite esse hábito e lave sempre as mãos, com água e sabão.

Uma escova para cada um

Nunca empreste a escova de dente a outras pessoas, mesmo a membros da mesma família. As escovas de dentes, de preferência, devem ser trocadas após a pessoa contrair uma infecção e também quando as suas cerdas começarem a se deformar.

Novos hábitos

Em casa, as pessoas tendem a assumir uma alimentação mais irregular e, por isso, o hábito de escovar os dentes deve ser intensificado. Assim como lavar as mãos com água em sabão, é fundamental fazer uma escovação criteriosa, usando fio dental e o antisséptico bucal, sempre após as refeições mais importantes. Desta maneira, diminui-se o crescimento de microrganismos na boca, que podem desenvolver um processo infeccioso e causar queda na imunidade.

Armanezamento correto

Após o uso, é importante passar a escova em água corrente, retirar o excesso de água e borrifar antisséptico bucal nas cerdas antes de guardar. O armazenamento deve ser feito em um porta-escova fechado no banheiro ou no porta-escova portátil. Estes dispositivos também devem ser sempre limpos após o uso. Tubos de pasta de dentes e caixas de fio dental precisam estar sempre bem guardados.

Banheiro limpinho

Durante o período de quarentena e de pandemia do novo coronavírus, a limpeza do banheiro deve ser frequente em casa, com água sanitária e desinfetante. Ainda assim, sempre feche a tampa do vaso sanitário ao acionar a válvula de descarga para evitar qualquer tipo de contaminação nesses locais. “Nos canteiros de obra, o Seconci-SP orienta as empresas a disponibilizarem álcool gel 70% aos trabalhadores, manter lavatórios abastecidos com sabão, além de higienizar leitores de biometria e catracas”, afirma.

Atitudes simples que podem prevenir as consultas a consultórios

O odontólogo Edmilson Pelarigo, diretor clínico da OrthoDontic, rede de clínicas de ortodontia, afirma que simples atitudes fazem a diferença na saúde bucal e previnem a necessidade de consultas de emergência neste momento. Confira a seguir algumas dicas sobre cuidados com a boca e os dentes:

1-Não descuidar do básico

Em um momento em que as pessoas ainda estão lidando com as mudanças e se adaptando à nova rotina, elas podem deixar ou até mesmo esquecer de seguir os cuidados diários e essenciais: a escovação correta, três vezes ao dia, e o uso do fio dental.

2-Alimentar-se corretamente   

Aliada à escovação e ao uso do fio dental, uma dieta saudável e a diminuição do açúcar ajudam também na prevenção a cáries. Quem sofre de retração ou trauma gengival e raiz exposta deve evitar principalmente os alimentos ácidos.

3-Não utilizar remédios caseiros

Não há recomendação para que se faça a utilização de remédios caseiros, principalmente porque eventualmente podem causar problemas ainda maiores. Outra questão é a automedicação. Independentemente do motivo – sintomas de gripe ou dor no dente –, tomar remédios sem orientação profissional não é recomendável.

4-Evitar traumas

Pode parecer óbvio, mas neste momento de tensão e ansiedade em que todos vivemos, é importante cuidar do “apertamento” do maxilar, conhecido também como ranger dos dentes, que pode ocasionar dores e traumas nos canais.

5-Casos de emergência

Uma situação de dor pulsante ou fratura no dente não pode ser deixada para depois. Na OrthoDontic, que mesmo em regime de home office estão de plantão, respondendo às perguntas dos clientes pelos canais de atendimento online da rede. Em caso de urgência, o paciente receberá atendimento exclusivo, na própria clínica, um ambiente esterilizado e seguro para todos.

O que fazer para evitar tocar a mão no rosto

Sabemos que com a pandemia devemos ter o dobro de cuidados com a nossa higiene pessoal, e isso também inclui a região bucal, que é um dos locais de maior risco de contaminação, principalmente porque temos o costume de colocar a mão no rosto diversas vezes no dia. O cirurgião dentista  Gustavo Menegucci  destaca que é necessário estar atento à saúde bucal para prevenir o contágio. “Problemas bucais podem contribuir para a debilitação da imunidade já que na boca existem milhares de bactérias que podem causar infecções e debilitar o sistema imune”, aponta.

Além disso, é na boca que aparecem os primeiros sinais de que o sistema imunológico não está bem. Aftas, amigdalite, herpes e inflamações gengivais e periodontais são frequentes quando esse sistema está enfraquecido. “Além de cobrir a boca, é necessário cuidar de toda a higiene bucal para que o vírus não encontre facilidade para adentrar o organismo”, recomenda Menegucci. Ele aponta a importância de cuidar para não levar a mão à boca e não se deixar vencer por tiques e manias involuntárias.

Já dizia o grande sábio Confúcio, há 1400 anos atrás, que a boca é a porta de entrada de quase todas as doenças. Sabemos que no fim do século XIX, focos de infecção odontológica já eram relacionados com o início e progressão de várias doenças inflamatórias. Tocar o rosto com as mãos constantemente e levar mãos e objetos à boca, sucumbindo a tiques involuntários é um convite a todos os vírus e bactérias para entrarem no seu corpo”, ressalta.

Para ajudar você a se prevenir de infecções e doenças como o coronavírus, controlando a sua ansiedade e melhorando a higiene bucal e pessoal, o Dr. Menegucci traz alguns conselhos úteis que farão a diferença. Confira:

1- Tenha um objeto em mãos

Se mantiver as mãos ocupadas, é menos provável que insista no hábito de tocar o rosto. Para controlar a sua ansiedade e manter as mãos ocupadas uma boa solução pode ser uma bolinha anti-estresse, por exemplo.

Se tem por costume tocar no rosto enquanto está a raciocinar sobre alguma coisa no seu local de trabalho, tente habituar-se antes a mexer no relógio, num anel ou num elástico para o cabelo que tenha em redor do pulso.

2- Esfregue as mãos

Outro truque pode ser esfregar as mãos se elas estiverem paradas ou colocá-las no bolso até que necessite delas para voltar ao trabalho. Mas não se esqueça de lavar regularmente e desinfetar qualquer um destes objetos.

3- Lave as mãos com sabonetes aromatizados

Para assumir o controle de vez e parar de levar a mão ao rosto e próximo da boca é preciso detectar a origem desta mania. Para isso, experimente usar sabonetes com cheiros intensos para lavar as mãos. Assim, é mais provável que se aperceba da proximidade das suas mãos ao rosto de cada vez que as movimenta em direção à cara.

4- Cobrir as unhas com verniz azedo ou pimenta

Esta tática é um pouco mais radical, mas costuma ser aplicada com sucesso em crianças e adultos. Cubra as unhas com um verniz azedo ou com extrato suave de pimenta. A tarefa de não tocar no rosto, sobretudo nas mucosas, pode ser especialmente difícil para quem tem o hábito de roer as unhas.

Caso esta técnica ancestral não funcione, usar luvas. Esta última opção pode ser boa porque, ao tocar com o tecido em qualquer outra parte do rosto, isso travará o movimento.

Com Assessorias