Dicas para evitar comer muito nas festas de fim de ano

Médico endocrinologista e nutricionista ortomolecular recomendam formas de evitar o ganho de peso causado pelo exagero nas comemorações

Redação

O final do ano é uma época que produz sentimentos contraditórios naqueles que perderam ou desejam perder os quilos a mais. Ao terminar um ciclo é comum que se iniciem projetos e que se façam balanços do que foi alcançado com sucesso. Nestes momentos, costuma-se sentir euforia pelo que virá e alegria pelo que já veio. Ao mesmo tempo, a simples alusão às ceias de Natal e réveillon são suficientes para que o medo e a insegurança tomem conta de quem emagreceu ou almeja emagrecer, já que aumentam as chances de colocar tudo a perder comendo em demasia alguma gulodice.

Para o médico endocrinologista Rodrigo Bomeny, o receio tem sua razão de ser. O médico relata que existem diversos estudos científicos mostrando que o ganho de peso da população ocorre em forma similar a uma escada. “As pessoas ganham alguns quilos e depois não conseguem perder totalmente o peso que adquiriram”, explica. Segundo o especialista em emagrecimento, ocasiões como festas de fim de ano são propícias para a obtenção de quilos extras, por isso devem ser planejadas com muito cuidado por quem está em processo de emagrecimento.

Bomeny sugere algumas recomendações a respeito de como se planejar para as festas e confraternizações do final de ano com o intuito de não se exceder na alimentação e ganhar peso indesejado. Conforme o médico endocrinologista, guloseimas natalinas e de réveillon fazem parte de uma tradição, sendo natural e compreensível a vontade de comê-las quando essas festas típicas chegam.

Nesse sentido, recomenda que as pessoas não tentem fazer dietas com muitas restrições nessa época do ano, pois a frustração acarretada pode surtir o efeito contrário. Segundo o especialista em emagrecimento, comer aquele panetone ou doce deve ser encarado como uma exceção na dieta, evitando sentir culpa por isso.

Abrir uma exceção não significa, contudo, comer desmesuradamente. A moderação é indicada. “Se você comer pequenas quantidades, o impacto no seu peso será irrisório”, afirma Bomeny. Obviamente, não se trata de tarefa das mais fáceis, desse modo, o médico endocrinologista disponibiliza algumas dicas para atravessar esse período sem grandes problemas.

Se há algum alimento sobre o qual não tem controle, sempre sendo estimulado a comer mais e mais, simplesmente não o coma”, sugere inicialmente o médico. Para driblar a vontade, Bomeny orienta que a pessoa consuma outros alimentos com nível de sabor semelhante, mas que não sejam tão tentadores.

Àqueles que vão passar as festividades de final de ano na casa de outras pessoas, Bomeny aconselha avaliar o que será servido na ceia, para se preparar emocionalmente e conseguir escolher melhor os alimentos a serem consumidos. Se isso não for possível, e a ceia for um “tiro no escuro”, o médico endocrinologista recomenda uma alimentação antes de ir à confraternização.

Façam uma refeição rica em proteínas para ficarem saciados. Assim, na hora da festa, frente a guloseimas, serão guiados apenas pela vontade, e comerão menos desses alimentos. Se o anfitrião insistir para que provem determinado alimento engordativo, não se sintam obrigados a aceitar”, alerta Bomeny.

De acordo com o especialista em emagrecimento, é importante saber dizer não nessas horas. Na hipótese de o prato ter sido feito especialmente para você, o médico endocrinologista orienta: aceite, mas prove uma porção pequena, apenas para não fazer uma desfeita. Diante da insistência para que repita ou coma mais, novamente, é importante manter-se firme em seu posicionamento e recusar.

Ajustar o ambiente é mais uma recomendação trazida por Bomeny. Durante a festa, o especialista em emagrecimento recomenda não ficar ao redor da mesa beliscando os alimentos. “Na hora de comer, faça seu prato com muita proteína, coma a salada, e só depois escolha os alimentos que não favorecem a perda de peso. Nesse momento, você já estará saciado e consumirá pouca quantidade “, sugere.

Ao final da festa, caso a confraternização tenha sido em sua residência, a orientação é de que as pessoas se desfaçam dos doces, panetones e demais guloseimas trazidas pelos convidados. “A melhor estratégia é oferecê-los a alguém. A partir desse momento, você controlará melhor o seu ambiente e o comportamento de não mais comê-los ficará estabelecido”, destaca.

As duas últimas dicas sugeridas por Bomeny não estão relacionadas ao ato de comer menos de alimentos engordativos, mas são igualmente importantes para quem não deseja ganhar quilos a mais durante as festividades de final de ano. A primeira delas é maneirar na ingestão de bebida alcoólica. “Tenha muito ou pouco carboidrato, o álcool é uma forma de energia pura, sem proteína e sem nutrientes. Logo, quem quer emagrecer ou manter o peso perdido, deve ficar atento a isso”, alerta.

A outra dica refere-se ao controle do peso. De acordo com o especialista em emagrecimento, nesses momentos com maior probabilidade de ganhar alguns quilos, como as confraternizações de Natal e Ano Novo, pesar-se com frequência pode ser um grande aliado. “Trata-se de uma maneira de visualizar em tempo real as consequências de seus atos e tomar medidas para contornar a situação”, diz.

As dicas oferecidas pelo especialista estão presentes no Você+, método de acompanhamento multidisciplinar desenvolvido por Bomeny que foca no desenvolvimento de 5 níveis considerados essenciais para a mudança do estilo de vida e emagrecimento.                                           

E para quem já perdeu peso, nada de exageros

Para quem está firme na dieta, mas também não quer passar vontade na hora da ceia, a boa notícia é que a estratégia “equilíbrio” continua sendo a melhor para não causar grandes impactos na saúde e na balança. É o que diz o nutricionista ortomolecular Rafael Félix, consultor da Via Farma.

Costumo dizer que as práticas alimentares negativas sempre pesam mais do que as positivas. Ou seja, se o indivíduo se alimenta bem durante cinco dias e chuta o balde no fim de semana, ele já está criando um ambiente metabólico desfavorável ao ganho de massa magra e favorável ao ganho de gordura, inflamações e, até mesmo, resistência insulínica”, alerta.

De acordo com o especialista, um feriado ou fim de semana de “pé na jaca” pode custar até 15 dias de esforços do organismo para eliminar as toxinas e voltar ao equilíbrio, principalmente quando há excesso de ingestão de álcool.

Não são apenas as calorias que contam nessa equação, mas também as alterações metabólicas e sistêmicas que podem ocorrer após um dia de exageros. Mas, se formos considerar apenas as calorias, só o álcool é duas vezes mais calórico do que o açúcar, por exemplo”, explica o nutricionista.

Mas, como lembra Félix, é possível celebrar com equilíbrio, sem radicalismos e sem deixar de aproveitar as delícias típicas do Natal e do Réveillon.

Na noite de Natal, por exemplo, é comum termos várias opções na mesa, inclusive as mais saudáveis. Então tente fazer um prato mais natural. Um pouco de arroz, acompanhado de peito de peru, que é a parte mais magra da ave, algumas oleaginosas e uma salada já formam um prato saboroso e equilibrado”, indica o nutricionista.

E se bater a vontade de comer um docinho ou alguma outra guloseima típica dessa época, não precisa passar vontade – é só comer sem exagero. “Nesse quesito, a recomendação é não cometer excessos, pois assim como o álcool, os doces têm potencial inflamatório, e podem causar retenção hídrica, desequilibrando os neurotransmissores e estimulando o cérebro a pedir cada vez mais por alimentos calóricos, ricos em gorduras e açúcar”, pontua.

Nada de “pão e água” após as festas

Outro fator a ser considerado é que não vale exagerar na comida e na bebida contando com uma semana a “pão e água” depois das festas. “Esse tipo de radicalismo não faz bem ao organismo. Um fim de semana de excessos seguido por uma semana de restrições alimentares pode acabar desencadeando transtornos de humor, compulsão e outros distúrbios alimentares, principalmente se esse padrão se repete com frequência. Por isso, se vai sair da rotina, tente não fazer isso por mais de um dia e retorne ao hábitos saudáveis em logo em seguida”, diz Félix.

E se mesmo depois de todas as dicas, o pé na jaca for inevitável, saiba que é possível correr atrás do prejuízo com algumas medidas específicas. “A primeira delas é voltar para a rotina de exercícios de força e aeróbicos, aumentando a ingestão de água, para eliminar as toxinas.

Além disso, siga uma dieta estruturada por um nutricionista, se possível. Esse profissional poderá, inclusive, indicar suplementos naturais, como a combinação entre  extratos de manto de senhora, oliva, hortelã selvagem e sementes de cominho, ativos que agem sinergicamente no controle do apetite, acelerando o emagrecimento de forma saudável”, finaliza o nutricionista.

Com Assessorias

In the news
Leia Mais