‘Dinheiro não traz felicidade?’, provoca coach que estará no II SuperAÇÃO

Professor e consultor Alexandre Prado traz reflexões e respostas durante evento organizado pelo portal ViDA & Ação no próximo dia 15, no Centro do Rio

Rosayne Macedo

Dinheiro traz felicidade? Como relacionar-se com o dinheiro? Ser ou ter, eis a questão!  Nesses tempos de crise, o professor, coach e consultor de empresas Alexandre Prado nos lança essas indagações na palestra e responde a todas durante o II SuperAÇÃO – Equilibrando Corpo, Mente e Bolso que o Portal ViDA & Ação promove no próximo dia 15 de maio, a partir da 17h30, no Espaço Ideal Eventos, no Centro do Rio (as inscrições ainda podem ser feitas clicando neste link).

A proposta de Alexandre Prado, do Núcleo Expansão, é provocar uma reflexão nas pessoas mostrando como a forma com que cada um encara esse tema indica a dificuldade ou sucesso financeiro pelo qual a pessoa passa.

É a crença que se tem em relação ao dinheiro e ao sentido mais amplo de prosperidade que vai definir a situação financeira de cada um. Por exemplo, existem pessoas que acham que não são merecedoras de sucesso. E todos nós somos movidos pelas nossas crenças”, observa o CEO do Núcleo Expansão, em entrevista ao site Muito Bem, da jornalista Sônia Apolinário.

Ele vai compartilhar seus conhecimentos e dar dicas de como alcançar a verdadeira prosperidade, mesmo em tempos de crise, ao lado de outros importantes palestrantes –  o emprendedor Tarcísio Melo, o Doutor Inovação (Indústria da Solução); o consultor em Vendas e Marketing Humberto Gondin, o especialista em produtividade digital Raoni Luna (Cerebrando) e a psicóloga Renata Viegas (Equipe Saúde Plena). Saiba mais sobre o evento aqui.

Desemprego: copo meio cheio ou meio vazio?

Prado compara a visão sobre o desemprego como a clássica teoria sobre a imagem do “copo pela metade”: quem enxerga que à sua frente tem um copo “meio cheio” tende a conduzir ou resolver o problema de uma melhor maneira do que os que percebem o copo como “meio vazio”.

Diante do desemprego, é necessário ter equilíbrio emocional. Sentar e chorar vai resolver? É preciso ser ativo, produzir, sair da inércia. Hoje, o problema pode ser o desemprego, mas, e quando estava empregado¿ A situação financeira era boa? Tinha dívidas? Um problema pode significar um grande aprendizado”, afirma.

Se conhecer, o que significa entender como é sua crença em relação ao dinheiro e como lida com ele.

Entender as próprias finanças, ou seja, saber quanto ganha, o que ganha, como gasta e no que gasta.

Entender o seu propósito de riqueza material ao se fazer a pergunta: para quê quero dinheiro?

Leia em Ciência em Foco – Dinheiro Traz Felicidade? 

Prosperidade x Riqueza

Algumas pessoas costumam confundir prosperidade com riqueza. Seria a mesma coisa? O que é prosperidade? Ser próspero é o mesmo que ser rico e ter bens? Por que algumas pessoas são prósperas e outras não? O que impacta na prosperidade de uma pessoa?  Leia a íntegra do artigo escrito por Alexandre Prado. E confira abaixo a entrevista dele ao programa ‘Bom de Papo’ sobre Coaching da Prosperidade.

Sobre Alexandre Prado

Consultor, professor, palesttante e coach, Alexandre Prado é fundador e presidente do Núcleo Expansão, empresa criada em 2008 com a missão de inspirar e atuar no desenvolvimento da excelência pessoal e organizacional. Durante quase 25 anos trabalhou como executivo de empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos de diretoria e presidência, na gestão estratégica e no desenvolvimento de pessoas, equipes e corporações. Tem no currículo pós-graduação em Administração Financeira, MBA em Mercados Financeiros e mestrado em Economia, e também treinamentos e cursos de extensão em universidades de Nova Iorque, Boston e Oxford, assim como FGV e outras instituições brasileiras renomadas.

É Sênior Master Coach com mais de 2.000 horas de atendimento de coaching, treinador de milhares de pessoas e consultor de grandes empresas nacionais e multinacionais. No II SuperAção, vai falar sobre Coaching financeiro, que permite à pessoa identificar crenças (funcionais e disfuncionais) e hábitos financeiros. “O objetivo é entender sua situação atual para então traçar metas objetivas e alcançáveis e começar a fazer uma série de exercícios diários para atingir os objetivos estabelecidos”, explica Prado.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.