Dormir de conchinha é gostoso, mas faz bem ao sono?

Dividir a cama com outra pessoa exige certos cuidados para que seja realmente relaxante e não comprometa a qualidade do sono do casal, diz especialista em sono

Redação

Dormir de conchinha é, sem dúvida, uma das posições preferidas dos casais. Faz as pessoas se sentirem acolhidas e seguras. A sensação é que ambos os corpos estão mais próximos e essa união causa bem-estar, ainda mais no friozinho típico deste finalzinho de outono. Mas, como tudo na vida, é bom ficar em alerta, aponta especialista. Confira os pros e contras.

Dividir a cama com outra pessoa exige certos cuidados para que seja realmente relaxante e para que não comprometa a qualidade do sono do casal. Noites mal dormidas podem ser um gatilho para doenças cardiovasculares, diabetes, depressão e envelhecimento precoce”, explica Renata Federighi, consultora do Sono da Duoflex.

VANTAGENS

Pesquisadores comprovam que essa posição tem consequências bastante benéficas para o nosso organismo, especialmente em relação aos hormônios. Um estudo da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, revelou que dormir de conchinha com o parceiro diminui o nível de cortisol no sangue, hormônio responsável pelo estresse. A razão, segundo eles, é que, ao dormir com alguém, a pessoa se sente mais segura e protegida e o corpo não vê a necessidade dessa substância para lhe deixar atento.

Ao mesmo tempo, a posição estimula a produção de ocitocina, o mesmo hormônio liberado durante o sexo. “Este segundo proporciona uma grande sensação de relaxamento, além de combater inflamações e ajudar no bom funcionamento do sistema digestivo”, complementa Renata.

Outro benefício apontado por especialistas é mais emocional mesmo e ajuda a manter o clima a dois: dormir de conchinha, mesmo que apenas no início da noite, contribui de modo positivo para a intimidade do casal, garante a especialista.

DESVANTAGENS

Quando o assunto é postura,no entanto, é importante se atentar a essa posição, pois pode causar formigamento e dores no braço e na coluna.

Quem fica atrás tende a colocar o braço por baixo do parceiro. Esta pressão afeta o nervo radial e, depois de um certo período, causa dormência e dor. O formigamento é sinal de má circulação sanguínea, por exemplo, e a exposição a longo prazo pode causar lesão no músculo do membro”, explica Renata.

A tentativa de deixar o braço acima da cabeça também não é a solução, pois tenciona o ombro e o pescoço, e também pode causar dores. Utilizar travesseiros ou rolos entre as pernas pode ajudar a aliviar a pressão em algumas juntas.

Para quem fica na frente, a posição também pode causar alguns males. Com a cabeça apoiada no braço do companheiro, o pescoço não fica reto como deveria e isso pode implicar em alguns problemas de coluna ou dores. Nesse caso, a recomendação é apoiar a cabeça direto no travesseiro e não no braço do parceiro.


O COLCHÃO CERTO

Para que o casal consiga dormir bem, independentemente da posição, é essencial escolher corretamente os travesseiros e o colchão. No caso dos colchões, o ideal é que os dois estejam juntos para experimentar a sensação de conforto do colchão.

Se o casal tiver grande diferença no biotipo de um para o outro – ele muito alto, ela muito baixinha, por exemplo -, é importante considerar a maior estatura e peso para escolher o colchão de comprimento e densidade adequados.

No caso de grande diferença de peso, é indicado comprar um colchão com molas ensacadas individualmente, pois não provocam ruídos, garantem maior estabilidade e a mínima transferência de movimentos de um lado para outro. Assim, se um dos dois se virar na cama, o outro não irá sentir e não terá o seu sono interrompido.

O TRAVESSEIRO IDEAL

Já no caso dos travesseiros, o modelo deve ser escolhido de acordo com às necessidades de cada um, levando em conta a posição em que dorme, o biotipo e, claro, o gosto pessoal. É apenas indispensável que o item preencha o espaço entre a cabeça e o colchão e proporcione alinhamento da coluna cervical com o tronco.

A espuma, por exemplo, é uma preferência de cada pessoa, e existem diversos tipos no mercado. Para quem gosta de maciez, a espuma Nasa é indicada. Automoldável e termossensível, o material se molda ao contorno do corpo, diminui a pressão e acompanha a temperatura corporal, oferecendo maior conforto térmico.

Já para quem aprecia maior sustentação para a cabeça e um sono mais fresquinho, uma boa opção é a espuma de látex, extraído da seringueira. Moldada com furinhos, que facilitam a respiração e a ventilação, é ideal para pessoas que transpiram muito durante a noite.

O tipo de cama também pode influenciar na escolha do travesseiro. Se a cama for king size, por exemplo, o casal pode optar por modelos para fronha 50cmx90cm, que não deixarão lacunas entre o casal ou nas laterais, aumentando a sensação de conforto durante a noite.

Já em uma casa de casal convencional, os travesseiros podem ter o padrão para fronha 50cmx70 cm.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.