E depois da greve, olho vivo na qualidade dos alimentos

Vigilância Sanitária vai fiscalizar centros de distribuição de redes de varejo e atacado para impedir que consumos impróprios para consumo cheguem às mesas dos cariocas

Redação
Fiscalização em supermercados após greve dos caminhoneiros Durante força-tarefa, fiscais apreenderam mercadorias e fecharam dois pontos no Mercado São Sebastião (Fotos: Nelson Duarte/Arquivo)

A Vigilância Sanitária Municipal do Rio de Janeiro montou uma força-tarefa para intensificar a fiscalização nos centros de distribuição das redes de varejo e atacado. O objetivo é verificar as condições que as cargas de alimentos estão sendo entregues após a paralisação dos caminhoneiros e impedir que produtos impróprios para consumo sejam distribuídos aos supermercados e grandes estabelecimentos varejistas do município.

A prioridade é verificar produtos de origem animal congelados e resfriados, como carnes, frangos e laticínios. Durante as inspeções, são observadas as características sensoriais (cor, odor e textura) e sinais de alteração, advindos de qualquer quebra na cadeia de frio, o que interfere na segurança alimentar. Os alimentos considerados impróprios serão inutilizados e descartados, e os estabelecimentos poderão ser multados.

A Vigilância Sanitária alerta a população para também ficar atenta a essas características sensoriais, validade do produto e, caso perceba alguma alteração, ligar para a central de atendimento 1746, que as equipes irão verificar o problema. As denúncias podem ser contra qualquer estabelecimento que comercializa alimentos, como supermercados, açougues, peixarias e mercados de bairro.

Dois pontos interditados em mercado na Penha

Fiscalização em supermercados do Rio após greve dos caminhoneiros

O Mercado São Sebastião, na Penha, foi o primeiro centro de distribuição inspecionado nesta quarta-feira. No local estão localizadas distribuidoras de grandes supermercados e serão verificados, prioritariamente, produtos de origem animal congelados e resfriados, como carnes, frangos e laticínios.

Houve interdição de dois locais, por falta de licença sanitária; aplicação de quatro multas, por falta de higiene e alimentos impróprios para consumo, o que provocou o descarte de quatro quilos de sanduíches.

Foram coletadas amostras de requeijão, queijo minas, carne bovina e iogurte, para análise no Laboratório de Saúde Pública, para verificar possíveis alterações que possam gerar algum risco a saúde do consumidor. O resultado sai em cinco dias.

Dicas para não comprar produtos estragados

– Verificar sinais de descongelamento, como pontos amolecidos e presença de líquido congelado no interior da embalagem sem ser parte integrante do produto;

– Em produtos resfriados, verificar a viscosidade, coloração e odor;

– Os laticínios devem estar na embalagem original, sem apresentar estufamento (o que indica produção de gás provocado por crescimento de micro-organismos);

– O sorvete é um produto aerado. Se houver compactação da massa é sinal que houve descongelamento;

– Produtos como massas e pães de queijo podem apresentar crescimento de fungo, bem como ficarem esfarelados.

 

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio), atualizado em 30 de maio de 2018, às 18h

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.