Em briga de marido e mulher, tem que meter a colher, sim!

Rosayne Macedo

campanha-colher

Quem nunca ouviu esse ditado popular: “Em briga de marido e mulher, não se mete a colher”? Pois é por conta de pensamentos arraigados na cultura brasileira como este, cultivados pela sociedade machista e misógina em que vivemos, que os casos de violência contra a mulher encontram eco e crimes de feminicídio têm sido tão frequentes. O Brasil registrou a vergonhosa marca de 4 473 assassinatos de mulheres em 2017, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior, o que significa uma mulher morta a cada duas horas no país.

Para tentar mudar esse pensamento, dar voz a milhares de vítimas da doença e frear a violência contra a mulher, foi lançada uma campanha para chamar a atenção para o silêncio consentido em torno do problema. Desafiando o ditado popular, a rede de lojas Magazine Luiza lançou, por ocasião do Dia da Mulher (8 de março), a campanha “Em briga de marido e mulher, tem que meter a colher, sim. Ligue 180 e denuncie”. A ação prevê a venda, em suas 860 lojas físicas e no site magalu.com, de uma colher especial com os dizeres da campanha. Cada colher custa 1,80 real, uma referência ao número de denúncia para casos de violência contra as mulheres, o Ligue 180.

Até o dia 16, a empresa havida vendido no site magalu.com 20 mil unidades da colher especial da campanha. A ação arrecadou R$ 36 mil, mas o Magalu triplicou o valor e vai doar R$ 108 mil para duas entidades: o Instituto Patrícia Galvão, uma organização social que desde 2001 trabalha pela garantia do direito das mulheres de viver sem violência, e a rede colaborativa Mete a Colher, que funciona por meio de um aplicativo mobile, que conecta mulheres vítimas de violência com outras que podem oferecer apoio.

A ação chegou a cerca de 9 milhões de pessoas nas redes sociais da companhia. Influenciadoras digitais, como a blogueira Jout Jout, a apresentadora Ana Maria Braga e a presidente do Conselho do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, entre outras, se engajaram na campanha. A ação foi trending topic no Twitter. “Denunciar é sempre um grande desafio”, diz Ilca Sierra, diretora de marketing multicanal do Magalu. “Por isso, a empresa, que já tem um histórico de engajamento nessa luta, considera de grande importância promover campanhas que incentivem mulheres e homens a dar esse grande passo.”

“A ação foi muito importante e mostrou que nosso cliente e outras instituições estão conectadas com a causa”, diz Ilca Sierra, diretora de marketing multicanal do Magalu. “Inspiramos outras marcas. Por exemplo, a plataforma de crowdfunding Kickante abriu uma campanha para reverter verbas para ONGs engajadas com a mesma causa.” A ação é assinada pela agência DAVID.

Exemplo vem de casa

Há oito meses, o Magalu lançou uma iniciativa interna para reduzir os casos de violência contra a mulher entre suas mais de 11 000 funcionárias. Elas têm acesso ao Canal da Mulher, um sistema de denúncia – monitorado diretamente por Luiza Trajano, presidente do Conselho de Administração – cuja função é apoiar as funcionárias expostas a esse tipo de violência.

“O envolvimento e a contribuição das empresas no enfrentamento da violência contra as mulheres são extremamente importantes. Essa campanha mostra que esse é um problema de todos: das empresas, como o Magazine Luiza, e da sociedade”, diz Jacira Melo, diretora do Instituto Patrícia Galvão.

Fonte: Magazine Luiza, com Redação (atualizado em 16/03/2018)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.