Empresas doam respiradores, EPIs e até sabonetes a hospitais

Pandemia embala onda de marketing do bem para tentar suprir falta de recursos e equipamentos na rede pública de saúde para enfrentar Covid-19 no Brasil

Equipar os leitos com respiradores é um dos principais desafios hoje (Foto: Hospital Mandaqui)

Nas últimas semanas, o mundo se juntou ao combate de um inimigo invisível, o novo coronavírus. Governos em todo o planeta criaram ações para ajudar a população a não contrair o vírus, seja com a adoção da quarentena ou doações de materiais básicos de cuidado. Por aqui, não são poucos os desafios para enfrentar a pandemia. E prover esses recursos no Sistema Único de Saúde (SUS) não tem sido uma responsabilidade apenas do poder público.

O combate ao novo coronavírus extrapola ações governamentais e superar a pandemia depende de um compromisso de toda sociedade, exigindo articulação entre os setores público, privado e organizações da sociedade civil. Embalada pelo ‘marketing do bem’ e ciente de sua responsabilidade social, a iniciativa privada também tem feito a sua parte para melhorar a capacidade de prevenção, diagnóstico e superação do novo coronavírus.

Empresas de todo o país estão engajadas em ajudar estados e municípios a se prepararem para atender um número crescente de pessoas diagnosticadas com a Covid-19. As ações se multiplicam para ajudar o Brasil a enfrentar a pandemia e vão desde a construção de centro de tratamento à Covid-19; aumento na produção e conserto de respiradores mecânicos; oferta de mais testes rápidos adicionais até produção de álcool 70% e produtos de limpeza, máscaras e aventais hospitalares para a distribuição gratuita com profissionais de saúde,em unidades hospitalares e comunidades, até suporte logístico para entregar itens básicos aos locais mais afetados pela pandemia.

Confira algumas das iniciativas compiladas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e outras recebidas ao longo da última semana pelo Portal ViDA & Ação:

Empresa do setor elétrico doa R$ 6 milhões para respiradores

Os respiradores artificiais são equipamentos essenciais para a sobrevivência e recuperação de pacientes graves da Covid-19. A EDP, empresa que atua em todos os segmentos do setor elétrico, doou R$ 6 milhões à organização social Comunitas para a compra de respiradores hospitalares. Com esta iniciativa, só a EDP será a responsável pela oferta de 25% de todos os respiradores necessários para atender os leitos das UTIs dos hospitais públicos do Estado de São Paulo, o mais atingido pela crise do coronavírus, nesta primeira fase de reforço.

Esses equipamentos serão encaminhados a hospitais públicos indicados pelo Governo de São Paulo, para auxiliar a gestão pública no controle da pandemia. No total, a campanha da Comunitas arrecadou R$ 23,4 milhões com a ajuda de 150 empresas. O montante doado pela EDP, o maior entre as organizações participantes desta ação, permitiu à entidade atingir sua meta de levantamento de recursos, possibilitando a compra conjunta de 345 respiradores.

A iniciativa da multinacional no País se soma aos esforços feitos pela matriz em Portugal. Na semana passada, a EDP anunciou a doação de 50 respiradores, 200 monitores e equipamentos médicos a hospitais portugueses. A ação foi realizada em conjunto com a China Three Gorges (CTG).

Rede varejista doa R$ 10 milhões em equipamentos

As famílias Trajano e Garcia, controladoras do Magazine Luiza, maior plataforma digital de varejo do país, anunciaram hoje que vão doar 10 milhões de reais em equipamentos e outros itens que serão usados no tratamento das vítimas brasileiras da pandemia de covid-19. O valor está sendo destinado à compra de respiradores artificiais, leitos, colchões e travesseiros para equipar hospitais públicos e filantrópicos de todo o país.

Já foram doados monitores cardíacos para o Hospital Emílio Ribas, de São Paulo, centro de referência nacional em infectologia, e ventiladores pulmonares para uma unidade do Sistema Público de Saúde (SUS) localizada na Vila Guilherme, bairro onde fica a sede do Magalu, na cidade de São Paulo, e para a Santa Casa da cidade de Franca, no interior do estado.

Por meio da Communitas, organização da sociedade civil que promove parcerias entre os setores público e privado, as famílias Trajano e Garcia destinaram 2 milhões de reais para compra de ventiladores pulmonares para o Estado de São Paulo. Um milhão de reais foi doado para a Amigos do Bem, ONG que trabalha para a melhoria das condições de vida de populações carentes no sertão nordestino.

Também foram doados, até o momento, 4 000 colchões e travesseiros para os governos estaduais do Pará e da Bahia. Esses itens serão usados para equipar abrigos para moradores de rua e para outras populações socialmente vulneráveis, com sintomas de covid-19.

Gigante de cosméticos doará 5 mil testes

A gigante Mary Kay anunciou que fará uma grande doação para a Fiocruz – Fundação Oswaldo Cruz, referência em pesquisas e tratamento da Covid-19. O valor não foi revelado, mas, segundo a companhia, permitirá a fabricação de cerca de 5.000 testes modernos, com resultados rápidos, do COVID-19, que serão distribuídos por hospitais públicos em todo o Brasil. A iniciativa usará verba do Instituto Mary Kay, que apoia causas voltadas ao combate a violência contra a mulher, além de apoiar mulheres e crianças que sofrem violência doméstica.

Além disso, a marca está realizando uma doação adicional para a Associação Fala Mulher, para que possam comprar os materiais necessários de prevenção (como álcool em gel, luvas e máscaras), garantindo a continuidade do atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica. Desde sua fundação, em 2004, a Associação já atendeu mais de 25 mil mulheres vítimas de violência doméstica, desenvolvendo ações para coibir a violência contra a mulher, e atuando diretamente na garantia e defesa dos direitos humanos de mulheres, crianças adolescentes, adultos e idosos.

A fábrica global da Mary Kay, localizada no Texas (EUA), dedicará parte de sua cadeia de suprimentos e instalações para produção de álcool em gel, que serão doados para aqueles que estão nas linhas de frente, em clínicas e hospitais. A empresa tem trabalhado desde a semana passada para iniciar a produção, adquirindo matérias-primas, determinando a disponibilidade de embalagens, preparando as linhas de produção e garantindo o transporte do produto.

O primeiro lote de produtos será doado à Fundação Baylor Scott & White Dallas, que é o maior sistema de saúde sem fins lucrativos do Texas e um dos maiores dos Estados Unidos, com 52 hospitais, mais de 800 centros de atendimento a pacientes, 7.500 médicos ativos e mais de 47.000 funcionários.

Doação de roupas brancas para profissionais de saúde

A Aramis criou a campanha #VestindoHerois, para engajar a indústria da moda neste processo. A marca inicia a ação doando seu estoque de mais de 5 mil peças de roupas brancas (camisetas e camisas polos), aos médicos e as equipes hospitalares que estejam combatendo o Covid-19 em hospitais de São Paulo.
A rede também convida outros nomes da indústria da moda para fazerem o mesmo. Desde a semana passada, as operações da marca em todo Brasil estão suspensas e serão retomadas assim que as autoridades decidirem que a situação está normalizada. Como alternativa, a marca disponibilizou 15% de desconto e frete grátis para as vendas em seu e-commerce (www.aramis.com.br).

 

Leia mais:

Empresas produzem álcool para doar a hospitais
Três maiores bancos do país vão doar 5 milhões de testes rápidos

 

Confira o levantamento da CNI:

LEITOS AMBULATORIAIS E UNIDADES DE TRATAMENTO

Em São Paulo, cidade com o maior número de casos confirmados até o momento, a Ambev, a Gerdau e o Hospital Albert Einstein se aliaram à prefeitura para construir um novo Centro de Tratamento para a Covid-19, com 100 leitos que atenderão o público exclusivamente pelo SUS. Será um anexo do Hospital Municipal M’Boi Mirim – Dr. Moysés Deutsch, na zona sul da cidade. Os primeiros 40 leitos serão entregues em apenas 20 dias – até o fim de abril serão 100. A unidade de saúde, posteriormente, será integrada à rede pública de saúde do município.

Quem também vai apoiar o SUS são as Lojas Renner. O grupo vai destinar R$ 4,1 milhões para hospitais públicos em Santa Catarina (São José, em Criciúma, e São Donato, em Içara), Rio Grande do Sul (hospitais Conceição e Clínicas, de Porto Alegre) e São Paulo (unidades de referência e como o InCor). A comunidade do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, onde moram 35 mil pessoas, próximo à sede administrativa da empresa, também deve ser beneficiada.

Itaú Unibanco vai doar R$ 150 milhões, por meio da Fundação Itaú Social e do Instituto Unibanco, para infraestrutura hospitalar, compra de equipamentos, cestas de alimentação e kits de higiene a serem distribuídos para comunidades vulneráveis e ajudar na contenção e tratamento de infectados.

RESPIRADORES MECÂNICOS

Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) levantou junto ao governo a necessidade de produção adicional de 2 mil respiradores mecânicos por mês e tem articulado com as empresas fabricantes dos componentes para organizar uma linha de produção capaz de atender a demanda.

No Ceará, o SESI doou R$1 milhão para a Secretaria de Saúde estadual adquirir equipamentos para atender os pacientes com covid-19. A ação fez parte do engajamento de empresários locais, que juntaram R$ 5 milhões para ajudar o estado.

Ação semelhante ocorreu em Pernambuco, onde cerca de 80 representantes da iniciativa privada, entre eles diversos membros da Federação de Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), se uniram para arrecadar recursos e comprar equipamentos para hospitais do estado.

Associação Nacional dos Fabricante de Veículos Automotores (Anfavea) anunciou que as montadoras estudam usar as 37 fábricas que estão paradas no Brasil para produzir respiradores, equipamentos fundamentais no tratamento da covid-19. Uma das ideias é usar impressoras 3D para fabricar peças de ventiladores e montadores a serem montados por empresas especializadas.

Em Santa Catarina, um grupo de empresas, lideradas pela Federação de Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), importou 200 respiradores mecânicos, em parceria com o governo do estado. É o primeiro resultado prático do programa + Respiradores, uma iniciativa da Rede Senai de Institutos de Inovação. Os equipamentos serão doados ao SUS.

O grupo que engloba a MRVBanco Inter e LOG CP anunciou a compra no valor de R$ 10 milhões em respiradores mecânicos para a rede hospitalar mineira, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG).

TESTES PARA DIAGNÓSTICO E PESQUISA

Diante da falta de testes para detecção do novo coronavírus, a Petrobras vai doar ao SUS 600 mil testes para diagnóstico do novo coronavírus, importados dos EUA – 400 mil para o Ministério da Saúde e 200 mil para a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (saiba mais aqui). A empresa também que vai disponibilizar parte da capacidade de processamento de computadores de alto desempenho (HPC) para colaborar com pesquisas de universidades sobre o combate ao coronavírus.

Vale vai comprar 5 milhões de kits de testes rápidos para o novo coronavírus, com os quais o resultado sai em 15 minutos. Eles foram adquiridos da China e serão entregues ao governo brasileiro até meados de abril.

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Riachuelo confeccionou mais de 10 mil aventais hospitalares que serão distribuídos gratuitamente para unidades de saúde. A Vale também está comprando equipamentos de proteção individual, como óculos, luvas e máscaras, para médicos e enfermeiros. O material será doado ao governo brasileiro.

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) está apoiando empresas do setor para direcionarem a produção para itens essenciais no combate à pandemia, como luvas, máscaras e jalecos. A ideia é que base industrial nacional consiga atender à demanda pelos produtos, já que muitos deles estão sendo importados para suprir a necessidade do momento.

A loja de roupas My Basic, em parceria com a HJ Têxtil, vai produzir máscaras em algodão que serão doadas para pessoas vulneráveis à contaminação. A entrega será feita pela ONG Missão Belém que atende moradores de rua.

BONFIO, empresa de linhas e fios, de Americana (SP), aderiu à campanha do SENAI SP para a produção de 600 mil máscaras, doando insumos. As máscaras serão distribuídas aos hospitais públicos do estado e nas comunidades mais carentes de proteção social.

Já a Malwee anunciou a doação de mais 5 mil itens de material hospitalar descartável para o Hospital e Maternidade Jaraguá do Sul (SC), que se prepara para receber casos de Covid-19. As toucas e aventais foram costuradas em parceria com as confecções Sperafico e Thailua, ambas de Jaraguá do Sul. Outras 900 máscaras descartáveis serão doadas diretamente do estoque para hospitais de Jaraguá e para o Hospital de Pomerode.

Grupo Lunelli produziu 30 mil máscaras que serão distribuídas a profissionais de saúde e segurança  pública. Por serem de tecido, as máscaras precisam ser higienizadas antes do uso. O kit acompanha um folder com as instruções de como higienizar e utilizar a máscara de tecido. A empresa também doou 10 respiradores ao hospital São José de Jaraguá do Sul (SC).

Com a escassez de máscaras no mercado, a Indecense, fábrica de lingeries e moda praia em Guaporé (RS), decidiu ajudar. Nas últimas duas semanas, a linha de produção está toda voltada para a fabricação dos itens. A produção é doada para instituições de caridade e para grupos de risco que não têm condições de pagar.

Sancris, que produz e comercializa linhas, fios e zíperes, está fazendo parte de uma ação, em parceria com a Latina Têxtil, que produz tecidos para moda e moda íntima; e a Diklatex, que fabrica tecido. As empresas vão produzir 25 mil máscaras de tecido para ajudar a Defesa Civil de Brusque e Balneário Camboriú (SC) para distribuição a quem precisa.

SABONETES

Ypê vai doar 46 toneladas de sabão para a comunidades carentes de São Paulo e Rio de Janeiro. Esse volume equivale a 225 mil barras do produto. A fabricante de detergente também vai passar a produzir álcool em gel, produto que atualmente não faz parte do seu portfólio, para entregar a unidades de saúde.

JBS, por meio da divisão JBS Higiene & Limpeza, com planta em Lins, interior de São Paulo, iniciará a produção de 2 milhões de sabonetes que serão distribuídos em diferentes regiões do país até 4 de abril. Ao todo, serão doados mais de 300 mil kits a lares de idosos próximos às fabricas da empresa e favelas das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.

A ação será coordenada junto à Central Única das Favelas (Cufa), que será responsável pela distribuição. Colaboradores da empresa em todo o país também serão beneficiados com a ação.

Logística

Souza Cruz disponibilizou sua rede de distribuição a empresas e governos estaduais para transportar doações de produtos essenciais na prevenção ao coronavírus como detergentes, sabonetes, álcool gel, vacinas, máscaras, além de cestas básicas. Entre os locais atendidos pela empresa estão as cidades do Rio de Janeiro e do Distrito Federal.

Veja outras campanhas e iniciativas

Fundo emergencial para a saúde

O Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), o Movimento Bem Maior e o Bsocial, com o apoio de outras lideranças da Cultura de Doação no Brasil, se uniram para criar o ‘Fundo Emergencial para a Saúde – Coronavírus Brasil’ para receber doações de qualquer quantia, que serão encaminhadas para instituições em posição estratégica no sistema de saúde do País.

As doações serão revertidas em respiradores, testes para diagnóstico de infecção por coronavírus, equipamentos para UTI (cardioversores, aspiradores de secreção, monitores, etc.), equipamentos hospitalares (cadeiras de rodas, camas, macas, etc.), materiais para médicos e enfermeiros (aventais, máscaras, toucas, luvas, etc.) e medicamentos, sempre respeitando lista de prioridades previamente aprovada com as instituições e com posterior prestação de contas.

O fundo é gerenciado pela SITAWI, uma organização social de interesse público (OSCIP) e reúne entidades beneficiárias como Fiocruz, Hospital das Clínicas de São Paulo, Santa Casa de São Paulo e Comunitas (organização que está adquirindo respiradores a serem entregues aos hospitais do SUS). Outros beneficiários podem ser agregados posteriormente.

O grupo está fazendo um chamamento especial à comunidade de filantropos e empresas a também doarem para fortalecer o sistema público de saúde no combate ao Coronavírus. Para doar acesse: www.bsocial.com.br/fundosaude Para doações acima de R$ 50 mil, o doador deve entrar em contato com atendimento@bsocial.com.br

Campanha para o Hospital São Paulo

O Hospital São Paulo lançou uma campanha de arrecadação de recursos financeiros e de materiais a serem utilizados com pacientes e profissionais de saúde que estão dedicados no trabalho de atendimento dos casos suspeitos e confirmados da Covid-19. Com o mote “Quem salva vidas precisa viver”, a campanha busca prioritariamente ampliar o estoque de materiais de segurança das equipes, como máscaras, aventais, álcool em gel e óculos de proteção.

A Kazzas, empresa do mercado imobiliário do Grupo Kallas, anunciou uma doação de R$ 100 mil para o Hospital São Paulo. O Grupo Kallas irá distribuir cestas básicas para os profissionais de vendas que atuam diretamente com a construtora, já que os estandes da companhia estão fechados para reduzir a ameaça do Covid-19. O valor arrecadado será integralmente direcionado ao HSP e será dado total transparência no que for arrecadado.

As doações de materiais podem ser feitas na Rua Borges Lagoa, 570, na Vila Clementino, em São Paulo (SP). As doações em dinheiro podem ser feitas através de depósito ou transferência bancária para o Banco Santander, agência 0212, Conta Corrente 13004068-1 (CNPJ: 61.047.007/0001-53). Para ajudar basta acessar o site http://www.unifesp.br/doehsp e ver a formas de contribuir com o hospital nesse momento crítico. Mais informações pelo telefone (11) 99100-6224.

Leilão do agronegócio arrecada 400 mil

Com objetos doados por celebridades, artistas, ídolos do esporte e empresários ligados ao setor agropecuário, o primeiro leilão beneficente “Unidos do Agro pela Vida”, realizado no dia 27 de março, arrecadou R$ 400 mil. O valor arrecadado será usado para a aquisição de respiradores e de materiais hospitalares (kits de testes para Covid-19, máscaras e luvas) para o Hospital de Base de São José do Rio Preto, além de Santas Casas e Lares de Idosos de Rio Preto e região.

Entre os itens leiloados estavam uma camisa do rei do futebol, Pelé, da Copa do Mundo de 1970, autografada. A peça foi arrematada por R$ 29 mil. Já o capacete usado pelo campeão de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi saiu por R$ 30 mil, e um violão do cantor Zezé Di Camargo, por R$ 10 mil. Todos os itens foram leiloados, entre eles, os violões autografados por grandes nomes da música sertaneja como Gusttavo Lima, Leonardo, Bruno e Marrone, Luan Santana, Zé Neto e Cristiano, entre outros.

O valor arrecadado superou as expectativas iniciais, que eram de R$ 250 mil. Além de Rio Preto, serão beneficiadas instituições de José Bonifácio, Maucabal, Monte Aprazível e Tanabi. Com o sucesso, a organização está estudando a possibilidade de realizar novos leilões solidários para fortalecer o combate dos hospitais no combate à Covid-19. Também é possível contribuir com a campanha por meio de doações: Banco do Brasil – Eloy Goncalves Junior – CPF 045520198-64 – Agência: 0145-7 – Conta Corrente: 18.274-5.

Como doar para o SUS

Diante da grande oferta de ajuda por parte das empresas, o governo federal criou um canal para facilitar o recebimento de doações de insumos, materiais e equipamentos. Entre os itens que podem ser doados estão desde máscaras, respiradores a equipamentos para realização de exames, como tomógrafos. Para ajudar, basta enviar e-mail para juntoscontracovid19@saude.gov.br e informar o que pode doar, além das especificações do item e a nota fiscal ou declaração de propriedade. Podem doar cidadãos e empresas nacionais ou estrangeiras, organizações internacionais ou mesmo países.

Após enviar um e-mail, indicando qual é a doação que pretende fazer, a equipe do Ministério da Saúde entrará em contato com o cidadão por e-mail para avaliar o item e combinar como será feita a doação. O Ministério da Saúde não utilizará telefone ou mensagens de celular para entrar em contato com os doadores. Após, comunicar o doador sobre a aceitação da oferta dos materiais, estes poderão ser recolhidos ou entregues na Coordenação de Armazenamento e Distribuição (Coadi), em Guarulhos (SP). Assim, o Ministério da Saúde providenciará um Termo de Doação.

Com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais