Estado do Rio já tem 7 casos confirmados de sarampo

Cinco são na capital e outros dois em Duque de Caxias, todos ligados com a Faculdade de Direito da UFRJ. Especialista responde as principais dúvidas sobre a doença

Redação

E depois da febre amarela, é a vez do sarampo assustar cariocas e e fluminenses. Sobe para sete o número de casos de sarampo no Estado do Rio de Janeiro. A Secretaria de Estado de Saúde informa que recebeu a confirmação de sete casos, sendo cinco na cidade do Rio e dois em Duque de Caxias. Ainda de acordo com a pasta, todos os episódios têm ligação com a  Faculdade de Direito da UFRJ.

“As amostras foram analisadas pela Fiocruz, laboratório de referência do Ministério da Saúde. Desde a primeira suspeita da circulação de sarampo, a SES vem trabalhando em parceria com os municípios. No dia 3 de julho, a Secretaria Municipal de Saúde realizou ação de vacinação de bloqueio no campus da Faculdade de Direito da UFRJ e, em conjunto com a SES, tomou uma série de medidas de prevenção e análise dos casos”, informou a nota.

A proteção contra o sarampo faz parte das vacinas Tríplice Viral e Tetra Viral, disponíveis conforme calendário de vacinação do Ministério da Saúde para crianças entre 12 e 15 meses. A cobertura vacinal contra a doença para crianças de um ano no estado é de 95% . Devem ser vacinadas as crianças de até um ano e adultos de até 49 anos que não tenham sido imunizados. Aqueles que tomaram as duas doses da vacina não precisam tomar nova dose.

VEJA MAIS:

Quando tive sarampo minha mãe achou que eu iria morrer

Sarampo no Rio: alerta para volta de doenças já erradicadas

Alerta: com sarampo e rubéola de volta, vacina é reforçada

Especialista responde as principais dúvidas

Com a volta do sarampo, surgem diversas dúvidas no momento da vacinação, principalmente nos adultos, que – muitas vezes – não sabem se já são ou não imunizados. Ana Karolina Barreto Marinho, coordenadora do Departamento Científico de Imunizações da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), responde às principais dúvidas que aparecem  no consultório:

1.Quem não sabe se já tomou ou não a vacina, por não ter mais a carteira de vacinação, a indicação é se vacinar? Caso a pessoa já tenha tomado, mas não saiba, há algum risco em receber nova dose?

Se não há comprovação de vacinação prévia, há necessidade de se vacinar. Não há risco para a saúde caso já tenha se vacinado anteriormente.

2. A vacina que está sendo dada é apenas contra o sarampo ou é a tríplice viral: sarampo, rubéola e caxumba?

É a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) ou tetra viral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela).

3. Caso o paciente já tenha adquirido essas duas últimas doenças, há algum risco em receber a vacina novamente, para se proteger do sarampo?

A vacina não oferece riscos para saúde, mesmo que a pessoa já tenha apresentado as doenças citadas acima.

4. Há algum componente na vacina do sarampo capaz de desencadear reação alérgica? Qual?

Embora seja raro, qualquer componente da vacina pode causar reações alérgicas em indivíduos predispostos. A vacina contém as seguintes substâncias potencialmente alergênicas: albumina humana, sulfato de neomicina (antibiótico), gelatina, traços de proteína do ovo de galinha usado no processo de fabricação da vacina. No Brasil, uma das vacinas utilizadas na rede pública contém traços de lactoalbumina (proteína do leite de vaca).

5. Quais os cuidados que os pacientes alérgicos devem ter ao se vacinar?

A maioria das pessoas com história de reação anafilática a ovo não tem reações adversas à vacina e, mesmo quando a reação é grave, não há contraindicação ao uso da vacina tríplice viral. Foi demonstrado, em muitos estudos, que pessoas com alergia ao ovo, mesmo aquelas com alergia grave, têm risco baixíssimo de reações anafiláticas. Os testes cutâneos com a vacina não são recomendados. No entanto, é indicado que estas pessoas, por precaução, sejam vacinadas em locais que ofereçam condições de atendimento de anafilaxia. Crianças com alergia grave ao leite de vaca (reações imediatas como anafilaxia) não devem receber a vacina tríplice viral, que contém lactoalbumina.

6. Qual o calendário que deve ser seguido no caso da vacina do sarampo, ou seja, deve-se receber a vacina na infância e na idade adulta? Há idade apropriada?

Deve-se seguir o calendário orientado pelo Ministério da Saúde.

O esquema vacinal contra o sarampo para crianças é de uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses (a tetra viral) de idade.

Para adolescentes e adultos até 49 anos:

Até os 29 anos – duas doses, podendo ser da tríplice ou tetra viral

  • Dos 30 aos 49 anos – dose única, podendo ser da tríplice ou tetra viral

Quem já tomou duas doses durante a vida, da tríplice ou da tetra, não precisa mais receber a vacina

sarampo apresenta os seguintes sintomas: febre acompanhada de tosse persistente, irritação ocular, coriza e congestão nasal e mal-estar intenso. Após estes sintomas, há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias. A única forma de se prevenir do sarampo é por meio da vacina.

Tudo Sobre Sarampo: Sintomas, Vacina, Tratamento, Transmissão e Mais

Fonte: SES-RJ, Asbai e Opas

 

In the news
Leia Mais