Folia sem trauma: não faça deste o seu último Carnaval

cartaz_fst_sbot

Nem tudo é festa e alegria no Carnaval. Este período registra geralmente um aumento de 15% nas cirurgias de urgência e emergência nos hospitais públicos do Rio de Janeiro, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES). A grande maioria tem origem nas vias em acidentes que envolvem pessoas embriagadas ou que falam ou digitam ao celular no trânsito, tanto motoristas quanto pedestres.

Já o número de acidentes nessa época aumenta 30%, segundo a Polícia Rodoviária Federal. A ingestão de álcool ao volante responsável por 65% dos acidentes de acordo com o Denatran. Em 2015, 9.404 internações registradas em hospitais da rede pública de saúde fluminense tiveram relação com incidentes no trânsito e 2.273 mortes foram causadas por esse tipo de ocorrência no estado, de acordo com dados produzidos a partir do cruzamento de informações do Sistema de Informação sobre Mortalidade, alimentado pelos municípios, e de dados do Instituto de Segurança Pública (ISP).

De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT-RJ),  o Carnaval é a época de maior ocorrência de acidentes graves no trânsito que resultam em óbito ou lesões permanentes de alta complexidade. Para conscientizar a população sobre a importância da prevenção de acidentes durante esse período, a Sociedade lança a sétima edição da campanha “Folia sem trauma. Não faça deste o seu último Carnaval”.

A campanha começou em 2011 para conscientizar a população sobre a importância da prevenção de acidentes no período do Carnaval e potencializa a importância do trânsito seguro em todos os quesitos, e foca não só a responsabilidade do motorista, mas também do pedestre e do motociclista.

“Há anos desenvolvemos estudos que confirmam a letalidade dos acidentes de trânsito que envolvem bebida alcoólica, e de três anos para cá temos nos deparado com essa nova realidade que é a utilização do celular, sobretudo para envio e leitura de mensagens pelos motoristas. As lesões, quando não são fatais, são cada vez mais graves”, observa o presidente da SBOT-RJ, José Paulo Gabbi, salientando o impacto negativo causado pelo aumento de atendimentos nos hospitais públicos. “Há escassez de insumos em épocas regulares e o aumento da demanda no Carnaval agrava ainda mais esse cenário”.

Em 2016, os acidentes nas rodovias federais do Rio de Janeiro diminuíram mais de 50% em relação ao ano de 2015. No entanto, os casos de mortes nas estradas tiveram um aumento de 11%, o que tem relação com a gravidade dos acidentes: “Ocorrem menos colisões, porém mais impactantes e letais”, diz Gabbi. A SBOT-RJ destaca também o impacto de um acidente de trânsito: um carro que colide a 60km/h projeta cada passageiro com um peso equivalente a 3 toneladas. O suficiente para a ocorrência de lesões fatais causadas pelos corpos dentro do próprio veículo.

“A iniciativa da SBOT é fundamental, por isso, fizemos questão de apoiar. Como ortopedista, acompanhei muitos casos de pacientes vítimas de acidentes de trânsito, especialmente motociclistas. O Carnaval é uma época de festa, quando as pessoas estão mais suscetíveis à ingestão de bebida alcoólica, mas é importante que não esqueçamos dos riscos. É possível aproveitar os dias de folia com responsabilidade sem causar danos a si próprio e aos outros”, reforça o secretário de Estado de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr.

Os pedestres são a maioria entre as vítimas fatais. Em 2015, cerca de 730 transeuntes tiveram a morte comprovadamente relacionada a acidentes de trânsito no estado, segundo levantamento da SES. Já nas estatísticas de internações, os motociclistas lideram no mesmo período: 4.720 pacientes internados em unidades da rede pública de saúde do Rio de Janeiro conduziam ou eram passageiros de motocicletas quando se acidentaram. Neste mesmo ano, o estado ocupou a 26ª posição no país no ranking de mortes por acidentes de motocicleta.

 

Os acidentes de trânsito aumentam entre 20% e 30% no período do Carnaval, por isso fique atento a estas dicas da SBOT. Elas podem evitar sequelas graves e, em muitos casos, até mesmo salvar sua vida

1 – Respeite as normas do Código de Trânsito.

2 – Fique sempre atento: 92% dos acidentes de trânsito ocorrem por desatenção.

3 – Antes de viajar, reveja os itens de segurança do automóvel, como freios, pneus, suspensão, extintor de incêndio, etc.

4 – Utilize sempre os equipamentos de proteção (Cinto de Segurança, capacete, etc.).

5 – Transporte as crianças adequadamente, sempre no banco de trás, e com cinto de segurança. Caso tenha até sete anos, utilize a cadeirinha.

6 – Não ultrapasse os limites de velocidade.

7 – Se for dirigir, não beba. O álcool é responsável por 65% dos acidentes nas estradas.

8 – Respeite os pedestres e demais motoristas

Verdade – Café forte é um estimulante, mas apesar disso não altera em nada o estado de embriaguez.

Mito – Banho frio desperta e reduz os efeitos do álcool uma vez que provoca uma sensação de bem estar.

Verdade – Segundo DENATRAN, a combinação de bebida e direção costuma ser mais frequente durante o Carnaval, sendo que a ingestão de álcool é responsável por 65% dos acidentes.

Mito – Alguns medicamentos diminuem e alguns até podem eliminar efeito do álcool.

Verdade – Dirigir e falar ao celular pode aumentar em até 4 vezes o risco de acidente. Esta prática pode ser mais perigosa do que dirigir embriagado. Mas muito pior é dirigir e digitar, nesse caso o risco de acidente aumenta 23 vezes.

Fonte:  SBOT-RJ

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais