Grávidas e puérperas são incluídas em grupo prioritário para vacinação

A inclusão de grávidas e puérperas nos grupos prioritários era uma reivindicação dos médicos e profissionais que atuam no atendimento

mulher grávida

Em nota técnica divulgada nesta segunda-feira, 26 de abril, o Ministério da Saúde incluiu na Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19 as gestantes e puérperas, além de pessoas com deficiência permanente, na fase 1 da vacinação, junto ao grupo de pessoas com comorbidades

De acordo com a nota, nesta fase 1 da vacinação, todas as gestantes e mulheres no período pós-parto, com comorbidades, independentemente da idade ou do período gestacional, no caso das gestantes, poderão receber a vacina. Na fase 2, serão vacinadas as demais gestantes e puérperas, independentemente de condições pré-existentes.

Para receber a vacina na fase 1, a gestante ou puérpera precisará apresentar exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica que comprove a comorbidade. No caso de lactantes, a orientação deve ser para que não interrompam o aleitamento materno. Qualquer vacina disponível poderá ser aplicada. Para aquelas que tiverem tomado a vacina contra a gripe, deverá ser respeitado um intervalo mínimo de 14 dias entre as doses.

Leia mais

Com ou sem comorbidades, todas as grávidas devem ser imunizadas, diz Cremerj

Cariocas grávidas com comorbidades já podem ser vacinadas contra a Covid

Grávidas com Covid-19 têm mais chance de parto prematuro, diz estudo

Covid-19 e gravidez

A inclusão de grávidas e puérperas nos grupos prioritários era uma reivindicação dos médicos e profissionais que atuam diretamente no atendimento a este grupo de pacientes.

Segundo a nota do Ministério da Saúde, a decisão foi embasada em evidências cientificas e dados epidemiológicos disponíveis, que evidenciam que ‘a gestação e puerpério são fatores de risco para desfechos desfavoráveis da Covid-19, tanto no que diz respeito ao risco de hospitalização e óbito, mas também em desfechos gestacionais desfavoráveis como parto prematuro, abortamento entre outros’.

Os riscos tornaram-se ainda mais evidentes há cerca de um mês, quando o estudo Efeitos da pandemia COVID-19 nos resultados maternos e perinatais: uma revisão sistemática e meta-análise  publicado no periódico científico The Lancet Global Health, revelou que mais mulheres grávidas morreram, tiveram complicações ou deram à luz bebês natimortos durante a pandemia do que em anos anteriores. A conclusão foi obtida a partir da análise de 40 estudos realizados em 17 países, incluindo o Brasil.

O estudo evidenciou a carência de informação direcionada especificamente às mulheres em idade fértil e às gestantes, sobre os riscos, os cuidados e as repercussões de uma possível infecção pelo coronavírus na gestação”, alerta Thomaz Gollop, professor colaborador de ginecologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí.

Os resultados maternos e fetais globais pioraram durante a pandemia, com um aumento nas mortes maternas, óbitos fetais, casos de gravidez ectópica e depressão materna. “O aumento dos casos de gravidez ectópica possivelmente está relacionado ao processo inflamatório provocado pelo coronavírus, dificultando a passagem do óvulo fecundado, que acaba por se desenvolver fora do útero. Se não diagnosticado, com a evolução da gestação, pode ocorrer o rompimento da trompa e uma grave hemorragia”, alerta o Dr. Thomaz Gollop.

Campanha – Após vacinar os trabalhadores de saúde, pessoas com 60 anos ou mais e pessoas com deficiência institucionalizadas, indígenas vivendo em terras indígenas, povos e comunidades tradicionais Ribeirinhas e Quilombolas e idosos de 65 anos ou mais, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19 está vacinando a população idosa de 60 a 64 anos em todo o país. O calendário pode apresentar pequenas diferenças conforme cada região. Em São Paulo, a previsão é que a fase 1 seja iniciada em 10 de maio.

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais