Inclusão social pela música no paraíso do rock

Alunos de quatro projetos sociais de música participaram pela primeira vez do Rock in Rio. Drake, Iron Maiden e Foo Fighters leiloam guitarras para ajudar a reflorestar Amazônia

Redação
https://www.youtube.com/watch?v=XwEs8KDDRbQ

No local onde o sonho do maestro Armando Prazeres terminou, um de seus filhos, o também músico Carlos Eduardo Prazeres fez nascer muitos outros. Em 2010, onze anos após o pai ter sido assassinado e seu carro encontrado no Complexo da Maré, ele começou um núcleo de aprendizado musical na entrada de uma das favelas à beira da Baía de Guanabara. Hoje, o projeto social atende a mais de 4000 crianças e jovens da região, além de possuir um braço profissionalizante e contar com três orquestras, a Orquestra Maré do Amanhã, com 40 músicos, e outras duas infantis, num total de 300 crianças e adolescentes.

Pela primeira vez, jovens músicos da Orquestra Maré do Amanhã puderam participar perla primeira vez do Rock in Rio, ao lado de outros que participam de mais três projetos sociais com foco na música em comunidades do Rio de Janeiro. “A música é vida. É poder viver uma vida que talvez eu não poderia se não a tivesse encontrado”, diz um dos entrevistados. A experiência é contada no mini-documentário lançado nesta semana pelo Pão de Açúcar e Extra, marcas apoiadoras do Festival.

A ação foi realizada com o propósito de unir o apoio ao maior evento de música entretenimento do mundo à realização de um sonho. Os 140 jovens músicos que receberam os convites das marcas para a 20ª edição do Rock in Rio – a 8ª em solo carioca, encerrada neste domingo, 6 de outubro – frequentam as aulas ou já participam de apresentações. Ao todo, as duas redes varejistas levarão para a Cidade do Rock 140 jovens fascinados por música. O mini-documentário é veiculado nos perfis sociais das marcas Extra e Pão de Açúcar. A produção é da 360+.

Outra iniciativa beneficiada com ingressos é a Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro da ONG Ação Social Pela Música do Brasil, que há 24 anos possui núcleos de aprendizado musical em três estados brasileiros (além do Rio, Paraíba e Rondônia). Integrantes de dois programas da Escola de Música da Rocinha, a Orquestra de Câmara da Rocinha e o Canto e Coral da Rocinha, também foram selecionados para ganhar convites. Localizada entre os bairros da Gávea e São Conrado, a escola está completando 25 anos em 2019.

Foi uma oportunidade de assistir a shows de alguns dos maiores astros do cenário nacional e internacional e curtir o festival, além de proporcionar momentos inesquecíveis a jovens músicos, integrados a instituições que visam a inclusão social, a formação da cidadania e o despertar de novos talentos por meio do ensino de instrumentos musicais e do canto. Todas as suas experiências estão retratadas no mini-documentário agora apresentado pelas marcas.

Os jovens convidados também tiveram a oportunidade de conhecer o espaço especial montado pelo Pão de Açúcar e o Extra durante o festival, o “Rock Start”. O ambiente une os programas de fidelidade das marcas e conta com ativações gratuitas de brincadeiras musicais, como o Guitar Hero e o Just Dance, além de disponibilizar fontes de energia para recarregar seus celulares.

Participar de um megaevento como o Rock in Rio não é uma novidade para os jovens da Maré. Há dois anos, a orquestra principal foi convidada a se apresentar para o Papa Francisco na Sala Paulo VI, no Vaticano, e em seguida fez uma pequena turnê pela Itália. Eclético, no fim de 2017, o grupo também participou da apresentação da cantora Anitta no show da virada, na Praia de Copacabana, para um público estimado em 2,5 milhões de pessoas.

ORQUESTRA DE CÂMARA E CANTO E CORAL DA ROCINHA

Os dois projetos fazem parte da Escola de Música da Rocinha, que este ano completa 25 anos de trabalho voltado para os jovens de uma das favelas mais conhecidas do país. A instituição, que conta com a chancela da Unesco, foi fundada pelo professor de música alemão Hans Ulrich Koch que, impressionado com as disparidades sociais na cidade, resolveu dar a chance de ter contato com o universo musical também a quem não podia pagar.

Hoje a escola oferece 19 tipos de aulas de instrumentos e canto diferentes, com um repertório que inclui música erudita, popular e folclórica. Embora o foco sejam crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos, vários estudantes quando chegam à maioridade continuam na instituição. A Orquestra de Câmara, que este ano participou do Rio Montreaux Jazz Festival, conta hoje com cerca de 100 músicos.

O Coro da Rocinha, que é dividido em um grupo infanto-juvenil e outro juvenil, reúne mais 60 jovens. Os jovens cantores da Rocinha já se apresentaram, entre outros, ao lado do cantor inglês Roger Waters, de Roberto Carlos e de Zezé de Camargo e Luciano.

ORQUESTRA SINFÔNICA JOVEM DO RIO DE JANEIRO

Nos moldes da então bem-sucedida experiência didática musical El Sistema, da Venezuela, a ONG foi criada em 1994 pelo já falecido maestro David Machado. Hoje a iniciativa, que é dirigida por sua viúva, a violoncelista e produtora cultural Fiorella Solares, está presente no Rio e em mais dois estados (Paraíba e Rondônia) e atende a mais de 3900 jovens.

Com o foco em jovens em situação de vulnerabilidade social, a Ação Social Pela Música do Brasil tem núcleos de aprendizado em várias áreas carentes do Rio, como o Morro dos Macacos, em Vila Isabel; o Morro do Alemão, em Inhaúma; e as comunidades de Rio das Pedras e Cidade de Deus, as duas últimas em Jacarepaguá. O contato de crianças e adolescentes com a música nesses locais vem mostrando resultados muito positivos, sobretudo quanto à prevenção e combate às drogas e à violência.

A Orquestra Sinfônica Jovem do Rio, com instrumentos de corda e sopro, é um dos projetos que traduzem concretamente o trabalho da instituição, revelando talentos e abrindo portas para o caminho profissional. O grupo que reúne cerca de cinquenta jovens já se apresentou na Sala Cecília Meireles e eventos como o Rio Harp Festival, que reúne músicos de mais de vinte países.

Leilão de guitarras para ajudar a reflorestar a Amazônia

Iron Maiden (Divulgação – Tommy M)

Em parceria com o Rock in Rio, maior festival de música e entretenimento do mundo, a eSolidar, plataforma de impacto social que oferece às instituições de caridade ferramentas fáceis para atrair recursos e aumentar a visibilidade, está leiloando itens de bandas, assinados por artistas nacionais e internacionais. A iniciativa faz parte do Fans for Change – leilão por mundo melhor, que tem como objetivo reverter todo o valor arrecadado em árvores para o projeto Amazonia Live, braço socioambiental do Rock in Rio.

Entre os artigos estão as guitarras do Korn, Scorpions, Iron Maiden, Foo Fighters, Bebe Rexha, Ellie Goulding, Tenaciouns D, Simoninha, Paralamas do Sucesso e Anitta; o prato de bateria do Maroon 5; o teclado do Charlie Puth e a camiseta autografada do Rock in Rio 2017 por Johnny HookerLiniker e Almério.

Os interessados em dar lances devem ficar atentos às datas. Quem deseja participar dos leilões de itens do Korn, Maroon 5 ou Simoninha, por exemplo, têm até o dia 9 de outubro. Para quem quiser arrematar artigos dos ParalamasIron MaidenFoo FightersBebe Rexha ou Tenaciouns D tem até o dia 11 de outubro. Os lances podem ser dados no link.

Já para os que não puderem participar dos leilões também é possível contribuir por meio dos pacotes de donativos, disponíveis para a plantação desde 1 a 100 novas árvores.

Além de leilões, a eSolidar conta com outros recursos para auxiliar as instituições. Entre eles, as compras nas lojas vinculadas às ONG’s, a aquisição de um dos mais de 2.300 produtos disponíveis na plataforma e ainda o eSolidar Business, que tem o objetivo de tornar empresas socialmente mais responsáveis engajando seus colaboradores e comunidade.

Acesse www.esolidar.com e junte-se a maior comunidade solidária do mundo.

Da Redação, com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.