Latinha ou garrafa de vidro retornável, o que é mais sustentável?

Campanha no Rio quer estimular consumo de cerveja em latinha durante a Copa. Já cervejaria aposta em fábrica de garrafas a partir da reciclagem de cacos de vidro. O tema é o destaque do Boas Ações na semana

Fábrica que produz garrafas no Rio é uma das maiores recicladoras de cacos de vidro na América Latina (Foto: Divulgação Ambev)

Copa do Mundo é sinônimo de alegria, emoção e… cerveja! A bebida é, sem dúvida, a preferida dos brasileiros e a mais pedida durante as partidas de futebol. A partir deste domingo (17), estreia do Brasil no Mundial da Rússia, clientes do bar Hocus Pocus DNA, em Botafogo, zona sul carioca, poderão participar da campanha ‘Quem Torce pelo Mundo Bebe na Latinha’.

A ação promocional lançada pelo Vá de Lata – movimento que busca conscientizar a população sobre as vantagens sustentáveis das latinhas frente a outras embalagens para bebidas -, tem como meta reflorestar o equivalente a 10 campos de futebol da Mata Atlântica e chamar a atenção do consumidor para os benefícios da embalagem mais reciclada do mundo.

Mas, afinal, o que é mais sustentável? Latinha ou garrafa de vidro? Conforme estudo conduzido pela Resource Recycling Systems, a lata de alumínio é a embalagem mais sustentável e com o maior índice de reciclagem do mundo – 69%, contra apenas 43% do PET e 46% do vidro. No Brasil, o índice de reciclagem de latas chega a 98%, tornando o país líder no ranking.

Entretanto, cervejarias têm apostado nas garrafas retornáveis em suas estratégias de sustentabilidade. Desde 2014, mais de 12.425.000 toneladas de vidro deixaram de circular no mercado brasileiro. O volume corresponde a quase 32 estádios do Morumbi, localizado em São Paulo, cheios do material. As garrafas retornáveis podem ser reutilizadas cerca de 20 vezes. Atualmente, uma em cada quatro garrafas vendidas nos mercados já segue esse padrão e o número deve aumentar nos próximos anos.

No Rio de Janeiro, a Ambev mantém uma fábrica que produz garrafas de vidro a partir da reciclagem de cacos. A unidade é uma das maiores recicladoras de cacos de vidro na América Latina. Aproximadamente 50% da matéria-prima utilizada ali são cacos de vidro, ou seja, de cada dez garrafas produzidas pela cervejaria, cinco são fabricadas totalmente com material reciclado.

O tema é o destaque do roteiro de Boas Ações da semana, que traz iniciativas socialmente responsáveis e ambientalmente justas realizadas por empresas, marcas e organizações, principalmente no Rio de Janeiro. Confira e compartilhe boas ideias! Envie sua sugestão para a gente pelo email boasacoes@vidaeacao.com.br

A cada duas latinhas, uma muda de árvore plantada em seu nome

Quem Toma pelo Mundo Bebe na Latinha

A campanha ‘Quem Torce pelo Mundo Bebe na Latinha’ funciona assim: até as 23h59 (horário de Brasília) do dia 15 de julho, final do campeonato mundial de futebol, o consumidor que comprar ao menos duas latinhas de bebidas em um dos bares parceiros nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro ou Porto Alegre, ou em qualquer supermercados do país, e fizer o cadastro do comprovante fiscal no site vadelatapelomundo.com.br terá uma muda de árvore plantada em seu nome, além de automaticamente concorrer a uma das 20 cervejeiras que serão sorteadas pelo país.

A estratégia da campanha é utilizar a sazonalidade do campeonato mundial de futebol, quando o consumo de bebidas deve aumentar, para promover o debate acerca das vantagens da escolha das latas de alumínio para o meio ambiente e para o planeta, daí o mote da campanha ‘Quem Torce pelo Mundo Bebe na Latinha’.

Segundo os organizadores, a embalagem de alumínio também gela as bebidas mais rápido, além de ser muito prática e de fácil transporte para qualquer situação de consumo, seja um churrasco ou uma festa com os amigos. As latas ainda preservam o sabor original do produto porque impedem a incidência de luz e o contato com oxigênio; e não quebram, garantindo a segurança nos eventos. A lista completa de bares parceiros está no site da promoção, onde o regulamento completo poderá ser acessado e o anúncio do vencedor será feito.

Embalagens retornáveis entre as metas de cervejaria

Fábrica de vidros da Ambev
Fábrica de vidros da Ambev que produz garrafas long neck (Foto: Divulgação)

Para facilitar a troca dessas embalagens, a Cervejaria Ambev investiu na instalação de mais de 1000 máquinas de coleta por todo o país, que, em 2017, coletaram mais de 115 milhões de vasilhames. Dona de marcas como Skol, Brahma, Antarctica e Guaraná, a cervejaria Ambev vê crescer as embalagens retornáveis em seu portfólio e no setor. A empresa investiu mais de R$ 1 bilhão para projetos voltados para ampliar a sustentabilidade em sua operação. O montante contribuiu para a superação de seis das sete metas anunciadas em 2013 para serem atingidas em 2017.

Agora, a cervejaria anunciou mais um passo importante nesse trabalho, com novos compromissos, que tem previsão de atingimento até 2025. As metas, definidas pela AB InBev globalmente, são divididas em quatro pilares, sendo que um deles se refere especificamente às embalagens retornáveis: Embalagem Circular: 100% dos produtos da Cervejaria Ambev devem estar em embalagens retornáveis ou que sejam majoritariamente feitas de conteúdo reciclado. Os outros são ações climáticas, gestão da água e agricultura inteligente.

Campanha #desencanudese, contra os canudos plásticos

desencanudese-campanha-yazigi
Desencanude-se é o tema da campanha lançada pelo Yazigi

Ainda sobre o tema bebidas, os canudos plásticos se tornaram o novo inimigo a ser atacados, já que podem levar 500 anos para se decompor na natureza, causando impactos ambientais sérios como ingestão acidental por animais. No Rio de Janeiro, como mostramos no Boas Ações da semana passada, pelo menos três leis coíbem o uso desses acessórios. De carona nesse movimento, o Yázigi  resolveu mobilizar seus alunos em todo o país em uma campanha para reduzir o uso de canudos plásticos.

A ação #desencanudese faz parte do Act to Impact, programa que aproveita o aprendizado de idiomas como ferramenta para que o estudante se engaje como cidadão global por meio de práticas que contribuam para o mundo e seu desenvolvimento pessoal. A campanha desafiou estudantes da rede de idiomas a ficarem um mês sem canudos plásticos e, durante esse período, lançou desafios nas redes sociais com a sustentabilidade como mote. Os desafios incluíram, por exemplo, publicar vídeos engajando outras pessoas a tomar refrigerante sem usar canudinho, propondo alternativas criativas e sustentáveis ao objeto ou usando canudo de material biodegradável.

Alinhada às Global Goals, metas mundiais de desenvolvimento sustentável para 2030, a campanha mobilizou 60 mil alunos da rede, além das pessoas que eles envolveram nos desafios por um mundo mais sustentável. Até o momento, a campanha já rendeu cerca de mil postagens no Instagram e no Facebook de pessoas que se mobilizaram em defesa do meio ambiente. Em São Luís (MA), por exemplo, alunos do Yázigi percorreram a Avenida Litorânea recolhendo resíduos sólidos e impedindo que eles fossem parar no mar.

Fórum no Rio discute Comércio Justo e Ético

Estudos recentes revelam que dois terços das compras mundiais de produtos de comércio justo e ético na União Europeia ocorrem dentro da Europa. Mas cerca de 40% destes consumidores estão dispostos a pagar mais por um produto no qual a produção ajude os países em desenvolvimento, preserve o meio ambiente e respeite as condições sociais dos produtores. De olho nesta oportunidade, o Rio sedia o primeiro Fórum de Discussão sobre Comércio Justo e Ético entre a União Europeia e o Brasil.

Com o evento, que será realizado no dia 21 de junho,  no Hotel Pestana, a União Europeia pretende identificar e compartilhar as melhores práticas, aumentar a conscientização sobre as oportunidades oferecidas pelo setor, aproximando formuladores de políticas da UE e do Brasil, instituições governamentais, produtores comerciais (exportadores e importadores), associações e organizações de consumidores e da sociedade civil envolvidas neste setor.

Com um foco inclusivo, o Fórum terá a duração de um dia e pretende ser um espaço de capacitação e de networking. No período da manhã, o  evento terá três painéis temáticos, no qual serão abordados o panorama global do comércio justo e ético; a estratégia nacional e o comércio justo e ético no Brasil, assim como as oportunidades comerciais para a União Europeia para os produtos brasileiros, com os últimos marcos regulatórios do mercado europeu e dos mercados nacionais.

A tarde será dedicada ao workshop como desenvolver os produtos de comércio justo no Brasil e a ampliar a sua comercialização para a Europa. Como desenvolver uma comunidade brasileira de comércio justo; quais os requisitos legais e as certificações necessárias; como trabalhar com as organizações internacionais e como se engajar no comércio justo são as questões que serão aprofundadas durante essas oficinas de informação.

Hospitais estaduais do Rio ganharão paineis solares

 

Os hospitais estaduais do Rio de Janeiro deverão ter painéis solares fotovoltáicos, que convertem energia da luz do sol em energia elétrica. É o que determina o projeto de lei 1.125/15, do deputado Filipe Soares (DEM), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta quinta-feira (14/06), em primeira discussão. O texto ainda precisa ser votado em segunda discussão pela Casa. As unidades hospitalares terão que instalar os painéis a partir da data da publicação da norma. “Os painéis solares fotovoltáicos fomenta a sustentabilidade, já que a energia solar é renovável e limpa. O objetivo da proposta é preservar o meio ambiente”, afirmou Filipe Soares.

Campanha do Agasalho na Casa de Saúde São José

A Casa de Saúde São José, no Humaitá (Rio de Janeiro), recebe doações de casacos e cobertores até o dia 25 de junho. A Campanha do Agasalho organizada pelo hospital irá beneficiar pessoas em vulnerabilidade social atendidas pela Associação Congregação de Santa Catarina. Os itens podem ser entregues na Casa de Saúde São José, que fica na Rua Macedo Sobrinho 21, das 9h às 17h. O contato para o agendamento das entregas é o (21) 2538-7702.

 

App de delivery de japonês cria Fundo Corrente Marinha

O recém-lançado aplicativo de delivery de culinária japonesa JAPP criou o Fundo Corrente Marinha que tem o intuito de garantir a preservação da fauna marinha e a perpetuação da culinária japonesa para as gerações futuras, permitindo que os usuários se tornem clientes responsáveis. Todos os 30 restaurantes que fazem parte do app doam 1% do valor dos pedidos para programas ambientais que apoiam a pesca local como forma de manter o ecossistema. O projeto é uma parceria com o programa Pesca + Sustentável (criado pela Conservação Internacional para divulgar junto a pescadores regras de manejos adequados para a preservação das espécies e dos ecossistemas) e a empresa social de consultoria ambiental Roda Ambiental.

‘Doe livros, faça histórias’ recebe doações

Doe livros, faça histórias

Com o objetivo de melhorar a educação e incentivar o hábito da leitura, o Instituto João e Maria Backheuser (IJMB) lançou a campanha “Doe livros, faça histórias”. Livros de literatura infantil e adulto, novos ou usados e em bom estado, serão doados para a rede pública de ensino do munícipio de Casimiro de Abreu, no interior do Rio de Janeiro. A campanha possui dois pontos de coleta: um no em São Cristóvão, zona norte do Rio, e outro em Casimiro de Abreu. Existe uma lista no site da Livraria da Travessa com títulos selecionados pela Comunidade Educativa CEDAC, parceira do instituto.

Festa junina com empréstimo de livros em Madureira

O Projeto Livros nas Praças escolheu Madureira para os festejos de São João. Durante o evento nesta sexta-feira (15), um ônibus-biblioteca estará estacionado na Praça Miranda Ribeiro, no distrito de Turiaçu, às 11h30, fazendo empréstimo de livros. O ônibus conta com acervo de mais de 2.000 exemplares, formado 80% por livros de autores brasileiros, como Ana Maria Machado, Monteiro Lobato, Paulo Coelho e Thalita Rebouças. As atividades têm como objetivo a democratização e o acesso de crianças e jovens ao mundo literário. A entrada para a festa é gratuita. O projeto “Livros nas Praças”, apoiado pela Lamsa e pelo Instituto Invepar, foi inaugurado em novembro de 2012 e já atendeu mais de 142 mil visitantes-leitores em seu ônibus literário.

Da Redação, com Assessorias – Sugestões para boasacoes@vidaeacao.com.br

In the news
Leia Mais