Médico de 65 anos é o primeiro paciente em estado grave no Rio

É o 31º caso confirmado de Covid-19 no Estado. Secretário estadual de Saúde faz apelo à população para que evite aglomerações

Redação

É considerado gravíssimo o estado de saúde do médico nefrologista de 65 anos, diagnosticado com o novo coronavírus. O ex-vereador Edison Régio de Moraes Souza, conhecido como Dr. Edison da Creatina, está internado em estado grave em um hospital particular da zona norte carioca. É o segundo caso grave no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde – o primeiro é o de uma mulher no Distrito Federal.

Segundo a pasta, até a tarde desta segunda-feira (16), 31 casos de coronavírus no Estado do Rio de Janeiro. Outros 96 pacientes são suspeitos e 153 casos foram descartados. No Brasil, são 234 casos confirmados.

Na noite de domingo, o governador Wilson Witzel se manifestou sobre o caso. “O sistema respiratório [está] comprometido. [O paciente] já está entubado, gravíssimo”, afirmou. Edmar Santos, secretário estadual de Saúde, falou sobre o estado de saúde do paciente e voltou a apelar para que a população fique em casa neste momento.

(O paciente) apresentou pequena melhora, mas segue muito grave. A Itália, há um mês, estava numa situação igual a nossa hoje. Atualmente, é uma tragédia humanitária. As ruas só estão vazias depois que morreram mais de mil pessoas. Precisamos esvaziar as ruas hoje antes que haja algum morto”, recomendou o secretário.

O médico apresentou sintomas de febre, tosse, dificuldades respiratórias no dia 11 de março. Ainda não se sabe como ele foi infectado. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, o paciente teve histórico de viagem nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas e também não teve contato direto com casos confirmados nem suspeitos.

A população precisa ficar em casa. Só assim poderemos conter essa epidemia. Se isso não acontecer, teremos outros casos semelhantes ao deste idoso. Precisamos proteger nosso pais e avós, que são mais vulneráveis”, reafirmou Edmar Santos.

Junto com o governador Wilson Witzel e outras autoridades, Santos participa de uma entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul.

Nível 2 do plano de contingência

O Estado do Rio de Janeiro encontra-se no nível 2 do seu plano de contingência. Na cidade do Rio de Janeiro, já foram registrados casos de transmissão comunitária. Há ainda 95 suspeitos no Estado do Rio de Janeiro. Os casos confirmados estão distribuídos da seguinte maneira: Rio de Janeiro (23), Niterói (1) e Barra Mansa (1), sendo 10 homens e 14 mulheres. Todos os outros 24 estão em isolamento domiciliar e apresentam estado de saúde estável.Plano de contingência

Criado no início de fevereiro, o plano de contingência para enfrentar uma possível epidemia de coronavírus no Estado do Rio tem a intenção de sistematizar ações e procedimentos de responsabilidade da esfera estadual de governo. Os níveis de acionamento (zero, um, dois e três) foram organizados de acordo com parâmetros epidemiológicos, como números de casos (Saiba mais aqui).

O primeiro objetivo estratégico do plano de contingência é intensificar medidas de segurança para conter a transmissão humano a humano, incluindo as infecções secundárias entre pessoas próximas e profissionais de saúde. Caso uma pessoa apresente sintomas e sinais de doenças respiratórias, ela será identificada imediatamente, isolada e atendida da forma como preconizam a OMS e o Ministério da Saúde.

Para mais informações, acesse www.saude.rj.gov.br

Procura por supermercados chega crescer 28% no Rio

A Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj) registrou aumento de 9,2% nas vendas, em geral, nos supermercados do Rio no último final de semana, dias 14 e 15 de março, se comparado ao final de semana passado. Algumas lojas das regiões mais procuradas, localizadas na da Zona Sul, Barra, Jacarepaguá e Recreio, apresentaram aumento de até 28% nas vendas.

A entidade voltou a tranquilizar a população e reiterar ainda que, nesse momento, não há necessidade de corrida aos supermercados e estoque de mercadorias nas residências. Em nota, informou que alguns bairros da zona sul e da zona oeste da cidade, como Barra da Tijuca, Recreio e Jacarepaguá que apresentaram um grande movimento na última sexta e sábado, já tiveram um movimento menor nas lojas neste domingo (15). “Isso mostra que o consumidor está mais cauteloso e compreensivo”, ressalta a entidade.

Entretanto, a alta procura por determinados produtos nessas regiões pode ter causado a falta momentânea de mercadorias em algumas redes de supermercados. Itens como papel higiênico, sucos, leite e alimentos congelados foram os mais procurados até o momento.  “A reposição dessas mercadorias já está sendo feita, uma vez que as redes possuem estoque em suas unidades ou Centros de Distribuição, além de estarem reforçando também o quadro logístico, aumentando o número de funcionários para que a reposição seja feita no menor tempo possível”, informa.

O único item que também foi bastante procurado, mas apresenta baixo estoque, no momento, é o álcool em gel. De acordo com a Asserj, as redes já estão trabalhando no reabastecimento do produto junto aos fornecedores. “Continuamos preparados e monitorando a situação junto aos órgãos competentes, além de estarmos tomando medidas preventivas para garantir uma melhor entrega para a população. Entre as ações já adotadas estão: o estreitamento de parcerias com os fornecedores para antecipar os pedidos de compras e garantir um melhor abastecimento para a sociedade”, destaca a associação

Com Assessorias