Melasma: é possível prevenir as indesejáveis manchas no rosto

Assim como Mariana Xavier, Cléo Pires e Ivete Sangalo, a namorada de Cauã Reymond, Mariana Goldfarb, também sofre com doença crônica da pele que afeta principalmente o rosto

Redação
Mariana Goldfarb, namorada de Cauã Reymond, sofre com melasma (Foto: Divulgação)

melasma-mariana-goldfarb

Tá frio, né? Pois basta os dias ficarem mais frios e nublados, durante o inverno, para que parte das pessoas deixe de usar o protetor solar. É por isso que, frequentemente, alguns casos de melasma no rosto podem se agravar nessa época do ano. A doença crônica da pele está associada à exposição solar e dentre suas possíveis causas, estão as alterações hormonais, como as que ocorrem durante a gravidez.

Várias celebridades como Mariana Xavier, Cléo Pires e Ivete Sangalo já falaram abertamente sobre o diagnóstico e como encararam o problema do melasma no rosto. A celebridade da vez foi Mariana Goldfarb (foto), namorada de Cauã Reymond. De férias, nas Maldivas,  recentemente a apresentadora do canal OFF publicou no seu perfil no Instagram uma foto em que aparece sem maquiagem com um texto de aceitação.

Prazer, Mariana. Do jeito que é. Não peço que me aceites, não peço que me entendas, mesmo porque não poderias, não me conheces… Sou peixe, passarinho, borboleta. Para me entenderes, tens de ser também. Ps: Eu uso filtro solar todos os dias, e se eu tivesse um conselho pra você seria: use também”, escreveu ela no post.

A dermatologista Anita Rotter, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, confirma: “A incidência de raios UV no inverno é tão prejudicial para a pele quanto no verão, por isso, o uso diário do protetor solar é indispensável a todos, principalmente em casos de melasma“.

Por isso, é preciso falar com o dermatologista sobre as possibilidades de tratamento durante o período do frio. “Já que nessa época frequentamos menos praias e piscinas, diminuindo a exposição ao sol, o médico pode indicar produtos clareadores mais potentes, além de procedimentos em consultório para tratar as manchas, como peelings químicos ou laser”, afirma. E mesmo com o sol escondido, o protetor solar deve ser usado diariamente, já que a exposição desprotegida pode escurecer o melasma.

O que é o melasma?

“Melasma é uma doença dermatológica crônica, mais frequente em mulheres, que provoca o surgimento de diversas manchas escuras, acastanhadas, e acomete mais comumente a face, mas pode ocorrer em outras áreas do corpo, como braços e o cólo”, explica a dermatologista Andréa Sampaio, da Clínica Dermasense.

Segundo a biomédica Luciana Godinho, especializada em estética facial e corporal, é mais comum o aparecimento em mulheres na faixa dos 20 aos 50 anos. No entanto, homens também estão sujeitos à doença. “O melasma não tem cura, mas tem tratamentos que diminuem as manchas, deixando-as menos aparentes”.

Causas

Segundo a dermatologista Andrea Sampaio, a sua fisiopatologia ainda não está bem esclarecida, mas há fatores que sabidamente aumentam a predisposição ao melasma. É uma dermatose mais comum em mulheres, especialmente em idade fértil ou em uso de hormônios femininos, com exposição crônica à radiação UV, além de fatores genéticos, uso de determinados medicamentos e outros. “O melasma não tem uma única causa definida, mas sim um conjunto de ações. O principal deles é o excesso de exposição ao sol, por isso é tão importante o uso de filtro solar diariamente”, explica a biomédica Luciana Godinho.

Na gestação

Mas não é apenas da exposição solar que o melasma pode surgir na pele. Segundo a especialista, há indícios de que o problema possa acontecer devido ao uso de alguns medicamentos como o anticoncepcional, predisposição genética, além dos fatores hormonais. Além disso, a gravidez também pode provocar o surgimento das manchas. O aumento nas chances de melasma durante a gestação deve-se ao estímulo hormonal, que leva à maior produção de melanina, responsável pela pigmentação da pele.

O uso do protetor solar deve ser reforçado nesse momento da vida. É importante destacar que a luz visível também está associada ao aparecimento do melasma, assim, a proteção deve ser feita mesmo em ambientes fechados. Uma sugestão é utilizar protetor solar com cor, que promove uma proteção ainda maior à luz visível”, finaliza.

Tratamento

Se você se identificou com os sintomas, não há motivos para ficar desesperada. Segundo a dermatologista Andréa Sampaio, o tratamento do melasma é difícil e deve ser feito por um dermatologista capacitado. “Há algumas modalidades de tratamento descritas como peelings seriados e microagulhamento, feitos em consultório médico. O tratamento do melasma sempre devem estar acompanhados de tratamento em domicílio com despigmentantes e protetores solares de amplo espectro.”, explicou.

Para a biomédica Luciana Godinho, o peeling é um tratamento muito eficaz para eliminar de vez as manchas da pele. “No peeling, são aplicados ácidos sobre a pele, ajudando a remover as camadas danificadas e células mortas por meio da descamação. O procedimento incentiva o surgimento de uma camada de pele lisa, elástica, suave e com viço”, esclarece. A biomédica ainda confirma que os resultados são visíveis já na primeira sessão. Além de eliminar as manchas do melasma no rosto, o peeling promove o aumento da produção de colágeno e hidratação da pele.

Como prevenir

A prevenção neste caso é o mais importante, já que trata-se de doença crônica, de difícil tratamento! É importante uso de filtros solares, especialmente aqueles com cor ou proteção contra a luz visível, chapéus ou viseiras. Manter-se em acompanhamento no dermatologista, periodicamente.

“Já que o sol pode causar as manchas de melasma no rosto, o ideal é se proteger sempre, utilizando bonés, chapéus, visores e, principalmente, o protetor solar no rosto e no corpo, com fator de proteção acima de 30. E, a qualquer sinal diferente, procure um dermatologista, pois o melasma pode mascarar um câncer. Como são manchas escuras, podem dificultar a identificação de um melanoma, por exemplo”, finalizou a dermatologista Andréa Sampaio.

Da Redação, com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.