Mês das Mães: por que é importante a mulher manter os exames em dia?

Veja os exames que devem ser realizados pelas mulheres ao longo da vida e que também ajudam a garantir sua saúde reprodutiva

Mulher em consulta-médica (Imagem de Javi Indy, via br.freepik.com)

O Mês das Mães chama atenção para a saúde feminina e a importância da prevenção. Uma pesquisa do Datafolha, realizada a pedido da Federação Brasileira da Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), apontou que oito em cada dez mulheres consideram a consulta ginecológica uma prioridade e a prevenção é o principal motivo que as levam ao consultório.   

Fazer exames de rotina é a orientação do Ministério da Saúde, da Febrasgo e das associações médicas regionais. Os órgãos ressaltam que, a partir da primeira menstruação, cada fase da vida demanda consultas e procedimentos que podem diagnosticar problemas inicialmente assintomáticos ou despercebidos nos exames clínicos.  

O check-up com mamografia, ultrassonografias, Papanicolau, colposcopia e os exames de análise clínica de sangue e de urina permitem o acompanhamento da saúde da paciente. Por detectar alterações de forma precoce, as investigações podem aumentar as chances de cura.

A mamografia, por exemplo, é parte das estratégias para diagnóstico e rastreamento do câncer de mama. Sua realização está preconizada nas Diretrizes para a Detecção Precoce do Câncer de Mama no Brasil, organizadas pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Já as ultrassonografias fazem parte do Protocolo de Atenção Básica da Saúde da Mulher desenvolvido pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. As regiões pélvica e da mama demandam acompanhamento por meio desses exames de imagem.

Entenda a importância de cada exame   

Exames de análises clínicas  

Não há check-up sem exame de sangue e de urina. A Febrasgo destaca que análises clínicas servem para verificar se os componentes dos fluidos estão nos níveis normais e para avaliar alterações hormonais. As análises clínicas do hemograma completo, da microbiológica da urina ou de secreção vaginal permitem identificar doenças infecciosas sexualmente transmissíveis, além de fazer o rastreamento infeccioso.

Papanicolau   

Depois de iniciar a vida sexual, toda mulher precisa fazer esse exame ginecológico, também conhecido como preventivo. O Papanicolau permite o diagnóstico de câncer de colo uterino ou de infecções sexualmente transmissíveis como tricomonas, HPV, candidíase, sífilis, clamídia, entre outras. A recomendação da Febrasgo é que o exame seja feito a partir dos 25 anos, até os 64 anos de idade. O exame é feito a partir da raspagem das células externas e internas no colo do útero. Esse material é enviado para análise laboratorial, que aponta fungos, bactérias e eventuais anormalidades identificados na amostra. 

Colposcopia   

De acordo com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), a colposcopia é indicada nos casos de alteração do colo do útero, das paredes vaginais ou da vulva, como mudanças celulares benignas, tumores vaginais e sinais de infecção ou inflamação.  

Além de ser um exame de rotina, pode ser usada para complementar o Papanicolau, quando é percebida alguma alteração não identificada com clareza. O ginecologista aplica diferentes produtos no colo do útero e na vagina. Então, ele observa, com um binóculo, se há alguma alteração na região e, se necessário, coletar amostras para biópsia. O procedimento pode causar desconforto ou ardência.   

Mamografia   

Quanto mais cedo o diagnóstico do câncer de mama for feito, mais chances de cura a doença tem. Segundo o Inca, em 2019, o Brasil registrou mais de 59 mil novos casos de câncer de mama. É o quinto tipo de câncer que mais causa mortes no mundo inteiro. Além do auto exame, a mamografia é essencial para diagnosticar a doença.

Trata-se de uma radiografia com imagens de altíssima qualidade. Durante o procedimento, o seio é colocado entre as duas placas do mamógrafo, que emite raios-x para produzir as imagens, feitas a partir da compressão das mamas. É comum que pacientes relatem desconforto na realização.   

A recomendação dos órgãos de saúde é que a primeira mamografia seja feita entre os 35 e 40 anos. O exame é indicado para mulheres com menos idade apenas em casos de histórico familiar ou de suspeita de câncer de mama. A frequência é definida pelo ginecologista. 

É importante lembrar de fazer esse exame mesmo fora da campanha Outubro Rosa, pois ele consegue analisar todo o tecido da mama e identificar nódulos que ainda não estejam visíveis ao toque. O exame tem se mostrado eficiente para a descoberta da doença, por localizar sinais de tumores antes que seja possível palpar as lesões.   

Ultrassonografia da mama   

Outro procedimento de imagem preconizado é a ultrassonografia das mamas, que contribui para detectar nódulos, cistos, secreções nos mamilos e espessamento do tecido mamário. O exame ainda avalia o estado de próteses mamárias e o resultado de tratamento quimioterápico.  No exame, o médico desliza o transdutor nos seios, após a aplicação de um gel, obtendo imagens da estrutura interna em tempo real. A investigação pode ser solicitada em combinação com a mamografia.   

Ultrassonografia transvaginal

A ultrassom transvaginal permite a análise com maior precisão do útero e dos ovários, a partir das imagens capturadas pelo transdutor introduzido na vagina. O equipamento observa o aparelho reprodutor, permitindo a avaliação de órgãos genitais e identificando patologias.

O exame pode diagnosticar problemas na região pélvica e seus órgãos internos, como câncer, cistos, infecções e até gravidez ectópica. Para as grávidas, o exame serve para verificar a placenta, ouvir o batimento cardíaco do feto e até identificar sinais de um possível aborto espontâneo.

Ultrassom pélvico

Também com foco no aparelho reprodutor feminino, o ultrassom pélvico capta imagens a partir de uma sonda colocada na parte exterior do abdome. Combinados, estes dois ultrassons podem ajudar a detectar ovários policísticos, gravidez ectópica, endometriose, sangramentos vaginais, útero aumentado e causas de infertilidade.  

Ultrassom da tireoide

Segundo o Inca, o câncer de tireoide é três vezes mais presente em mulheres do que em homens. No início, esse tipo de câncer não apresenta muitos sintomas, por isso é importante fazer o exame para detectá-lo, pois se descoberto cedo, pode logo ser tratado, já que a tireoide é um órgão do nosso corpo que pode ser removido sem grandes problemas.  

Densitometria óssea

Esse exame é muito importante para as mulheres da terceira idade, especialmente depois dos 65 anos, ele é capaz de identificar doenças que afetam os ossos, como a osteoporose, doença que pode atingir mulheres na pós-menopausa.

Fontes: Febrasgo, Rede DOr São Luiz e Vida Class

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais