O futuro da nação em risco: mortalidade materna no Brasil ainda é muito alta

Taxa é de 60 óbitos a cada 100 mil nascidos vivos: OMS recomenda 20. Unicef alerta para riscos em partos por conta da pandemia

Redação
mulher grávida

De acordo com a OMS, cerca de 830 mulheres morrem todos os dias no mundo por conta de complicações na gravidez e no parto. De acordo com a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo, o Brasil segue ainda bem acima da meta da Organização das Nações Unidas para 2015, que previa a redução de 35 para cada 100 mil nascidos vivos. E mais longe ainda do patamar tido como aceitável pela Organização Mundial de Saúde, de 20 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos.

Já o Ministério da Saúde comemora que o Brasil conseguiu reduzir em 8,4% entre 2017 e 2018 a Razão de Mortalidade Materna (RMM), um dos principais indicadores de qualidade de atenção à saúde das mulheres no período reprodutivo. Em 2018, a RMM no país foi de 59,1 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos, enquanto no ano anterior era de 64,5. Os números estão em boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgados na mesma semana em que se comemora o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna.

Em uma iniciativa global das Nações Unidas, conhecida como Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o Brasil foi convocado para um esforço de eliminação da mortalidade materna evitável entre os anos de 2016 e 2030. Uma das metas é reduzir a razão de mortalidade materna global para menos de 70 mortes maternas por 100 mil nascidos vivos. Dessa forma, todos os estados têm investido em ações de enfrentamento da mortalidade materna e de fortalecimento da atenção à saúde materno-infantil”, informou o Ministério.

Entre 2017 e 2018, os maiores percentuais de redução da RMM foram observados nas regiões Norte (redução de 9,1%; RMM de 88,9 para 80,8), Nordeste (redução de 8,3%; RMM de 73,2 para 67,1) e Sudeste (redução de 14,6%; RMM de 62,3 para 53,2). A Região Sul apresentou discreta redução de 0,7% (RMM de 38,5 para 38,2) e a Região Centro-Oeste registrou aumento de 14% na RMM, de 56,9 para 64,9. No Brasil, em 2009, apenas 55% dos óbitos de mulher em idade fértil (entre 10 e 49 anos de idade) foram investigados. Já em 2018, esse percentual subiu para 91%, o que demonstra uma melhora da cobertura de investigação com maior acompanhamento e qualificação desses dados.

Mundo terá 116 milhões de nascidos durante a pandemia

Estima-se que 116 milhões de bebês nascerão sob a sombra da pandemia de Covid-19, segundo o Unicef. Há uma previsão de que esses bebês nasçam em até 40 semanas depois que a Covid-19 – atualmente sobrecarregando sistemas de saúde e cadeias de suprimentos médicos em todo o mundo. No início de maio, o Unicef alertou que as medidas de contenção da Covid-19 podem atrapalhar serviços de saúde vitais, como assistência ao parto, colocando milhões de gestantes e seus bebês em grande risco.
Mães e recém-nascidos serão saudados por duras realidades, disse o UNICEF, incluindo medidas globais de contenção, como confinamentos, bloqueios e toques de recolher; centros de saúde sobrecarregados com os esforços da resposta à pandemia; escassez de suprimentos e equipamentos; e falta de pessoal qualificado para assistir o parto, incluindo parteiras, uma vez que profissionais de saúde estão sendo remanejados para tratar pacientes com Covid-19.
Milhões de mães em todo o mundo embarcaram em uma jornada de maternidade no mundo que existia. Elas agora precisam se preparar para trazer uma vida ao mundo como ele se tornou – um mundo onde as gestantes receiam ir aos centros de saúde por medo de ser infectada, ou estão perdendo cuidados emergenciais devido a serviços de saúde sobrecarregados e bloqueios e confinamentos”, disse Henrietta Fore, diretora executiva do UNICEF. “É difícil imaginar o quanto a pandemia de coronavírus reformulou a maternidade”.

Unicef e Sogesp alertam para a importância do pré-natal

O Unicef alerta que, embora evidências sugiram que mulheres grávidas não sejam mais afetadas pela Covid-19 do que outras pessoas, os países precisam garantir que elas ainda tenham acesso aos serviços de pré-natal, parto e pós-parto. Da mesma forma, os recém-nascidos doentes precisam de serviços de emergência, pois apresentam alto risco de morte. Novas famílias precisam de apoio para iniciar a amamentação e obter medicamentos, vacinas e nutrição para manter seus bebês saudáveis.

Em nota, a Sogesp reiterou seu compromisso histórico pela redução da mortalidade materna e recomendou que as gestantes não abandonem o pré-natal neste período de pandemia. “Não se deve tirar isso de foco jamais, mesmo diante de circunstâncias de enorme risco, como a representada hoje pela Covid-19. Os ginecologistas e obstetras têm essa consciência e compromisso. A assistência à gestante tem que continuar normalmente. É indispensável que as futuras mães estejam conscientes da importância de prosseguir com o acompanhamento à sua gravidez”, afirma a entidade, em nota.

Ainda de acordo com a Sogesp, “não é hora nem de se cogitar em abandonar o pré-natal. As gestantes precisam continuar se cuidando, com a meta de um parto tranquilo, seguro e humanizado, em uma estrutura organizada e estruturada”.  Para a a entidade, as principais causas da mortalidade materna (pressão alta, hemorragia e infecções) devem ser combatidas com atendimento de excelência e informação.

Para tanto, a Sogesp atua ininterruptamente pelo fortalecimento dos serviços de saúde, a eliminação das barreiras ao acesso, e a atualização dos especialistas em Ginecologia e Obstetrícia para lidar com todos os problemas que podem ocorrer durante a gestação, incluindo a pandemia de Covid-19″, afirmou a Sogesp em nota.

Mortalidade é alta em países

Mesmo antes da pandemia de Covid-19, cerca de 2,8 milhões de mulheres grávidas e recém-nascidos morriam a cada ano, ou um (uma) a cada 11 segundos, a maioria por causas evitáveis. O Unicef pede investimento imediato em profissionais de saúde com o treinamento certo, equipados com os medicamentos certos para garantir que todas as mães e recém-nascidos sejam atendidos por um par de mãos seguras para prevenir e tratar complicações durante a gravidez e o parto.

Os países com o maior número esperado de nascimentos nos nove meses desde a declaração da pandemia são: Índia (20,1 milhões), China (13,5 milhões), Nigéria (6,4 milhões), Paquistão (5 milhões) e Indonésia (4 milhões). A maioria desses países apresentava altas taxas de mortalidade neonatal mesmo antes da pandemia e podem ver o aumento desses níveis com as condições da Covid-19.

Até os países mais ricos são afetados por esta crise. Nos Estados Unidos, o sexto país em termos de número esperado de nascimentos, mais de 3,3 milhões de bebês devem nascer entre 11 de março e 16 de dezembro. Em Nova Iorque, as autoridades estão investigando centros alternativos de parto, pois muitas mulheres grávidas estão preocupadas com dar à luz em hospitais.

 

Complicações obstétricas

No Brasil, de 1996 a 2018, foram registrados 38.919 óbitos maternos no SIM, sendo que aproximadamente 67% decorreram de causas obstétricas diretas, ou seja, complicações obstétricas durante gravidez, parto ou puerpério devido a intervenções desnecessárias, omissões, tratamento incorreto ou a uma cadeia de eventos resultantes de qualquer dessas causas.

As causas obstétricas indiretas resultam de doenças pré-existentes à gestação ou que se desenvolveram durante esse período. De 1996 a 2018, essas causas foram responsáveis por 29% das mortes maternas e o restante foi classificado como causas obstétricas inespecíficas.

Em média, por ano, ocorreram 1.176 óbitos maternos diretos e 465 óbitos maternos indiretos. Chama a atenção, em 2009, o surto de influenza A (H1N1) que contribuiu para o aumento de óbitos maternos por causas obstétricas indiretas.

Entre os óbitos maternos ocorridos no Brasil, de 1996 a 2018, as causas obstétricas diretas que se destacaram foram: hipertensão (8.186 óbitos), hemorragia (5.160 óbitos), infecção puerperal (2.624 óbitos) e aborto (1.896 óbitos). Por sua vez, as causas obstétricas indiretas que se destacaram foram: doenças do aparelho circulatório (2.848 óbitos), doenças do aparelho respiratório (1.748 óbitos), Aids (1.108 óbitos) e doenças infecciosas e parasitárias maternas (839 óbitos).

No Brasil, em 2018, foram registrados 13 óbitos maternos de meninas com idade entre 10 e 14 anos e 17 óbitos maternos de mulheres com idade entre 45 e 49 anos, faixas etárias consideradas extremas para a fecundidade. Mulheres de raça/cor preta e parda totalizaram 65% dos óbitos maternos, enquanto mulheres que não vivem em união conjugal representaram 50% dessas mortes. Apesar de a escolaridade ter sido ignorada em 13% dos registros de óbitos maternos do SIM, mulheres de baixa escolaridade (menos de oito anos de estudo) corresponderam a 33% dos casos.

Orientações do Unicef

Em nome das mães em todo o mundo, o Unicef está apelando urgentemente aos governos e prestadores de serviços de saúde para salvar vidas nos próximos meses:

• Ajudando as mulheres grávidas para que tenham acesso a exames pré-natais, assistência especializada, serviços de assistência pós-natal e cuidados relacionados à Covid-19, conforme necessário;

• Assegurando o que os profissionais de saúde recebam o equipamento de proteção individual necessário e obtenham testes e vacinação prioritários assim que uma vacina contra a Covid-19 estiver disponível, para que possam oferecer atendimento de alta qualidade a todas as mulheres grávidas e recém-nascidos durante a pandemia;

• Garantindo que todas as medidas de prevenção e controle de infecção estejam em vigor nas unidades de saúde durante e imediatamente após o parto;

• Permitindo que os profissionais de saúde alcancem mulheres grávidas e novas mães por meio de visitas domiciliares, incentivando as mulheres que vivem em áreas remotas a que usem as casas de espera maternas e usando estratégias móveis de saúde para teleconsultas;

• Capacitando, protegendo e equipando os profissionais de saúde com kits higienizados de parto para atender partos domiciliares onde as unidades de saúde estiverem fechadas; e

• Alocando recursos para serviços e suprimentos vitais para a saúde materno-infantil.

Embora ainda não se saiba se o vírus é transmitido da mãe para o bebê durante a gravidez e o parto, o UNICEF recomenda que todas as mulheres grávidas:

• Sigam as precauções para se proteger da exposição ao vírus, monitorem de perto os sintomas da Covid-19 e procurem aconselhamento nas instalações designadas mais próximas se tiverem preocupações ou apresentarem sintomas;

• Tomem as mesmas precauções para evitar a infecção por Covid-19 que outras pessoas: pratiquem distanciamento físico, evitem reuniões físicas e usem serviços de saúde online;

• Procurem atendimento médico precoce se morarem em áreas afetadas ou de risco e tiverem febre, tosse ou dificuldade em respirar;

• Continuem amamentando o bebê, mesmo que estejam infectadas ou suspeitem estar infectadas, pois o vírus não foi encontrado em amostras de leite materno. Mães com Covid-19 devem usar uma máscara ao alimentar o bebê; lavar as mãos antes e depois de tocar no bebê; e limpar e desinfetar rotineiramente as superfícies;

• Continuem segurando e acalentando o recém-nascido, mantendo os cuidados físicos;

• Perguntem a sua parteira ou a seu/sua profissional de saúde onde eles acham que é o lugar mais seguro para dar à luz e tenham um plano de parto para reduzir a ansiedade e garantir que cheguem ao local a tempo; e

• Continuem com o apoio de saúde, incluindo imunizações de rotina, depois que o bebê nascer.

Medidas adotadas no brasil

O Ministério da Saúde  informou que os profissionais de saúde que atuam na assistência à saúde das mulheres, bem como gestantes puérperas e recém-nascidos, na atenção ao pré-natal, parto, parto e puerpério, recebem orientações para os cuidados a essa população diante da pandemia causada pelo novo coronavírus o SARS-Cov-2. As recomendações, divulgadas por meio de notas técnicas, foram produzidas com base em evidências científicas disponíveis, com orientações que poderão ser modificadas à medida que novos dados forem publicados.

A pasta orienta ainda que a assistência à saúde deve ser organizada de modo a garantir os atendimentos à mulheres e recém-nascidos durante este período, levando-se em consideração a adoção de protocolos, normas e rotinas para o acolhimento inicial e manejo adequado, nos casos suspeitos de Covid-19 nas  gestantes e puérperas .

Com relação aos atendimentos de rotina durante o período de risco de transmissibilidade, a pasta orienta que os serviços de saúde devem oferecer triagem diferenciada para pacientes com sintomas da doença, conforme sintomas e sinais de gravidade, além de recomendar isolamento domiciliar por 14 dias aos pacientes com quadros leves da infecção e seus familiares. Nesses casos, quando possível, é recomendado reagendar consultas para período posterior ao isolamento domiciliar e investir nas medidas de controle e redução da disseminação do vírus.

Os serviços também devem adotar medidas para que não ocorra descontinuidade do tratamento ou da investigação de condições clínicas como neoplasias, Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), sangramento uterino aumentado, entre outras condições cuja interrupção possa repercutir negativamente na saúde da mulher, bem como, garantir o fornecimento de métodos contraceptivos.

A pasta também informou que realiza a compra centralizada e distribuição dos métodos contraceptivos, estimulando a oferta de opções para as mulheres. Contudo é de responsabilidade dos estados e municípios a disponibilização destes insumos e a realização de ações informativas para apoiar a escolha das mulheres pelo método mais adequado às suas necessidades.

Óbito materno pode ser subnotificado

O Ministério da Saúde esclareceu que óbito materno é definido como a morte de uma mulher, ocorrida durante a gestação, parto ou dentro de um período de 42 dias após o término da gestação, por qualquer causa relacionada com a gravidez, não incluídas causas acidentais ou incidentais. Porém, nem todo óbito materno é registrado corretamente no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Muitas vezes, as causas declaradas registram a causa terminal das afecções ou lesões que sobrevieram por último na sucessão dos eventos que culminaram com a morte, o que mascara a causa básica e dificulta a identificação do óbito materno.

Por esse motivo, a Razão de Mortalidade Materna (RMM) é calculada pelo Ministério da Saúde utilizando fatores de correção.reforça que a redução do óbito materno é uma das prioridades da pasta e tem investido em ações com esse propósito, dentre elas há investimento na qualificação e monitoramento das informações sobre óbito materno e infantil, com acompanhamento contínuo dessas ocorrências por meio da vigilância do óbito.

A pasta informou ainda tem implementado políticas para fortalecer e qualificar as ações no atendimento às gestantes, na melhoria da atenção ao pré-natal, ao parto,  ao nascimento e ao  puerpério. Entre as estratégicas adotadas destacam-se: a Rede Cegonha, a implantação e implementação do PREMMICE (Plano de Redução da Mortalidade Materna e na Infância por Causas Evitáveis) e a Estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia, desenvolvida em parceria com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde). Todas essas ações visam instituir medidas de orientação e qualificação dos profissionais de saúde que atuam na rede de atenção às gestantes e puérperas.

Com Agência Saúde, Unicef e Sogesp