Morte de médico no Rio por Covid acende alerta para descaso na crise sanitária

Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio critica politização da pandemia, chamando de ‘homicidas’ ações para enfrentar a crise sanitária

A morte do médico Ricardo Cruz, de 66 anos, um dos mais respeitados cirurgiões do país, causou grande comoção e levou a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro a emitir uma nota chamando de “homicida” a política de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus pelos governos federal, estaduais e municipais. O médico foi internado no dia 14 de novembro, com quadro grave de Covid-19, em um dos mais caros hospitais particulares da cidade, onde recebeu tratamento de ponta, mas não resistiu e faleceu na terça-feira, dia 8 de dezembro.

Na nota, a entidade diz que o médico “recebeu cuidados e atenções que certamente muito poucos dos quase 180 mil outros brasileiros que morreram de Covid-19 até hoje puderam receber”. O texto ressalta que “os médicos estão entre os grupos populacionais mais afetados pela pandemia” e que “Ricardo Cruz morreu apesar de ser submetido a um tratamento caro, sofisticado e disponível a uma minoria dos brasileiros, aí incluídos os usuários de planos de saúde de alto custo”.

Isto demonstra a miopia, a desumanidade, a negligência e a criminosa irresponsabilidade histórica de políticos e mandatários que propõem aumento de números de leitos de UTI ou extensão do horário de funcionamento de aparelhos de tomografia computadorizada. Trocam essas aparentes benesses de apelo popular (ofertadas a uma população já exaurida por dez meses de confinamento forçado) pela liberação de eventos e de situações que inevitavelmente agravaram, agravam e agravarão a transmissão da doença”, afirma o presidente da SMCRJ, Celso Ferreira Ramos Filho.

Segundo ele, isso “levará ao aumento do número de casos e, portanto, e mesmo com uma (necessária) suficiência de vagas, a um indesculpável aumento de mortes”. Na nota, a Sociedade ainda critica a população pelo relaxamento das medidas de distanciamento social, autorizadas pelas autoridades, que ajudou a elevar o número de casos na chamada “segunda onda”.

Ricardo morre após dez meses de pandemia, quando a percepção errônea da sociedade de que a transmissão está em vias de se extinguir levou a um relaxamento das normas de distanciamento social, com o consequente aumento da transmissão comunitária do SARS-CoV-2. Percepção errônea esta estimulada e coonestada por uma política homicida (repitamos: homicida) por parte de autoridades municipais, estaduais e federais (em final, meio ou começo de mandato), que trocam votos e apoios por uma proposta indulgente e sedutora, que pode ser popular e atraente, mas que é (repitamos, ainda) simplesmente homicida”, acrescenta a nota.

Ainda de acordo com o texto assinado pelo presidente da Sociedade, o colega “não morreu porque lhe faltou leito, ou porque a assistência demorou a chegar. Morreu pela inexorabilidade de uma doença que, se não mata sempre, sempre mata”. E afirma que “sua morte expõe a miopia criminosa oculta na barganha do relaxamento no distanciamento social (leia-se: aumento da transmissão) pelo aparente bom negócio de um incremento no número de leitos (ou de tomógrafos, ou outros cala-bocas ilusórios e enganosos) oferecidos a uma população cansada, sem rumo – e sem liderança”.

Não importa o quantitativo de leitos de UTI oferecidos: quanto maior o número de admitidos a essas unidades, maior será o número final de mortos. Ricardo Cruz não morreu por falta de leito, ou de assistência, ou de cobertura. Morreu de COVID”, destaca a nota oficial.

A Sociedade alerta ainda que “até o momento, não há qualquer outro meio de impedir a transmissão do vírus que não o distanciamento social, em que pese a promessa próxima da vacina”. O texto ainda faz crítica velada ao governo de São Paulo, que está propagando uma campanha de vacinação contra a Covid-19 com o imunizante produzido pelo Instituto Butantã.

Neste sentido, e mudando de unidade federativa, mas não abandonando a crítica e denúncia do populismo negligente e midiático, é criminosamente irresponsável acenar-se à população com uma vacina ainda não registrada nos órgãos competentes (portanto, sem autorização de uso), sequer com uma avaliação de eficácia divulgada – mas com data início de campanha de vacinação já estabelecida e espetacularmente clangorada”, afirma a nota.

O texto ainda repudia o silêncio de outras entidades médicas e lança um desafio para que elas se somem numa campanha em favor da ciência e pela vida e contra a politização da maior crise sanitária que a entidade já testemunhou em mais de um século de existência.

Fundada em 1886 com o objetivo precípuo de discutir questões de saúde pública, a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro lamenta, estranha e repele o silêncio, a inação e a abulia da quase totalidade das entidades médicas do país, e as conclama à ela se unirem pela demanda por políticas públicas de combate à pandemia, baseadas na evidência científica dos fatos, e dissociadas de considerações políticas, partidárias ou ideológicas que possam vir a prejudicar o enfrentamento da maior crise sanitária que esta mais que centenária associação jamais presenciou.

Veja abaixo a íntegra da nota oficial:

A Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro lamenta profundamente a morte do Dr. Ricardo José Lopes da Cruz, ocorrida em 7 de dezembro de 2020.

Nascido em 10 de abril de 1954, Ricardo Cruz graduou-se em Medicina na UFRJ em 1977. Fez residência médica em Cirurgia Geral no Hospital de Ipanema e em Cirurgia de Cabeça e Pescoço no Instituto Nacional do Câncer, completando a sua formação na área de Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial no Departamento de Cirurgia Plástica da PUC-Rio, sob a liderança de Ivo Pitanguy.

Criou o Serviço de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Federal de Ipanema, que chefiou por vinte anos. Foi médico do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Instituto Nacional do Câncer por seis anos, além de ter trabalhado no Serviço de Cirurgia Pediátrica do Instituto Fernandes Figueira por doze anos.

Mantendo sua atividade de altíssima qualificação e exímia qualidade no SUS, criou em 2003 o Centro de Atenção Especializada em Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), atendendo a pacientes com deformidades congênitas, do desenvolvimento e adquiridas do esqueleto craniofacial, com mais de mil cirurgia realizadas desde então. Ultimamente, vinha se preparando para a realização de transplantes de face.

Era membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da Associação Brasileira de Cirurgia Cranio-Maxilo-Facial (que presidiu por duas vezes) e da Academia Nacional de Medicina, entre outras associações e entidades. Além disso, era membro da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro.

O Dr. Ricardo Cruz estava internado há várias semanas na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Samaritano, onde recebeu cuidados e atenções que certamente muito poucos dos quase 180 mil outros brasileiros que morreram de Covid-19 até hoje puderam receber. Inclusive o uso de oxigenação extracorpórea por membrana de troca, procedimento de complexa tecnologia, de elevado custo e de disponibilidade rarefeita, principalmente (mas não apenas) no Sistema Único de Saúde.

Por exposição profissional, os médicos estão entre os grupos populacionais mais afetados pela pandemia: no último Dia do Médico (18 de outubro), a SMCRJ homenageou aqueles até então falecidos. Mas a morte de Ricardo Cruz tem um significado especial, que vai além da perda precoce de um dos mais brilhantes cirurgiões de sua geração e das que lhe são próximas.

Ricardo morre após dez meses de pandemia, quando a percepção errônea da sociedade de que a transmissão está em vias de se extinguir levou a um relaxamento das normas de distanciamento social, com o consequente aumento da transmissão comunitária do SARS-CoV-2. Percepção errônea esta estimulada e coonestada por uma política homicida (repitamos: homicida) por parte de autoridades municipais, estaduais e federais (em final, meio ou começo de mandato), que trocam votos e apoios por uma proposta indulgente e sedutora, que pode ser popular e atraente, mas que é (repitamos, ainda) simplesmente homicida.

Ricardo Cruz morreu apesar de ser submetido a um tratamento caro, sofisticado e disponível a uma minoria dos brasileiros, aí incluídos os usuários de planos de saúde de alto custo. Isto demonstra a miopia, a desumanidade, a negligência e a criminosa irresponsabilidade histórica de políticos e mandatários que propõem aumento de números de leitos de UTI ou extensão do horário de funcionamento de aparelhos de tomografia computadorizada.

Trocam essas aparentes benesses de apelo popular (ofertadas a uma população já exaurida por dez meses de confinamento forçado) pela liberação de eventos e de situações que inevitavelmente agravaram, agravam e agravarão a transmissão da doença. O que levará ao aumento do número de casos e, portanto, e mesmo com uma (necessária) suficiência de vagas, a um indesculpável aumento de mortes.

Nosso colega não morreu porque lhe faltou leito, ou porque a assistência demorou a chegar. Morreu pela inexorabilidade de uma doença que, se não mata sempre, sempre mata. A sua morte expõe a miopia criminosa oculta na barganha do relaxamento no distanciamento social (leia-se: aumento da transmissão) pelo aparente bom negócio de um incremento no número de leitos (ou de tomógrafos, ou outros cala-bocas ilusórios e enganosos) oferecidos a uma população cansada, sem rumo – e sem liderança. Não importa o quantitativo de leitos de UTI oferecidos: quanto maior o número de admitidos a essas unidades, maior será o número final de mortos. Ricardo Cruz não morreu por falta de leito, ou de assistência, ou de cobertura. Morreu de COVID.

Até o momento, não há qualquer outro meio de impedir a transmissão do vírus que não o distanciamento social, em que pese a promessa próxima da vacina. Neste sentido, e mudando de unidade federativa, mas não abandonando a crítica e denúncia do populismo negligente e midiático, é criminosamente irresponsável acenar-se à população com uma vacina ainda não registrada nos órgãos competentes (portanto, sem autorização de uso), sequer com uma avaliação de eficácia divulgada – mas com data início de campanha de vacinação já estabelecida e espetacularmente clangorada.

Fundada em 1886 com o objetivo precípuo de discutir questões de saúde pública, a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro lamenta, estranha e repele o silêncio, a inação e a abulia da quase totalidade das entidades médicas do país, e as conclama à ela se unirem pela demanda por políticas públicas de combate à pandemia, baseadas na evidência científica dos fatos, e dissociadas de considerações políticas, partidárias ou ideológicas que possam vir a prejudicar o enfrentamento da maior crise sanitária que esta mais que centenária associação jamais presenciou.

Celso Ferreira Ramos Filho

Presidente

Extenso currículo na área de Medicina

A Associação de Gastroenterologia do Rio de Janeiro também emitiu uma nota de pesar, ressaltando o extenso currículo do cirurgião.

Dr. Ricardo nasceu em 10 de abril de 1954. Graduou-se em Medicina no dia 07 de dezembro de 1977 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Fez Internato e Residência Médica em Cirurgia Geral no Hospital Federal de Ipanema; em Cirurgia de Cabeça e Pescoço no Instituto Nacional de Câncer (INCA-RJ) e completou sua formação na área de Cirurgia Crânio-maxilo-facial no Departamento de Cirurgia Plástica da Escola Médica de Pós-Graduação da PUC-RJ, sob a coordenação do Acadêmico Ivo Pitanguy.

Eleito em 12 de setembro de 2013, tomou posse como Membro Titular da ANM no dia 18 de março de 2014 para ocupar a Cadeira de número 62 da Secção de Cirurgia. Sua monografia apresentada à Academia Nacional de Medicina teve como título: Trauma de Face e o Resgate da Identidade.

Criou e chefiou o Serviço de Cirurgia Maxilo-Facial do Hospital Federal de Ipanema por vinte anos (de 1983 a 2003). Foi médico do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Instituto Nacional do Câncer por seis anos (1985 a 1990); e do Serviço de Cirurgia Pediátrica do Instituto Fernandes Figueira por doze anos (1990 a 2003).

Desde fevereiro de 2003, criou e chefia o Centro de Atenção Especializada em Cirurgia Crânio-maxilo-facial do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO) atendendo a pacientes com deformidades congênitas, do desenvolvimento e adquiridas (por trauma e tumores) do esqueleto cranio-facial. Na unidade, aplica técnicas de planejamento digital para intervenções cirúrgicas com precisão de milímetros. Mais de mil cirurgias já foram realizadas no INTO, beneficiando pacientes com deformidades no crânio, maxilar e face.

Era Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (1980); Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (1984); Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (1988); Membro da Federacion Ibero-Latinoamericana de Cirugia Plastica (1993); Membro da AO Alumni Association (1997) e Membro Fundador (1994) e Ex-Presidente por duas gestões da Associação Brasileira de Cirurgia Craniomaxilofacial (2003-2006); além de ser Membro Honorário da Academia Brasileira de Medicina Militar.

Com informações de entidades médicas

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais