O país do luto: como lidar com a tristeza nossa de cada dia em tempos de Covid

No Dia Nacional do Luto, ViDA & Ação reúne análises e orientações de duas especialistas sobre a dor da perda em tempos de Covid

Neste sábado, dia 19 de junho, é celebrado o Dia Nacional do Luto, uma data dedicada à reflexão e aos sentimentos de perda. Esse dia ganha uma evidência especial, principalmente neste momento dramático onde a pandemia ceifou de forma abrupta a vida de milhares de pessoas. Deveremos chegar nessa data ao fatídico número de 500 mil mortos pela Covid-19, em meio a protestos programados contra o presidente Jair Bolsonaro por sua necropolítica na condução da crise sanitária.

Está cada dia mais comum escutar em grupos de amigos, em aulas, reuniões como os dias estão difíceis e como estamos cansados. Seja criança, adulto, idoso. O sentimento de desânimo e cansaço é geral. O isolamento social, a incerteza de dias mais tranquilos e os números de casos e de óbitos altos decorrentes da Covid-19. Tudo isso é devastador para o emocional das pessoas.

Num passado recente, trabalhar com o luto era algo específico para momentos de perda de algum ente querido; hoje essa situação está se alterando. “Vivemos todos num luto social, onde fomos privados de diversas situações. As crianças foram privadas das brincadeiras com os amigos, os jovens das baladas, e os adultos, da vida social. Além do luto relacionado à morte, também temos o luto da autonomia”, avalia a psicóloga clínica Luciana Deutscher, coordenadora de psicologia do Projeto Com.Vida.

Segundo Luciana, se formos interpretar literalmente todo as alterações que a pandemia tem causado às pessoas, 95% da população necessitariam de orientação psicológica, para poder enfrentar o período de forma mais leve. “Infelizmente a pandemia nos trouxe inúmeras perdas, que afetaram diretamente o nosso psicológico”, salienta.

No projeto Com.Vida, que atende pacientes recuperados da Covid, sejam eles graves, leves ou assintomáticos, 90% deles necessitam de acompanhamento psicológico. Já entre os familiares, que não foram contaminados mas acompanharam o processo de cura, 80% recorrem à orientação psicológica.

Muito se fala do paciente grave e das sequelas. No entanto, o paciente assintomático e as famílias têm apresentado sequelas psicológicas graves, e principalmente, a de lidar com as perdas sociais e com o medo, após a recuperação da doença”, explica Luciana.

Segundo a psicóloga, pacientes assintomáticos chegam a levar até 6 meses para apresentar sequela psicológica, tais como irritabilidade, dificuldade para dormir, perda de memória e ansiedade alta. Já os familiares de pacientes, mesmo dos recuperados, acabam apresentando angústias e medos, que atrapalham a rotina.

Muitos, por terem acompanhado todo o tratamento, e pela angústia e expectativa de boas notícias, desenvolvem quadros de ansiedade altos, precisando ser trabalhados e orientados sobre como retornar às atividades, com o cuidado necessário”, ressalta a psicóloga.

Segundo ela, não devemos criar expectativas sobre o “novo normal” tão falado. “Precisamos ter em mente que, ao fim da pandemia, novas relações sociais acontecerão normalmente, bem como uma nova forma de educar, novos valores e principalmente uma nova forma de encarar a vida”, reforça.

Para a especialista, o luto social que hoje é vivenciado precisa ser trabalhado pelo indivíduo de modo a se adaptar para um novo cenário que vem se desenhando, não se apegando ao passado. “Aquela forma de vida que levávamos antes de março de 2020 mudou, e nos deixou mais experiente”, avalia Luciana.

Já em relação aos adolescentes e às crianças, muito do sofrimento vivenciado é reflexo do diálogo e da ação dos pais e responsáveis sobre o momento. “Temos que ter o cuidado de sempre optar pelo diálogo e estar presentes na vida dos nossos filhos. Só assim eles conseguirão passar por momentos como esses vividos na pandemia, que afetam das crianças aos idosos, da mesma forma”, finaliza Luciana.

A elaboração do luto em tempos de Covid

Leninha Wagner: neuropsicóloga (Foto: Divulgação)

Para os familiares e amigos de quem se foi, fica a sensação de ter acontecido um “corte”, uma “edição” no filme da vida, pois muitos sequer tiveram o consolo de um rito de passagem, uma despedida, honrando a vida e a memória de quem partiu. Conforme explica a neuropsicóloga Leninha Wagner, o luto é vivenciado de maneira singular.

Não existe um padrão de reação. Há variações em intensidade e duração, influenciadas por fatores como o contexto da morte e as características do enlutado. É importante dar tempo e espaço para a expressão de emoções e sentimentos negativos, para não considerar como patológicas aquelas reações que são necessárias e naturais. Temos que permitir a manifestação da dor da perda para que este momento seja devidamente elaborado”, analisa.

O apoio ao indivíduo enlutado deve ser efetivo; e para tanto, alguns equívocos devem ser evitados, orienta Leninha. “Deve-se considerar as culturas, as crenças, os contextos e as dinâmicas dos relacionamentos familiares, bem como identificar fatores que possam prejudicar o enfrentamento do luto, como a não manifestação dos sentimentos, o adiamento do processo ou a negação da perda”.

Ainda segundo a especialista, a elaboração do luto pode ser compreendida como a fase em que há diminuição do sofrimento frente às lembranças do falecido, havendo a retomada do interesse pela vida, por parte dos familiares. Mesmo quando o processo de luto é considerado normal, isto não significa que não exista sofrimento ou necessidade de adaptação à nova estrutura familiar.

Assim, encontrar espaços onde seja possível expressar-se livremente, compartilhar a dor e se deparar com outras pessoas que experimentam sentimentos e dificuldades semelhantes ameniza o sofrimento e favorece a busca pelas soluções dos problemas enfrentados”, pondera a neuropsicóloga.

Pra a especialista, todo luto precisa ser olhado com atenção, apesar de nem todos os enlutados necessitarem de cuidado, o que ressalta a necessidade da existência de espaço a ser utilizado por aqueles que demandarem atenção. “Oferecer cuidado ao enlutado auxilia no processo de elaboração das famílias, no resgate de prazer e continuidade da vida de quem permaneceu”, completa Leninha.

A neuropsicóloga ressalta que, diante de um luto patológico, onde a pessoa não se sente capaz de retomar a vida e suas atividades, “é importante buscar por um profissional da saúde mental, um psicólogo será de grande valia neste momento tão devastador onde tantas vidas têm sido perdidas”.

Com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais