O que sua genética tem a ver com a forma como você lida com o estresse?

Análise do Gene Guerreiro aponta a tendência de cada indivíduo a ser uma pessoa que sabe agir em momentos de muita pressão

Redação

O mundo encontra-se em um momento atípico. A pandemia causada pelo novo coronavírus trouxe um cenário inesperado. O isolamento social, mesmo necessário, ainda causa estranhamento e fez com que todos tivessem que se adaptar a uma nova realidade, apesar de temporária. Um estudo feito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), apontou que os casos de ansiedade e estresse no Brasil devido à pandemia mais do que dobraram, enquanto os de depressão tiveram aumento de 90% contando apenas até o mês de maio.*

Mas sabia que é possível entender como você lida com o estresse de acordo com a sua genética? A Genera , o primeiro laboratório brasileiro especializado em genômica pessoal, oferece, dentre seus vários resultados, o teste genético que examina o nível da catecol- O- metiltransferase (COMT), popularmente conhecida como Gene Guerreiro, responsável por regular o nível de dopamina (neurotransmissor do sistema nervoso que modula as funções de neurotransmissão relacionadas, por exemplo, às emoções, à atenção, ao aprendizado e ao sono) no córtex pré-frontal do cérebro.

“Algumas pessoas apresentam melhor performance em ambientes estressantes, quando precisam agir sob pressão – uma estratégia conhecida como “Warrior” (Guerreiro). Outras, no entanto, exibem performance superior em ambientes complexos, envolvendo a realização de tarefas relacionadas à memória e à atenção – a chamada estratégia “Worrier” (Preocupado). O excesso de dopamina durante situações de estresse prejudica os “Worriers” (Preocupados), enquanto que para os “Warriors” (Guerreiros), a dopamina apresenta um nível basal mais baixo, atingindo a concentração ideal durante o estresse”, afirma Ricardo di Lazzaro Filho, médico e sócio-fundador da Genera.

O comportamento humano é complexo e influenciado por inúmeros fatores ambientais e genéticos. Por essa razão, o organismo de cada pessoa responde de forma diferente a determinados estímulos ambientais. “Indivíduos “Worrier” apresentam vantagem em tarefas de memorização e atenção em situações normais, sendo mais vulneráveis em situações de estresse. Em contrapartida, indivíduos “Warrior” são mais resistentes em situações de estresse e apresentam melhor desempenho quando estão sob pressão”, conclui Ricardo.

Além do Gene Guerreiro, muitos aspectos são possíveis de analisar por meio do DNA. Por exemplo, o nível de habilidade em matemática, impulsividade, preferências por horários diurnos ou noturnos, fome emocional, sensibilidade a cafeína e até resistência física e performance atlética. Predisposição a obesidade, alcoolismo, vício em nicotina e a doenças como diabetes, intolerância a lactose e deficiência de algumas vitaminas também são resultados apontados nos testes Genera. É possível, também, através do teste de ancestralidade, analisar e descobrir todo o desenvolvimento do seu DNA por até 5 gerações, comparando com povos ao redor de todo mundo.

*Fonte: http://www.uerj.br/noticia/11028/