O que você quer ser quando crescer?

Campanha que alerta sobre meningite traz o youtuber Luccas Neto para conscientar sobre a importância da vacinação entre crianças e asdolescentes

Luccas Neto estrela campanha contra a meningite O youtuber Luccas Neto estrela campanha contra a meningite (Foto: Divulgação)

Nesta terça-feira, dia 24 de abril, é celebrado o Dia Mundial de Combate à Meningite. Com o objetivo de alertar e conscientizar a população sobre a doença, suas causas, consequências e a importância da prevenção, a GSK lança uma campanha digital com Luccas Neto, ídolo de crianças e adolescentes no Youtube.

Simulando uma grande brincadeira de caça-palavras com o mote “O que você quer ser quando crescer?”, a ação foi gravada na piscina da casa dos irmãos Neto, no Rio de Janeiro, onde Luccas teve que “caçar” diversas profissões enviadas pelos internautas, além de palavras específicas relacionadas à meningite.

A ação será veiculada no canal oficial do Luccas no YouTube (www.youtube.com/luccasneto), que atualmente conta com mais de 14 milhões de inscritos, e é um sucesso entre a criançada. Para estimular a interatividade e o engajamento desse público, o YouTuber convocou os seus seguidores para participarem da campanha enviando pelo Instagram respostas sobre “O que desejam ser quando crescerem”.

Entre uma brincadeira e outra, o influenciador alerta o público sobre a importância da conscientização e combate da doença. “O objetivo dessa campanha com o Luccas Neto é mostrar às crianças e jovens que, com a prevenção da doença através da vacinação, é possível ter um crescimento saudável, possibilitando a criança e o jovem ser o que ele quiser quando crescer”, declara Celso Freitas, gerente médico de Vacinas da GSK Brasil.

De uma forma divertida e leve, o Luccas leva para o seu público um tema importante de utilidade pública e informações ligadas à saúde”, complementa Dr. Celso Freitas.

Sobre a Meningite

A Doença Meningocócica Invasiva (DMI) é causada pela bactéria Neisseria meningitidis, que possui 12 sorogrupos diferentes. Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2017, foram notificados 1.052 casos de doença meningocócica no país, sendo que as regiões Sudeste (563 casos) e Sul (215 casos) apresentaram os maiores números de notificações.

A doença meningocócica preocupa, pois pode levar a óbito, em média, uma pessoa a cada oito minutos no mundo. Estima-se a ocorrência de pelo menos 500 mil casos de doença meningocócica por ano no mundo, com cerca de 50 mil óbitos.

Geralmente ela se manifesta como meningite, que é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Uma outra forma mais grave da doença é uma infecção do sangue, chamada de meningococcemia. Ambas podem ocorrer concomitantemente. 

Os meningococos, bactérias que causam a doença meningocócica, podem ser transmitidos para outras pessoas por meio do contato direto com gotículas respiratórias através de tosse, espirro, beijo, beber no mesmo copo ou comer com talheres de outra pessoa”,  afirma Dr. Celso Freitas.

A doença pode ocorrer em pessoas de qualquer faixa etária, porém é mais comum em crianças até cinco anos e mais rara em idosos. Por isso, é muito importante proteger as crianças nos primeiros anos de vida.

Prevenção

A vacinação é considerada a forma mais eficaz na prevenção da doença. A vacina para os sorogrupos A, C, W e Y pode ser utilizada a partir dos 2 meses de idade e, também, para adolescentes e adultos.

Já a vacina para a proteção contra a doença meningocócica causada pelo meningococo B é indicada para indivíduos dos dois meses aos 50 anos de idade. Nos postos de saúde, a vacina contra o meningococo C é gratuita, para crianças menores de 5 anos de idade e adolescentes de 11 a 14 anos.

“No Brasil, a meningite é considerada uma doença endêmica, deste modo, casos da doença são esperados ao longo de todo o ano, com a ocorrência de surtos e epidemias ocasionais, e com a vacinação a doença pode ser controlada”, explica Dr. Celso Freitas.

Outras formas de prevenção são evitar aglomerações, e manter os ambientes ventilados e limpos.

Sintomas e diagnóstico

Os sinais e sintomas iniciais da doença meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito — podem ser confundidas com outras doenças infecciosas. Na sequência, o paciente pode apresentar manchas arroxeadas na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz.

Após 15 horas, o quadro geralmente evolui para confusão mental, convulsão, sepse e choque, falência múltipla de órgãos e risco de morte. Essa rápida evolução e início abrupto, pode levar ao óbito em menos de 24 a 48 horas. Por isso, é tão importante a necessidade de prevenção da doença.

Fonte: GSK

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais