Passar a noite em claro para estudar não ajuda na aprendizagem

Uma boa noite de sono influencia na memória, aprendizagem, concentração, humor, criatividade e diversas áreas cognitivas, apontam estudos

Redação

No período de provas é normal os estudantes ficarem a madrugada toda em cima de um livro ou apostila com o objetivo de aproveitar cada minuto do dia para aprender um pouco mais. Pensar “só mais um texto e já vou dormir”, pode não ser a melhor opção. Não é raro encontrar pesquisas que demonstram como sacrificar as horas de sono atrapalha o desempenho escolar e nos exames.

Tanto os pesquisadores da universidade da Califórnia, quanto da Universidade de Ghent e KU Leuven, na Bélgica, identificaram que a privação do descanso atrapalha a aprendizagem dos jovens. Um estudo realizado em Stanford descobriu que os alunos foram capazes de consolidar as informações de maneira mais eficaz após dormir o suficiente.

Uma boa noite de descanso pode trazer inúmeros benefícios à saúde do corpo e da mente, pois é nesse momento que diversas atividades metabólicas acontecem. Além disso, é durante o sono que retemos na memória todo o aprendizado do dia. Passamos cerca de um terço da vida dormindo, e engana-se quem acredita que isso é um desperdício de tempo: memória, aprendizagem, concentração, humor, criatividade e diversas áreas cognitivas são afetadas diretamente pela qualidade do sono.

A consultora do sono da Duoflex, Renata Federighi, dá dicas de como tornar o repouso um aliado na tão temida época de Enem e vestibulares. “Passar as madrugadas estudando não é uma boa ideia para trazer melhores resultados nos testes, é justamente o contrário. Uma mente bem descansada tende a ter um desempenho melhor e ser mais ágil no raciocínio lógico”, esclarece a especialista.

A profissional ainda reforça que o nervosismo e a ansiedade são bastante comuns nesses momentos e podem levar os estudantes a quadros de insônia e fadiga mental, o que consequentemente resultará em mais irritabilidade e tensão. Mas calma, que é possível reverter esse ciclo vicioso com algumas pequenas mudanças na rotina.

DESCONECTE-SE DOS ELETRÔNICOS  

Quem não costuma dar aquela olhadinha rápida nas redes sociais na hora de se deitar? Apesar de parecer um hábito inofensivo, essa é uma das principais causas que dificultam o adormecer. A “luz azul”emitida pelos aparelhos eletrônicos atrapalha na produção de melatonina, hormônio responsável por ajustar nosso relógio biológico. “O ideal é desligá-los durante toda a noite. Às vezes só a expectativa de receber uma mensagem é o suficiente para roubar horas de descanso” pontua a especialista da Duoflex.

O SILÊNCIO e a BAIXA LUMINOSIDADE SÃO AMIGOS DO SONO

Adormecer com barulho nem sempre é fácil, principalmente para quem tem sono leve. Por isso, é ideal que se crie um ambiente quieto e tranquilo na hora do merecido descanso. Como nem sempre isso é possível, ainda mais para quem mora em centros urbanos, uma boa dica são os tampões de ouvido, que ajudam a vetar ruídos externos. Já a luz influência diretamente na produção da melatonina, o hormônio que avisa o corpo que está na hora de dormir. Ambientes claros, prejudicam a indução ao sono.

COMER BEM PARA DORMIR BEM

“Nem dormir de ‘barriga cheia’, nem ir para a cama de ‘estômago vazio’.  O ideal é ter uma alimentação leve e em horários regulares, e em até 2 horas antes de se deitar, para que a digestão seja feita de forma antecipada ao sono”, comenta a consultora. Bebidas alcoólicas, café e açúcar em excesso também devem ser evitados durante a noite.

O CONFORTO É ESSeNCIAL NA HORA DE REPOR AS ENERGIAS

A aquisição de um bom colchão e travesseiro também são fundamentais para uma boa noite de sono e ajudam a evitar dores no corpo. “Cada biotipo e postura exige um modelo diferente. Use um travesseiro que ofereça conforto, sustentação para a cabeça e que alinhe a coluna. Ao se deitar, se perceber que o pescoço ficou inclinado para cima ou para baixo, escolha outro modelo”, aconselha a profissional.

MANTENHA UM PADRÃO

A rotina para dormir é uma verdadeira parceira e regula o relógio biológico do aluno. Não há necessariamente uma hora ideal para ir para a cama, mas é importante ter em média 8 horas diárias de sono. Logo, é necessário que o descanso e os estudos estejam em equilíbrio, a dupla nota 10 para se alcançar as metas.

O final do ano conta com calendário extenso de vestibulares, deixando os jovens ansiosos e estressados. Medo pelo resultado futuro pode causar ansiedade no presente e acabar atrapalhando o vestibulando a conseguir o resultado pretendido. Falta de planejamento nos estudos e deixar de dormir para estudar é um erro frequente entre os jovens. A meditação pode ajudar nessa época pois, dentre outras coisas, ajuda a cultivar a atenção, fazendo bem para a mente e para o corpo.

Meditação ajuda nos momentos estressantes

Mindfulness ou “atenção plena” é uma potencialidade humana, esta capacidade de estar consciente do que está acontecendo internamente e externamente. “A meditação melhora a habilidade de estarmos presentes e atentos, fortalecendo também nosso equilíbrio emocional, o que nos ajuda, sempre e, em especial, nos momentos estressantes” conta Daniela Degani, idealizadora da MindKids, projeto que tem como missão levar a prática da meditação para o ambiente escolar.

Segundo estudo da Universidade de Harvard, realizado em 2010, foi constatado que o ser humano passa cerca de 47% das horas que estão acordados pensando no futuro e em acontecimentos do passado, prejudicando a produtividade e aumentando os níveis de estresse do corpo. E com os jovens em época de prova não é diferente por conta do resultado incerto.

A idealizadora relata que a meditação pode começar com algo tão simples quanto parar e prestar atenção na respiração. “Deixe a coluna alinhada com ombros levemente para trás e com os pés apoiados no chão. Em seguida, preste atenção na respiração; os pensamentos mudarão e a concentração aumentará”, concluí.

A professora resume alguns dos benefícios trazidos pela meditação:

Melhora na atenção – Quem medita obtém melhora na atenção, o que também reflete em tarefas que exigem concentração, como a resolução de exercícios na escola ou de tarefas no dia a dia.

Equilíbrio emocional – A prática da meditação ajuda a diminuir a impulsividade favorecendo respostas pensadas.

Mais calma – A meditação também reduz o sentimento de estresse e ajuda a lidar com a ansiedade e desconfortos causados por situações sociais estressantes, ocorram elas no ambiente escolar ou familiar.

Sono – A prática pode ajudar a melhorar a qualidade do sono e além de ajudar no descanso do corpo, a meditação ajuda na qualidade do sono, o que leva o estudante a absorver melhor o conteúdo estudado.

Com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.