Pós-folia: Passarelas do Samba geram montanhas de lixo

Comlurb recolhe 240 toneladas de lixo em 5 dias na Sapucaí e na Intendente Magalhães. Celebrações de São Jorge também dão trabalho a garis

Comlurb retira toneladas de lixo da Marquês de Sapucaí em 5 dias de desfiles (Foto: Divulgação / Comlurb)

Este inédito Carnaval fora de época no Rio de Janeiro não teve os tradicionais blocos de rua oficiais, mas o volume de lixo deixado pelos foliões nas ruas, avenidas, praças, arquibancadas e até frisas e camarotes vips do Sambódromo é absurdo. A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) fechou os cinco dias com o total de 240 toneladas de resíduos coletados.

Desse total, 192 toneladas foram recolhidas no Sambódromo, no Centro do Rio. O menor volume foi neste domingo, dia dos desfiles das escolas mirins no domingo (24/4), fechando a festa na Marquês de Sapucaí, com 21 toneladas de resíduos. Um total de 48 toneladas foram retiradas da Estrada Intendente Magalhães, em Madureira, onde ocorrem desfiles de agremiações menores.

O Portal ViDA & Ação questionou para onde vai tanto lixo e se há projetos para reaproveitamento de partes dos rejeitos da folia, especialmente de restos de fantasias, alegorias e adereços, que poderiam ser reaproveitados na ‘cadeia produtiva’ do Carnaval.

As equipes da Comlurb trabalharam no interior e na área externa, além do acesso das duas passarelas para garantir a limpeza durante todos os dias de desfiles. O esquema especial contou com um total de 4.494 garis nos cinco dias desfiles do Carnaval nas duas passarelas.

Foram disponibilizados ainda 1.045 contêineres de 240 litros no Sambódromo e 200 na Intendente Magalhães. Na Marquês de Sapucaí, foram 287 garis por dia na limpeza noturna, 11 para manter limpos os postos de saúde, e 198 garis/dia na limpeza diurna, após os desfiles.

Água de reúso é empregada na limpeza das pistas

Em apoio à limpeza, foram utilizados 19 caminhões compactadores e cinco basculantes por dia, além de 12 mini varredeiras, 16 sopradores e uma pipa d’água que fez a lavagem hidráulica com água de reúso todos os dias pela manhã.

A limpeza do entorno do Sambódromo e do Terreirão do Samba foi realizada diariamente por 138 garis, com o apoio de seis caminhões compactadores e três pipas d’água. Outros 11 garis da equipe de limpeza hospitalar da companhia cuidaram dos sete postos de saúde instalados no interior da Passarela do Samba.

Garis da Comlurb faziam a limpeza na Intendente Magalhães, em Madureira (Marcelo Piu/Prefeitura do Rio)

A limpeza na Intendente Magalhães contou com 50 garis por dia no trabalho noturno e 65 garis/dia na limpeza diurna, que começava logo após os desfiles. A grande novidade deste ano no desfile ficou por conta da presença de duas mini varredeiras para a limpeza da pista de acesso, usadas em anos anteriores apenas no Sambódromo. A lavagem da pista de desfile, com água de reúso, foi realizada diariamente com duas pipas d ‘água, além de três caminhões compactadores e três basculantes em apoio ao trabalho.

Feriado de São Jorge também dá trabalho a garis

Festas em homenagem a São Jorge pela cidade também geraram muito lixo (Foto: Divulgação)

Considerado um dos santos mais reverenciados entre os cariocas – tanto que ganhou até um feriado municipal próprio em nome dele, apesar de o padroeiro oficial da cidade ser São Sebastião – São Jorge também deu trabalho aos garis da Comlurb. Foram removidas 8,1 toneladas de resíduos após as celebrações em homenagem a ele no último sábado (23/4), nas imediações da Igreja Matriz São Jorge, em Quintino, Zona Norte do Rio, e na paróquia do Centro.

Para o Dia de São Jorge foi intensificada a limpeza nas imediações das duas paróquias, quando há comércio informal de flores, velas, santinhos, comidas e bebidas. Os serviços foram reforçados nos arredores da Matriz, em Quintino, com  88 garis e 15 agentes de limpeza. Eles removeram 7,3 toneladas de resíduos com o apoio de  cinco caminhões compactadores e dois basculantes, além de cinco pipas d’água, uma varredeira e quatro sopradores.

Nas imediações da  paróquia do Centro foram removidos 800 kg de resíduos com a mobilização de 12 garis. Eles contaram com o apoio de  uma pipa d’água para lavagem das vias com água de reúso, e um caminhão compactador para  a remoção dos resíduos. Ainda foram disponibilizados 20 contêineres para o descarte correto dos resíduos por parte dos fiéis.

Mais sobre o santo

Conhecido como “Santo Guerreiro” ou Jorge da Capadócia e importalizado na lenda em que mata o dragão, São Jorge é padroeiro em diversas partes do mundo, como Inglaterra, Portugal, Geórgia, Lituânia, Sérvia, Montenegro e Etiópia, e também de cidades como Londres, Barcelona, Génova, Régio da Calábria, Ferrara, Friburgo em Brisgóvia, Moscovo e Beirute. O santo é venerado como mártir cristão pelas igrejas católica, ortodoxa e anglicana. No Brasil, por conta do sincretismo religioso, é também muito cultuado entre seguidores da umbanda e candomblé, onde é conhecido como Ogum.

Da Comlurb, com Redação

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais