Projeto verão: já é hora de se proteger contra o mosquito

Transmissor da dengue, zika, chicungunya, Aedes aegypti é o principal agressor a ser combatido nesta época do ano. Especialista explica prevenção e sintomas

Redação
mosquito da dengue
Com a proximidade do verão, o sinal de alerta para o combate à dengue se acende. Por conta do calor e do período de chuva extensas é possível observar um aumento na proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença. Além da dengue, a atenção se estende à zika e chikungunya, doenças também transmitidas pelo mosquito.
De acordo com o Ministério da Saúde, em 2018 foram registrados 101.863 casos de dengue, 29.675 de chikungunya e 2.985 de zika. Para incentivar as campanhas de sensibilização sobre o tema, a Doctoralia, plataforma que conecta profissionais de saúde e pacientes, antecipa a discussão e esclarece os principais pontos do tema.

Prevenção

De acordo com a infectologista e membro da Doctoralia Diana Galvão Ventura, a prevenção, consiste no combate ao foco do mosquito. “É mais fácil eliminar o vetor na fase de larva do que na fase adulta, quando já é mosquito. O Aedes se prolifera na água acumulada. Ele prefere a limpa, mas também deposita ovos na água suja, então é importante eliminar todos os focos: tampar caixas d’água, esvaziar vasos de planta e pneus, desativar piscinas abandonadas e etc.”. Ela ainda complementa que o uso de repelente nas áreas expostas do corpo também é um recurso válido.

Sintomas

Os principais sintomas da dengue, de acordo com a infectologista, são febre alta, dor muscular, dor de cabeça, dor nos olhos, dor nas articulações, manchas pelo corpo, dor abdominal, enjoo, vômito e diarreia. “O paciente pode apresentar uma combinação de alguns sintomas, que também podem se agravar a depender do grau da doença.
No caso da zika, eles aparecem de forma mais branda, já no caso da chikungunya a dor articular é mais intensa e tem maior duração – com idas e vindas – podendo evoluir para um quadro crônico”, complementa Dra. Diana.
Em todos os casos, os grupos de risco da doença, especialmente das formas graves, são crianças, idosos, gestantes (as três doenças são transmissíveis para o feto) e pessoas com alguma imunodeficiência. Nessas situações, os sintomas podem ser mais intensos e as consequências ainda mais sérias.
“A zika tem o agravante de ser transmitida sexualmente e, apesar da dengue ser considerada mais grave de forma geral, tanto a zika como a chikungunya podem desencadear complicações neurológicas”.

Tratamento

O primeiro passo é sempre buscar atendimento médico para se obter um diagnóstico assertivo e dar início ao tratamento adequado. “Os cuidados com a dengue envolvem a hidratação intensa para reposição de fluidos. Esse também é um aspecto importante para as outras doenças, mas não em caráter tão imediato. A chikungunya, por exemplo, precisa entrar mais forte na analgesia por conta das dores”, comenta a médica.
No serviço “Pergunte ao Especialista”  – que permite tirar dúvidas sobre saúde de forma gratuita e anônima, as perguntas mais comuns dizem respeito ao tratamento e aos remédios que podem, ou não, interferir no processo. A Dra. Diana explica que medicamentos antiinflamatórios e aspirina devem ser evitados e, para evitar complicações, o acompanhamento médico é sempre recomendável.
In the news
Leia Mais