Rio à frente da China em mortes por Covid-19

Estado alcançou 4.856 óbitos e 44.886 casos da doença na quinta-feira (28). O Brasil é o terceiro em número de casos no mundo, mas Ministério diz que recuperados é recorde

Redação
Com apenas 16,5 milhões de habitantes, o Estado do Rio de Janeiro ultrapassou a China, com seus 1,4 bilhão de habitantes, no ‘ranking’ dramático de vítimas fatais da Covid-19. Enquanto o país asiático registra 4.638 mortes por causa do novo coronavírus, segundo dados do painel da Johns Hopkins University, o Rio teve 4.856 mortes, sendo 251 delas em apenas 24 horas. O estado também já tem mais mortes do que a Índia (4.711), o país mais populoso do mundo.
É a primeira vez que o RJ registra mais de 200 mortos pelo terceiro dia consecutivo pelas contas da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Há ainda 1.286 óbitos em investigação e 259 descartados. Apesar disso, Estado estuda medidas para afrouxar ainda mais as medidas preventivas de isolamento a partir de segunda-feira, enquanto a população aguarda a abertura de hospitais de campanha e efetivação de novos leitos de UTI para pacientes da doença.

A mudança na contagem de mortes pelo município do Rio gera dúvidas sobre dados. Agora o Painel Rio Covid-19 irá mostrar também os números oficiais do Ministério da Saúde, baseados nos boletins da SES, além dos números levando em consideração as certidões de óbito. Na capital, após críticas, o painel da Prefeitura do Rio mostra agora dois números de mortes pela Covid-19: o dos hospitais e o dos cemitérios.

Brasil é o terceiro do mundo em número de casos

Até a última quinta-feira (21), o Brasil ocupava a terceira posição em relação ao número de casos (291.579) e a sexta considerando o registro de óbitos (18.859). “Contudo, quando considerado o parâmetro populacional, por milhão de habitantes, entre os países de todo o mundo, o Brasil ocupa a 51ª posição em relação aos casos confirmados e a 14ª colocação no que se refere ao número de óbitos. A medida populacional é a taxa padrão para comparações entre os países”, minimiza o Ministério da Saúde.

Em sua campanha para minimizar a alta incidência de casos no Brasil, a pasta informou que o país confirmou nesta quinta-feira (28) o maior número de pessoas recuperadas em um dia. “Ao todo, 10.957 pacientes se curaram do coronavírus, número que representa 40,5% do total de casos confirmados atualmente no país (438.238). Outros 233.880 pacientes seguem em acompanhamento médico”, informou. As informações foram atualizadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde até as 19h desta quinta (28/5).

Até o momento, o país registra 26.754 óbitos, sendo que 1.156 foram registrados nos sistemas de informação oficiais do Ministério, nas últimas 24 horas. “No entanto, maioria dos casos aconteceu em outros dias. Isso porque as notificações ocorrem apenas após a conclusão da investigação dos motivos das mortes pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde”, ressalta a pasta. Assim, do total de novos registros, 539 óbitos ocorreram, de fato, nos últimos três dias e outros 4.211 estão em investigação

O Ministério informa ainda que cerca de dois mil municípios do país não possuem casos de coronavírus e mais de 70% das cidades não registram nenhum óbito pela doença. A taxa de letalidade atualmente da doença é de 6,3%, considerando o total de casos confirmados.

Hospitais de campanha

No Estado do Rio, a luta para efetivar a abertura e os leitos dos hospitais de campanha continua. O Governo do Estado promete entregar hospitais restantes até o próximo dia 18. A Iabas diz que o hospital modular de Nova Iguaçu será inaugurado neste sábado (30), com capacidade para 300 leitos – desses, a Secretaria de Infraestrutura já conseguiu concluir 100 leitos. O hospital de campanha de Duque de Caxias contra o coronavírus será inaugurado na segunda-feira (1º). A unidade terá 200 leitos, sendo 60 de UTI. Enquanto isso, 100 leitos de UTI estão vazios no Hospital de Campanha do Maracanã.

Já o hospital de campanha de São Gonçalo, que deveria começar a receber pacientes da Covid-19 a partir desta quinta-feira, teve a inauguração adiada mais uma vez, por conta de piche no chão da unidade. Equipes da Iabas estiveram no local, avaliando a troca de pisos após contaminação por piche. De acordo com a assessoria da unidade de saúde, a infecção ocorreu por material levado por seguranças do deputado Fillipe Poubel, na noite desta quarta, que pularam o muro para entrar na área e ameaçar colaboradores. A cidade registrou mais dois óbitos por coronavírus nas últimas horas somando até agora 154. Já são 1224 casos confirmados.

Quebra do isolamento

Uma reunião nesta sexta-feira, no Palácio Guanabara, trata das medidas para o relaxamento das restrições de circulação em função da Covid-19 em todo o Estado do Rio. A ideia é liberar determinados setores e serviços já a partir da próxima segunda-feira, dia 1º de junho. O encontro é coordenado pela Casa Civil estadual, a pedido do governador Wilson Witzel, e reúne integrantes das secretarias de Saúde, Fazenda, Turismo e Transporte.

No interior, vários municípios também rompem o isolamento, em nome da atividade econômica. Em Nova Friburgo, a reabertura parcial das indústrias foi anunciada ontem pela prefeitura. A prefeitura de Petrópolis já prevê uma reabertura gradual do comércio. Depois de uma tentativa de abertura do comércio de Volta Redonda, tendo logo seguida através de medida judicial sido fechado, existe hoje a notícia de reabertura.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro instaurou inquérito para apurar “possível violação das regras de isolamento social e prevenção ao contágio pelo Novo Coronavírus” com um retorno do Campeonato Carioca, o que está em planejamento pelos clubes e a Ferj, com aval da prefeitura.

De janeiro a abril, o Rio teve um saldo negativo de 125 mil postos de trabalho. O TJRJ suspendeu temporariamente os contratos de estagiários. Segundo o TJ, os contratos serão retomados após a pandemia. Outro levantamento apresentado nesta quinta mostra que houve aumento de mortes por policiais durante o período que as medidas de isolamento social já estavam em vigor. No Rio só em abril foram 177 óbitos, 43% a mais do que no mesmo mês do ano passado.

Novas leis

O governador Wilson Witzel determinou a produção de máscaras de proteção individual pelos detentos do sistema prisional durante a Covid-19. Alterações no regime de visitas em estabelecimentos prisionais e unidades socioeducativas durante a pandemia deverão ser notificadas previamente ao defensor público ou advogado do preso, familiares e visitantes.

Witzel sancionou o projeto de lei que estabelece a suspensão da cobrança de estacionamento em supermercados, hipermercados e hortifruti aos veículos de profissionais da saúde. Outra lei sancionada pelo governador determina que estabelecimentos comerciais em funcionamento no RJ terão que disponibilizar na internet as faturas ou boletos digitais para pagamento de compras efetuadas por meio de cartões fidelidade ou carnês.

Uma entidade que representa planos de saúde ingressou no STF contra uma lei do RJ que pode impedir operadoras de planos de saúde de suspender ou cancelar planos de saúde por falta de pagamento durante a situação de emergência do novo coronavírus. Um projeto de lei que que prevê a redução do valor das mensalidades de todas as instituições particulares de ensino também seguirá para sanção de Witzel. Se for sancionado, as escolas também poderão recorrer.

Primeiro setor a ser afetado com a pandemia do novo coronavírus e, provavelmente, a última área da economia a retomar as atividades, a realização de grandes eventos no Rio de Janeiro só deve voltar a ocorrer em meados de outubro e novembro, segundo avaliação do subsecretário estadual de grandes eventos, Ruan Lira.

O governador Wilson Witzel sancionou a lei que suspende temporariamente a exigência de perícia médica oficial para a concessão e/ou renovação de licença para tratamento de saúde dos servidores do Estado do Rio, seja por motivo de doença do próprio servidor ou de familiar.

O governador Wilson Witzel sancionou a lei que autoriza o Executivo a criar uma gratificação temporária para os servidores ativos da Saúde estadual que estão atuando no combate à pandemia do novo coronavírus.

Com Agências