Rio alerta para baixa adesão à vacinação contra a gripe

Apenas 39% dos idosos a partir de 60 anos e 17% das crianças entre seis meses e 4 anos de idade já garantiram sua dose contra a gripe

Campanha de vacinação contra a gripe no Rio tem baixa adesão (Foto: Mariana Ramos/ Prefeitura do Rio)

Doença pode ser grave e ter complicações para idosos, crianças pequenas e gestantes

Apenas 39% dos idosos a partir de 60 anos e 17% das crianças entre seis meses e 4 anos de idade já garantiram sua dose contra a gripe até o momento no município do Rio de Janeiro, bem abaixo da meta de 90% para cada um desses públicos .Com a aproximação do inverno, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) alerta para os riscos da baixa adesão à campanha de vacinação contra a Influenza, como mostra o EpiRio (plataforma de observatório epidemiológico da cidade).

Segundo a pasta, é justamente pelas características climáticas desta época do ano, com temperaturas mais baixas e ambientes mais fechados, que as infecções respiratórias, como a influenza, podem se disseminar com maior frequência.  Muitas vezes subestimada, a gripe é uma doença muito mais grave que um resfriado e pode apresentar complicações em grupos mais vulneráveis, como idosos, crianças pequenas, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto), levando a internações e morte.

Um dos efeitos da baixa adesão à vacinação é o risco da ocorrência de surto pela doença, seja pelos vírus que já compõem a vacina anual ou pela circulação de uma variante desses vírus. No final de 2021, quando houve um surto de gripe na capital, por uma variante do vírus influenza A (H3N2 Darwin), ocorreram 76% do total de 943 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) pelo vírus influenza registrados no ano passado.

E os reflexos se prolongaram neste ano: entre os 51 casos de SRAG pelo vírus influenza notificados em 2022 até o momento, 70,5% tiveram início dos sintomas em janeiro. Com o agravamento dos casos, além das hospitalizações, as complicações podem evoluir ainda para o óbito do paciente. Em 2021, foram 141 registros e já estão em 30 este ano.

“A vacinação é fundamental na prevenção da influenza: é muito segura, eficaz e comprovadamente reduz casos graves e óbitos. Convoco os cariocas, especialmente idosos e crianças, para virarmos a chave de tendência de baixas coberturas vacinais nos últimos anos e garantirmos a proteção contra formas graves da gripe”, destaca o secretário municipal de Saúde, Rodrigo Prado.

Mesmo quem já tomou a vacina da gripe em anos anteriores deve receber nova dose em 2022, se estiver entre os grupos prioritários elencados. Seguindo orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o imunizante contra influenza é atualizado anualmente para proteger contra as cepas que mais circularam no Hemisfério Sul nos meses anteriores. A vacina ofertada pelo SUS este ano permanece trivalente, estimulando a imunidade contra uma linhagem de influenza B, a Victoria; e duas cepas de influenza A, a H1N1 e a H3N2 Darwin, que causou o surto no Município do Rio no final do ano passado.

A vez de pessoas de 50 a 59 anos de grupos prioritários

A vacinação contra a gripe no município do Rio ocorre de forma escalonada por grupos prioritários e faixa etária. Para que haja uma resposta imunológica prévia ao inverno, estação com mais notificações da doença, a campanha começou em 4 de abril e já contemplou idosos, crianças entre seis meses e quatro anos, trabalhadores da saúde, gestantes e puérperas.

Quem estiver em sua vez no calendário, ou mesmo se já tiver passado sua data, pode procurar uma das 236 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) espalhadas por toda cidade para se imunizar. A repescagem segue até o fim da campanha, em 3 de junho.

Nesta segunda-feira (9), passam a ser convocadas também pessoas entre 50 e 59 anos que se encaixam nos seguintes grupos prioritários: integrantes de forças de segurança e salvamento e das forças armadas, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade, pessoas com comorbidades ou com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores do transporte rodoviário de passageiros urbanos e de longo curso, trabalhadores portuários.

Para quem já tomou o imunizante em anos anteriores, o esquema vacinal é de dose única. Já para as crianças da faixa etária atendida que vão tomar a vacina pela primeira vez este ano, serão duas doses, com intervalo de 30 dias entre elas. O calendário completo, com as datas de atendimento de cada grupo, está disponível neste link.

Às pessoas que forem se imunizar, é solicitado comparecer aos postos de saúde portando, sempre que disponível, documento de identificação e caderneta de vacinação. Será preciso apresentar documento que comprove fazer parte dos grupos prioritários elencados pelo Ministério da Saúde, como laudo médico para a confirmação da comorbidade e documento funcional para os grupos profissionais atendidos.

Fonte: SMS-Rio

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais