Saúde financeira se aprende na escola: curso ensina a gastar menos do que se ganha

Rosayne Macedo

saude_financeira1

Se a partir de hoje você não recebesse mais o seu ganho mensal (salário), por quanto tempo conseguiria manter o seu atual padrão de vida? Pais e mães de famílias cujos filhos estão recebendo educação financeira na escola responderam que conseguem permanecer mais tempo sem seu ganho mensal mantendo o atual padrão de vida. Entre os pais de crianças sem educação financeira 44% conseguiriam viver apenas um mês 53% até seis meses e apenas 3% acima desse período. Já nas famílias com filhos que tiveram educação financeira só 2% viveria apenas um mês, 73% até seis meses e 25% acima desse período.

Esse foi o resultado de uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Educação Financeira (Abefin) em parceria com Instituto Axxus e Unicamp. O número é altamente revelador, mostrando que os conceitos passados nas escolas sobre o tratar o dinheiro são muito bem assimilados pelos filhos e replicados pelos pais, impactando em toda a finança familiar.

“Sempre soubemos da importância da educação financeira nas escolas e de seu impacto em todos os relacionados ao processo educacional: professores, pais e alunos. Mas era necessário provar isso em números, por isso a importância da pesquisa que demonstra que a vida financeira de toda a família é impactada quando o filho tem essa aprendizagem”, explica o presidente da Abefin, Reinaldo Domingos.

Quando os pais são perguntados seu filho(a) participa das discussões relacionadas a finanças da família, 100% dos entrevistados cujos filhos estão recebendo educação financeira responderam que sim, que os filhos entendem e opinam, contra apenas 11% dos entrevistados cujos filhos não têm educação financeira.

“A partir da pesquisa esperamos criar uma maior compreensão das escolas e dos pais sobre a importância do tema. Muito já está sendo feito, como é um exemplo a Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef), mas há um caminho longo ainda a ser percorrido para que todas escolas adotem o tema, que ainda enfrenta alguns preconceitos”, finaliza Reinaldo Domingos.

A pesquisa foi embasada nos pais de crianças com idade de 04 a 12 anos, das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Goiânia e Vitória, em escolas particulares adotantes e não-adotantes de programas de educação financeira. Entrevistados: 81% mães, 11% pais e 8% cuidadores. 51% alunos do sexo feminino e 49% do sexo masculino.

Tão importante quanto saúde física ou mental

A saúde financeira é tão importante quanto a saúde física ou mental, por exemplo, e que, por isso, não se pode descuidar de nenhuma delas. Infelizmente, grande parte dos adultos de hoje não teve conhecimentos necessários a respeito desse importante conteúdo durante a vida. Os motivos que levam as pessoas a consumirem mais do que deveriam começaram bem novos, desde crianças. Assim é importante que se aprenda como administrar da melhor maneira possível esse dinheiro. Por isso nunca é tarde para aprender. Diferentemente do que muitos acreditam, a educação financeira deve ser encarada como uma ciência humana, e não exata.

“As pessoas aprendem, sentem prazer e entendem como gastar. Mas economizar e realizar objetivos não são ensinados. Isso faz com que as pessoas se endividem e não realizem seus sonhos. Para isso se quebra alguns paradigmas. Gastar sem limites foi o que a maior parte das pessoas aprendeu. Para mudar esse quadro, é preciso buscar um novo jeito de fazer o dinheiro ser, de fato, algo que leve as pessoas a terem uma melhor qualidade de vida. Por isso, procurar entender que educação financeira não trata apenas de administrar dinheiro, mas sim de muitos outros aspectos, pode tornar possível vincular os sonhos aos objetivos de vida.

Curso ensina a gastar menos do que se ganha

A DSOP realiza neste sábado, dia 19 de agosto, o curso Como Gastar Menos do que Você Ganha, que busca mudar a forma com que as pessoas utilizam seu dinheiro. Com duração de oito horas a ideia é apresentar um material totalmente novo sobre o tema, que possibilitará uma reflexão de como as pessoas podem revolucionar totalmente sua relação com o dinheiro.

O evento acontecerá das 8h30 às 17h30,simultaneamente em São Paulo (SP), Goiânia (GO), Manaus (AM), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), Teresina (PI),  Vitória (ES), Lençóis Paulista (SP), São Bernardo dos Campos (SP), São José do Rio Preto (SP) e Santos (SP).  O investimento para participar é de R$ 540.Inscrições devem ser feitas no link http://info.dsop.com.br/curso-como-gastar-menos.