Socorro, meu filho ainda faz xixi na cama. Isso é normal, doutor?

Especialista da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) explica como os pais devem lidar com enurese noturna, o popular xixi na cama

Fazer xixi na cama é uma condição conhecida como enurese noturna e afeta cerca de 15% das crianças até os cinco anos. Muitos pais se preocupam com os escapes de urina de seus filhos, porém, até os cinco anos de idade, fazer xixi na cama pode ser considerado algo natural dessa fase. Mas e durante a pandemia? Essa situação pode ser mais comum?

Uma revisão publicada na revista da Sociedade Brasileira de Pediatria demonstrou que as crianças foram afetadas direta ou indiretamente pela pandemia. Foram observadas modificações de humor, sintomas de estresse pós-traumático, depressão ou ansiedade, destacando-se ainda as crianças em luto pelos familiares. 

Para Francisco Dénes, diretor do Departamento de Uropediatria da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), embora não existam ainda dados na literatura que indiquem essa correlação com a enurese noturna, os pais devem estar atentos para esse sinal nos filhos. “Com certeza, a pandemia de Covid-19 aumentou significativamente o nível de estresse em muitas famílias, com consequente repercussão direta ou indireta no nível de ansiedade de algumas crianças mais sensíveis”, pondera. 

Tratamento mais indicado

No Dia Mundial da Enurese (“World Bedwetting Day”), celebrado neste 25 de maio, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) orienta pais e cuidadores sobre o tratamento adequado para as crianças que ainda deixam escapar urina durante a noite. 

Uma das causas mais conhecidas da enurese noturna é a hereditariedade: se um dos pais teve o problema, a probabilidade de a criança apresentar a condição é de 40%; se forem os dois, o risco sobe para 77%. Outros fatores de risco são metabólicos e alimentares. 

Se não houver associação com infecção urinária, os pais devem entender que se trata de um processo de amadurecimento neurológico que pode variar de criança a criança, umas ficando secas mais rapidamente que outras”, explica Francisco Dénes. 

Leia mais

Frio dá mais vontade de fazer xixi – mito ou verdade?

Férias: é tempo de abandonar o xixi na cama

Filhos de pais que faziam xixi na cama são mais propensos ao distúrbio

Ele alerta que a punição por ter molhado a cama é um método ineficaz e que pode agravar ainda mais a situação. “É evidente que as crianças enuréticas não são responsáveis pela sua situação, razão pela qual não podem nem devem ser punidas pelas noites molhadas. Por outro lado, o reforço positivo pelas noites secas poderá ajudar no processo”, explica. 

Se a criança tem mais de cinco anos e apresentar perdas persistentes de urina durante o dia, as famílias devem encaminhá-la ao uropediatra para averiguar a possível associação com outras doenças do aparelho urinário, o alerta também vale se houver alterações importantes do hábito intestinal, seja por perdas de fezes, seja por prisão de ventre, pois isso pode ser um fator de risco para a enurese noturna que precisa igualmente ser avaliado e corrigido. 

Dicas para os pais 

– Nunca brigue com seu filho após um episódio; 
– Trabalhe a autoestima das crianças através de ações afirmativas (se a criança acordou e a cama está seca, ela deve ser elogiada e acarinhada); 
– Incentive a micção de três em três horas, mesmo sem sentir necessidade; 
– Diminua a ingestão de líquidos após as 18 horas; 
– Evite dar alimentos com cafeína e chocolate; 
– Estimule o hábito de urinar antes de ir para a cama; 
– Evite refeições pesadas à noite. 

Ações da SBU – Para lembrar a data, a SBU promoverá em suas redes sociais ações voltadas ao esclarecimento de famílias sobre esse problema. Em seu perfil no Instagram (@portaldaurologia) e na página do Facebook (Portal da Urologia), haverá posts e vídeo para abordar o assunto. No dia 24 de maio, às 19h, ocorre a live “Meu filho faz xixi na cama é normal?”, com Patric Tavares (RS) e Adriano Almeida Calado (PE). 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais