Tecnologia identifica quem já foi infectado pelo novo coronavírus

Aplicativo criado pelo Ministério da Saúde permite detectar presença do Sars-Cov-2 em quem se aproxima

O velho provérbio português “do adulador, quanto mais longe, melhor” ganhou nova roupagem com a chegada da Covid-19. Agora não mais como conselho para se ver livre de bajuladores, mas da ameaça à própria vida. Evitar aglomerações e manter-se distante em tempos de pandemia viraram palavras de ordem para evitar o contágio pelo novo coronavírus.

E, para ajudar o cidadão nessa tarefa nem sempre tão fácil, Google e Apple passaram a integrar recursos de rastreamento de exposição à Covid-19 em seus respectivos sistemas operacionais móveis. Com isso, a partir de um simples toque no seu celular, é possível saber se você teve contato com alguém que informou ter se infectado.

O recurso de notificações de exposição à Covid-19 funciona somente por meio de um aplicativo oficial de uma autoridade governamental de saúde pública. No Brasil, apenas o Ministério da Saúde possui a licença para usar a funcionalidade. Para receber notificações de contato próximo com usuários positivos para Covid-19, é necessário que o usuário tenha o aplicativo Coronavírus-SUS e habilite a função de notificação de exposição no aparelho.

O aplicativo funciona apenas com outras pessoas com o aplicativo oficial instalado. Em até 24 horas, ficará sabendo sobre pessoas que testaram positivo para Covid-19, e se estiveram próximas delas nos últimos 14 dias. 

Como funciona o Coronavírus-SUS

Se um indivíduo é diagnosticado e confirmado por um profissional de saúde que está com Covid-19, ele pode transmitir para a nuvem de dados, a partir de um token (código de números) emitido pelo Ministério da Saúde, a validação do seu exame (PCR ou sorológico) positivo para a doença. O envio é facultativo, mas a adesão facilita o controle do contágio.

Para evitar informações falsas, antes de gerar o token, o Ministério da Saúde fará o cruzamento entre o exame informado pela pessoa e os registros integrados da plataforma de vigilância (e-SUS Notifica) e da Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS), ambos integrados e que reúnem informações dos pacientes com Covid-19 no Brasil.

Com o envio criptografado das informações de contágio, por meio do uso do bluetooth de baixa energia, o aplicativo Coronavírus-SUS reconhece contatos próximos a uma distância de 1,5 a 2 metros e por um tempo mínimo de cinco minutos entre smartphones que possuam o aplicativo instalado. A notificação será enviada somente pelo Ministério da Saúde. O usuário receberá a informação de que teve possível contato com alguém que testou positivo para Covid-19 nas últimas horas.

A notificação vai alertar que se trata de uma medida de prevenção e que não necessariamente a pessoa terá a doença, mas que é preciso ficar atenta aos sintomas, como febre, tosse, dor de garganta e/ou coriza, com ou sem falta de ar, e reforçar as medidas de higiene. Caso ela apresente algum sintoma nos 14 dias seguintes, deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo, assim como prevê as orientações de conduta precoce do Ministério da Saúde.

O usuário também será direcionado para obter mais informações. Se a pessoa optar por parar de receber as informações, ela pode, a qualquer momento, desativar as configurações no aplicativo ou até mesmo excluí-lo.

Segurança e privacidade

Além de segura, a nova funcionalidade conserva a privacidade, tanto do paciente infectado como da pessoa que recebe a notificação da possível exposição com o caso confirmado para a Covid-19. O aplicativo funciona sem rastrear os movimentos da pessoa testada positiva e sem conhecer sua identidade ou a identidade com quem ela entrou em contato. O aplicativo não tem acesso a nenhuma informação pessoal, como CPF, nome ou número de telefone. 

Nenhum dado de geolocalização, incluindo dados de GPS, é coletado. Por isso o uso do bluetooth, que detecta quando dois dispositivos estão próximos um do outro – sem revelar onde eles estão. A pessoa receberá notificação se teve contato com alguém contaminado (ou testado positivo para Covid) nos últimos 14 dias ser, sem informação de horário ou tempo específico, justamente para não identificar quem teve a doença.

O aplicativo passou por uma sequência exaustiva de teste pelos fabricantes antes de ser disponibilizado nas lojas para download. Todos os dados são criptografados e salvos localmente no smartphone. Os dados só ficam disponíveis na ferramenta durante o período de duas semanas.

Outros países já usam o sistema 

O sistema de notificações de exposição à Covid-19 já vem sendo utilizado na Alemanha, Itália e Uruguai, que associaram o serviço às campanhas de conscientização do distanciamento e hábitos de proteção e higiene. Com essa técnica de rastreamento de casos positivos pelo novo coronavírus, as autoridades pretendem ter um auxílio para a transição da população para a vida cotidiana e, ao mesmo tempo, gerenciar o risco de novos surtos.

Antes da tecnologia entrar em ação, o rastreamento de contatos era feito manualmente. As autoridades de saúde pediam a uma pessoa infectada uma lista de todos com quem estiveram em contato, para poder incentivar essas pessoas a verificar se tinham sintomas, fazer o teste ou se auto-isolar.