Terceira idade na universidade: aos 89 anos ela criou um ‘grupo no zap’

Iaracy Casaes, 89 anos, participa há 23 da Universidade da Terceira Idade da Uerj. Conheça também o Terceira Idade em Ação, da Uenf

Iaracy Casaes, de 89 anos, está entre os idosos que estudam em universidades do Rio (Foto: Eliane Carvalho)

Perto de sua nona década de vida, a carioca Iaracy Casaes já viu surtos e epidemias, mas o isolamento imposto pela pandemia de coronavírus não lhe tirou a vitalidade e o interesse em aprender cada vez mais. Neste mês em que se comemora o Dia Mundial do Idoso (1/10), Iaracy mostra que é possível se reinventar em qualquer idade. Aos 89 anos, ela é aluna há 23 da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Iaracy Casaes, de 89 anos, participa há 23 da Universidade da Terceira Idade, da Uerj (Foto: Eliane Carvalho)

Semanalmente, participa de diferentes oficinas gratuitas do projeto, um dos muitos oferecidos por universidades estaduais do Rio. A oficina “Dançando a Vida na Bela Idade”, por exemplo, trabalha a autoestima, o equilíbrio, a memória recente, a de trabalho e a atenção. Tudo por meio da música, dança, dinâmicas, reflexões e palestras. E foi além da participação nas oficinas para aumentar a interatividade com os amigos.

“Eu criei um grupo em um aplicativo (Whatsapp) que chamo de “As formiguinhas”. Por ele envio mensagens, reflexões e até mesmo declamações para as minhas amigas. Só mando conteúdos que não aumentam a tristeza nesse difícil momento”, conta.

A aluna da UnATI também revela que não pretende parar tão cedo. “Não podemos perder a nossa alegria. A vida é sempre um aprendizado e enquanto Deus me permitir eu continuo’, diz Iaracy, com olhos grudados à tela do celular para captar cada detalhe da oficina.

‘Universidade da Terceira Idade’ agora online

Universidade da Terceira Idade, da Uerj, mantém atividades online (Foto: Eliane Carvalho)

Com 28 anos de história, a UnATI.Uerj funciona como um centro de ensino, pesquisa, extensão, estudos, debates e assistência voltado para questões relacionadas ao envelhecimento da população. Para isso, conta com um time multidisciplinar composto por cerca de 80 professores, alunos e colaboradores da universidade, que estimula a melhoria na qualidade de vida, autonomia e empoderamento dos 60 +.

Na pandemia, as aulas acontecem por meio de uma plataforma online e há 496 alunos matriculados em 37 diferentes opções de oficinas gratuitas como Mídias Sociais – A Linguagem da Web, Alimentação e Nutrição na Terceira Idade, Dança de Salão e Gerontopsicomotricidade.

Para o diretor da instituição, Renato Veras, os idosos conseguiram se tornar protagonistas das suas próprias vidas e dos núcleos familiares. “Com a UnATI podemos perceber que a vida não acaba aos 50, 60, nem aos 70… Nos tornamos a vanguarda da inovação para valorizar os idosos. Hoje eles são as pessoas que levam a novidade para os encontros em família. Com isso, se sentem cada vez mais especiais”.

‘Terceira Idade em Ação’ retoma atividades

Programa ‘Terceira Idade em Ação’ da Uenf antes da pandemia (Foto: Divulgação)

A Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), em Campos dos Goytacazes, também tem uma iniciativa voltada para os idosos: o Programa Terceira Idade em Ação. Com 10 anos de história, atende atualmente 387 alunos a partir de 55 anos, promovendo gratuitamente atividades físicas, laborais, interação social e cuidado com a saúde mental.

Entre os cursos oferecidos estão as aulas de dança sênior, yoga, treinamento funcional, hidroginástica e hidroterapia; além de oficinas de artesanato, direito do idoso, farmacêutica, informática básica e jardinagem. Desde setembro de 2021, parte dos alunos com a vacinação em dia começou a retornar às atividades presenciais com os devidos cuidados sanitários.  Já um outro grupo continua aprendendo de forma remota.

A aluna Josete Mendonça, de 65 anos, por exemplo, escolheu estudar nas duas modalidades. No momento, divide sua rotina com as aulas online sobre smartphones e presenciais com os cursos de nutrição e informática. Há 5 anos fazendo parte do projeto, mostra que nunca é tarde para aprender.

“Eu era uma pessoa que não tinha hora para nada. Agora eu tenho um objetivo! Descobri talentos que eu nem sabia. Durante a minha vida, não tive a oportunidade de aprender a nadar e, há dois anos, consegui desenvolver essa capacidade no projeto. Eu adoro água e não tenho mais medo. Sem dúvidas, na pandemia esse projeto foi o que me sustentou”, disse Josete.

Josete, no programa Terceira Idade em Ação da Uenf, antes da pandemia (Foto: Divulgação)

Cursos e oficinas sobre tecnologia, ministrados antes da pandemia em ambas as universidades, foram primordiais para facilitar o processo de aprendizagem dos idosos. De acordo com a a professora Rosalee Istoe, responsável pelo projeto Terceira Idade em Ação, a adaptação dos alunos durante a pandemia foi tranquila.

“Quando veio a pandemia, não tivemos dificuldade em migrar para o mundo remoto, porque os idosos já faziam parte desse universo. Esse momento trouxe o peso do isolamento social, que só não foi pior porque ainda permitiu um agrupamento virtual. Agora, aos poucos, na volta do presencial, percebo que eles são altamente comprometidos com o momento que estamos vivendo”, ressaltou.

Como se inscrever

Os interessados em se matricular no projeto Terceira Idade em Ação, da Uenf, podem se inscrever presencialmente na universidade ou pelo número (21) 2748-6063, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 12h. Já os que desejam participar da UnATI-Uerj, a expectativa é que as inscrições comecem em janeiro de 2022, pelo site www.unatiuerj.com.br.

Do Governo do Rio, com Assessoria

Leia também

Terceira idade, Covid-19 e a dose de reforço da vacina
HIV na terceira idade aumenta sete vezes em 10 anos
Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
Sexo na terceira idade: estudo alerta para aumento de DSTs entre idosos
Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais