Treze médicos já morreram no Rio por causa da Covid-19

1.169 profissionais de saúde foram afastados do trabalho por suspeita ou confirmação de coronavírus, 6% da força de trabalho nos hospitais estaduais

Redação

Desde o início da pandemia até esta terça-feira, o Rio de Janeiro registra 13 mortes de médicos por causa da Covid-19. As vítimas fatais foram Paulo Chamma, Sérgio Fagundes, Luiz Sérgio Herthal do Espírito Santo, Astolfo Serra, Claudia Nogueira Cardoso, Ricardo Antonio Piacenso, José Manoel de Melo Gomes, João Batista Marangoni, Celso de Almeida Felício, Magna Sandra de Deus, Justino Lage Neto, Ana Maria Caldonceli Vidal Sartori e Edsneider Rocha Pires de Souza.

A relação foi divulgada pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), que cobra melhores condições de trabalho para os médicos. Entre os profissionais, pelo menos três estavam no grupo de risco e continuaram atuando na linha de frente. Em entrevista à Rádio Tupi, o presidente do Cremerj, Sylvio Provenzano, confirma a informação de que três médicos faleceram em razão do novo coronavírus somente no último final de semana.

Provenzano fala também sobre a dificuldade das autoridades públicas em contratar médicos para os hospitais de campanha e acredita que isso se deve à insuficiência de EPIs. Ele cita que visitou o hospital de campanha da Prefeitura no Riocentro e que respiradores devem chegar da China nesta semana, e comenta que a precariedade da saúde pública veio à tona com a pandemia, mas que isso ocorre há muitos anos.

De acordo com o Cremerj, a Secretaria de Estado de Saúde informou que há, atualmente, 1.169 profissionais de saúde da rede estadual afastados do trabalho por suspeita ou confirmação de coronavírus. Este número representa 6% dos profissionais que atuam nas unidades estaduais. Já a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que tem, atualmente, 1.040 profissionais de licença por estarem com suspeita ou confirmação de Covid 19. Outros 277 estão afastados por terem 60 anos ou mais. A SMS conta com 45 mil funcionários trabalhando em suas unidades. O total de afastados representa 2,9% da força de trabalho.

Os médicos afastados na rede estadual estão alocados nas seguintes unidades:

Hospital Estadual Adão Pereira Nunes – 168
Hospital Estadual Alberto Torres – 175
Hospital Estadual Anchieta – 12
Hospital Estadual Azevedo Lima – 111
Hospital Estadual Carlos Chagas – 145
Hospital Estadual Getúlio Vargas – 119
Hospital Regional do Médio Paraíba – 5
Hospital Estadual Roberto Chabo – 19
Instituto Estadual do Cérebro – 19
UPAs (30 unidades) – 396

 

In the news
Leia Mais