Vale tudo para ficar com pele de pêssego neste outono

Começou a temporada de procedimentos estéticos. Temperatura amena favorece os resultados e dá mais conforto aos pacientes que buscam rejuvenescer a pele

Redação
Carolina Schafer realiza microbotox Carolina Schafer realiza microbotox em paciente (Foto: Divulgação)

Rio de Janeiro, abril de 2018 – Um domingo inteiro de chuva fina e a temperatura despencou no Rio de Janeiro. Boa notícia para quem estava esperando o verão se despedir de verdade para correr para os consultórios de dermatologistas e as clínicas de estética e também de cirurgia plástica, em busca de técnicas que promovam uma nova aparência da pele, favorecendo o rejuvenescimento.

Por conta do clima mais ameno, o outono e o inverno são estações mais propícias para realização de tratamentos estéticos em geral, especialmente na face, como peelings, lasers, luz pulsada e até mesmo cirurgias. São muitos os fatores que favorecem o resultado efetivo dos procedimentos e dão maior conforto aos pacientes.

Segundo especialistas, as baixas temperaturas irritam menos a pele, fazendo com que a recuperação seja mais tranquila, agradável e eficiente. O risco de inflamações e edemas diminui e também suamos menos. Por isso, a procura por alguns tratamentos estéticos aumenta nesta época do ano.

Neste clima, a exposição ao sol e a radiação solar são menores. Isso ajuda na cicatrização, evita manchas e diminui o aparecimento de efeitos indesejados”, explicou a dermatologista Ana Paula Bonvini, da Clínica Maurício Baisch, de Petrópolis (RJ).

.Mas é importante lembrar que, mesmo no frio, os pacientes precisam ter cuidados redobrados. “As dicas são simples mas extremamente importantes: quem acabou de fazer algum tratamento estético deve usar filtro solar, manter a pele hidratada e não se expor ao sol.”, recomendou a médica.

 

Veja aqui mais sobre cuidados com a pele no outono

Facelifting é um dos mais desejados

Para a cirurgiã plástica Carolina Schafer, um dos procedimentos mais procurados nesta época do ano é o facelifting. O tratamento, também chamado de ritidoplastia, remove o excesso de pele, promove a elevação das estruturas profundas da face, melhorando o chamado “bigode chinês” (sulco nasogeniano) e também o efeito “buldogue” (sulco da marionete) que ocorrem com a queda das bochechas. A cirurgia ainda corrige o contorno da mandíbula (jowls) e a flacidez do pescoço (com bandas platismais ou não).

“É uma técnica de rejuvenescimento indicada para pacientes com flacidez ocasionadas pelo envelhecimento ou pela perda de peso. A cicatriz é mínima na região anterior as orelhas e posterior no couro cabeludo”, esclarece a especialista.

Mas é sempre bom lembrar: todos os procedimentos cirúrgicos, sejam estéticos ou eletivos, são contraindicados para pacientes com doenças descompensadas (hipertensão não controlada, diabetes não controlada), doenças cardíacas, renais e pulmonares graves e doenças que afetem a coagulação. Outra grave contra indicação é a identificação de um transtorno dismórfico no paciente avaliado.

Os procedimentos mais procurados

Na segunda matéria da série sobre Outono em ViDA & Ação, a cirurgiã plástica apresenta os demais procedimentos mais procurados atualmente, esclarecendo as principais dúvidas:

MD Codes:  É uma técnica criada pelo cirurgião plástico brasileiro Maurício de Maio que permite promover um rejuvenescimento facial completo ou até mesmo diminuir os efeitos do envelhecimento em faces mais jovens. Consiste em usar ácido hialurônico em pontos específicos da face para substituição dos compartimentos de gordura perdidos com o envelhecimento. A médica explica que a partir dos 30 anos, as estruturas faciais iniciam o processo de envelhecimento. As mudanças estão relacionadas com ação muscular, flacidez da pele, perda da sustentação óssea e diminuição do volume dos compartimentos de gordura faciais que geram alterações no contorno, processo denominado quadralização facial. O rosto progressivamente se torna mais quadrado, perdendo a característica triangular (nas mulheres).

Peeling químico: O tratamento pode ser feito no rosto, mãos e pescoço. O peeling químico superficial remove a camada mais externa da pele, clareando manchas, marcas de acne e minimizando as rugas suaves. Já no peeling químico médio são usados ácidos que tratam acne e rugas mais profundas. Para pacientes com a peledanificada pelo sol ou com cicatrizes mais profundas é recomendado o peeling químico profundo. Geralmente, os resultados já começam a ser percebidos na segunda sessão. É preciso fazer uso de um filtro solar com FPS 60.

Microbotox: É uma técnica de aplicação de microdoses de botox mais intensamente diluído entre a camada superficial dos músculos da face e a derme, de modo a minimizar e prevenir o aparecimento de rugas sem impedir a contração dos músculos e, assim, preservar a expressão facial. Proporciona, ainda, uma redução da função exagerada das glândulas sebáceas (reduzindo oleosidade e os poros abertos) e das glândulas sudoríparas (diminuindo a hiperidrose ou sudorese excessiva). Promove também a melhora da textura e aspecto geral da face.

Blefaroplastia: Esta cirurgia plástica melhora o aspecto das pálpebras superiores e inferiores, eliminando bolsas de gordura, rugas, flacidez e com isso rejuvenescendo a região em torno dos olhos. A cirurgia pode ser realizada por dentro dos olhos, sem cicatrizes aparentes, se não houver necessidade de retirada de pele.

Bichectomia: Para uma maior harmonia facial, especialistas recomendam a remoção das gorduras de bichat. Nos últimos dois anos, a procura pela cirurgia aumentou consideravelmente após adesão de muitos famosos e vêm se equiparando às grandes demandas da cirurgia plástica como lipoaspiração e prótese de mama. A cirurgia pode ser realizada com finalidade estética ou funcional. Em ambos os casos é preciso passar por uma avaliação de um cirurgião plástico (membro da SBCP) para saber se é caso cirúrgico.

As principais queixas estéticas são face arredondada, bochechas proeminentes e ausência do contorno das maçãs do rosto. Nos casos funcionais há aumento do volume para dentro da cavidade oral causando traumas repetidos durante a mastigação. As chances de complicações graves não são grandes em uma bichectomia, mas deve se ter máximo cuidado pois trata-se de uma área ricamente vascularizada (podendo ocasionar hematomas), com presença de ramos bucais do nervo facial (podendo causar paralisias temporárias ou mesmo permanentes) e ducto salivar (podendo causar fistulas salivares).

Da Redação, com assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.